Jogos de Comovente de Graça para Baixar

Jogos de Comovente de Graça para Baixar

monthly 0.5 https://dictionary.cambridge.org/es/diccionario/portugues-ingles/baixar monthly 0.5. Baixar Jogo Rise of Industry [PT-BR] Completo para PC Torrent Grátis 2018 Atualizado - Download Game Rise of Industry [PT-BR] De Graça 100%. -psp-a-sony-vai-finalmente-continuar-a-vender-jogos-na-playstation-store/ /hot-o-youtube-tv-oferece-um-chromecast-com-google-tv-gratuito-para-voce/.

You can watch a thematic video

6 JOGOS OTIMOS QUE VOCÊ NÃO PRECISA BAIXAR!

Jogos de Comovente de Graça para Baixar - happens

Trecho. © Reimpressão autorizada. Todos os direitos reservados

Slammed

1.


I’m as nowhere as I can be,

Could you add some somewhere to me?

—THE AVETT BROTHERS, “SALINA”

KEL AND I LOAD THE LAST TWO BOXES INTO THE U-HAUL. I slide the door down and pull the latch shut, locking up eighteen years of memories, all of which include my dad.

It’s been six months since he passed away. Long enough that my nine-year-old brother, Kel, doesn’t cry every time we talk about him, but recent enough that we’re being forced to accept the financial aftermath that comes to a newly single-parented household. A household that can’t afford to remain in Texas and in the only home I’ve ever known.

“Lake, stop being such a downer,” my mom says, handing me the keys to the house. “I think you’ll love Michigan.”

She never calls me by the name she legally gave me. She and my dad argued for nine months over what I would be named. She loved the name Layla, after the Eric Clapton song. Dad loved the name Kennedy, after a Kennedy. “It doesn’t matter which Kennedy,” he would say. “I love them all!”

I was almost three days old before the hospital forced them to decide. They agreed to take the first three letters of both names and compromised on Layken, but neither of them has ever once referred to me as such.

I mimic my mother’s tone, “Mom, stop being such an upper! I’m going to hate Michigan.”

My mother has always had an ability to deliver an entire lecture with a single glance. I get the glance.

I walk up the porch steps and head inside the house to make a walk-through before the final turn of the key. All of the rooms are eerily empty. It doesn’t seem as though I’m walking through the house where I’ve lived since the day I was born. These last six months have been a whirlwind of emotions, all of them bad. Moving out of this home was inevitable—I realize that. I just expected it to happen after the end of my senior year.

I’m standing in what is no longer our kitchen when I catch a glimpse of a purple plastic hair clip under the cabinet in the space where the refrigerator once stood. I pick it up, wipe the dust off of it, and run it back and forth between my fingers.

“It’ll grow back,” Dad said.

I was five years old, and my mother had left her trimming scissors on the bathroom counter. Apparently, I had done what most kids of that age do. I cut my own hair.

“Mommy’s going to be so mad at me,” I cried. I thought that if I cut my hair, it would immediately grow back, and no one would notice. I cut a pretty wide chunk out of my bangs and sat in front of the mirror for probably an hour, waiting for the hair to grow back. I picked the straight brown strands up off the floor and held them in my hand, contemplating how I could secure them back to my head, when I began to cry.

When Dad walked into the bathroom and saw what I had done, he just laughed and scooped me up, then positioned me on the countertop. “Mommy’s not going to notice, Lake,” he promised as he removed something out of the bathroom cabinet. “I just happen to have a piece of magic right here.” He opened up his palm and revealed the purple clip. “As long as you have this in your hair, Mommy will never know.” He brushed the remaining strands of hair across and secured the clip in place. He then turned me around to face the mirror. “See? Good as new!”

I looked at our reflection in the mirror and felt like the luckiest girl in the world. I didn’t know of any other dad who had magic clips.

I wore that clip in my hair every day for two months, and my mother never once mentioned it. Now that I look back on it, I realize he probably told her what I had done. But when I was five, I believed in his magic.

I look more like my mother than like him. Mom and I are both of average height. After having two kids, she can’t really fit into my jeans, but we’re pretty good at sharing everything else. We both have brown hair that, depending on the weather, is either straight or wavy. Her eyes are a deeper emerald than mine, although it could be that the paleness of her skin just makes them more prominent.

I favor my dad in all the ways that count. We had the same dry sense of humor, the same personality, the same love of music, the same laugh. Kel is a different story. He takes after our dad physically with his dirty-blond hair and soft features. He’s on the small side for nine years old, but his personality makes up for what he lacks in size.

I walk to the sink and turn it on, rubbing my thumb over the thirteen years of grime collected on the hair clip. Kel walks backward into the kitchen just as I’m drying my hands on my jeans. He’s a strange kid, but I couldn’t love him more. He has a game he likes to play that he calls “backward day,” in which he spends most of the time walking everywhere backward, talking backward, and even requesting dessert first. I guess with such a big age difference between him and me and no other siblings, he has to find a way to entertain himself somehow.

“Hurry to says Mom Layken!” he says, backward.

I place the hair clip in the pocket of my jeans and head back out the door, locking up my home for the very last time.

* * *

OVER THE NEXT few days, my mother and I alternate driving my Jeep and the U-Haul, stopping only twice at hotels to sleep. Kel switches between Mom and me, riding the final day with me in the U-Haul. We complete the last exhausting nine-hour stretch through the night, only stopping once for a short break. As we close in on our new town of Ypsilanti, I take in my surroundings and the fact that it’s September but my heater is on. I’ll definitely need a new wardrobe.

As I make a final right-hand turn onto our street, my GPS informs me that I’ve “reached my destination.”

“My destination,” I laugh aloud to myself. My GPS doesn’t know squat.

The cul-de-sac is not very long, lined with about eight single-story brick houses on each side of the street. There’s a basketball goal in one of the driveways, which gives me hope that Kel might have someone to play with. Honestly, it looks like a decent neighborhood. The lawns are manicured, the sidewalks are clean, but there’s too much concrete. Way too much concrete. I already miss home.

Our new landlord emailed us pictures of the house, so I immediately spot which one is ours. It’s small. It’s really small. We had a ranch-style home on several acres of land in Texas. The minuscule amount of land surrounding this home is almost nothing but concrete and garden gnomes. The front door is propped open, and I see an older man who I assume is our new landlord come outside and wave.

I drive about fifty yards past the house so that I can back into the driveway, where the rear of the U-Haul will face the front door. Before I put the gearshift in reverse, I reach over and shake Kel awake. He’s been passed out since Indiana.

“Kel, wake up,” I whisper. “We’ve reached our destination.”

He stretches his legs out and yawns, then leans his forehead against the window to get a look at our new house. “Hey, there’s a kid in the yard!” Kel says. “Do you think he lives in our house, too?”

“He better not,” I reply. “But he’s probably a neighbor. Hop out and go introduce yourself while I back up.”

When the U-Haul is successfully backed in, I put the gearshift in park, roll down the windows, and kill the engine. My mother pulls in beside me in my Jeep and I watch as she gets out and greets the landlord. I crouch down a few inches in the seat and prop my foot against the dash, watching Kel and his new friend sword fight with imaginary swords in the street. I’m jealous of him. Jealous of the fact that he can accept the move so easily, and I’m stuck being the angry, bitter child.

He was upset when Mom first decided on the move. Mostly because he was in the middle of his Little League season. He had friends he would miss, but at the age of nine your best friend is usually imaginary, and transatlantic. Mom subdued him pretty easily by promising he could sign up for hockey, something he wanted to do in Texas. It was a hard sport to come by in the rural south. After she agreed to that, he was pretty upbeat, if not stoked, about Michigan.

I understand why we had to move. Dad had made a respectable living managing a paint store. Mom worked PRN as a nurse when she needed to, but mostly tended to the house and to us. About a month after he died, she was able to find a full-time job. I could see the stress of my father’s death taking its toll on her, along with being the new head of household.

One night over dinner, she explained to us that she wasn’t left with enough income to continue paying all the bills and the mortgage. She said there was a job that could pay her more, but we would have to move. She was offered a job by her old high-school friend Brenda. They grew up together in my mother’s hometown of Ypsilanti, right outside of Detroit. It paid more than anything she could find in Texas, so she had no choice but to accept. I don’t blame her for the move. My grandparents are deceased, and she has no one to help her. I understand why we had to do it, but understanding a situation doesn’t always make it easier.

“Layken, you’re dead!” Kel shouts through the open window, thrusting his imaginary sword into my neck. He waits for me to slump over, but I just roll my eyes at him. “I stabbed you. You’re supposed to die!” he says.

“Believe me, I’m already dead,” I mumble as I open the door and climb out. Kel’s shoulders are slumped forward and he’s staring down at the concrete, his imaginary sword limp by his side. Kel’s new friend stands behind him looking just as defeated, causing me immediately to regret the transference of my bad mood.

“I’m already dead,” I say in my best monster voice, “because I’m a zombie !”

They start screaming as I stretch my arms out in front of me, cock my head to the side, and make a gurgling sound. “Brains!” I grumble, walking stiff-legged after them around the U-Haul. “Brains!”

I slowly round the front of the U-Haul, holding my arms out in front of me, when I notice someone grasping my brother and his new friend by the collars of their shirts.

“Get ’em!” The stranger yells as he holds the two screaming boys.

He looks a couple of years older than me and quite a bit taller. “Hot” would be how most girls would describe him, but I’m not most girls. The boys are flailing around, and his muscles flex under his shirt as he tries hard to maintain his grip on them.

Unlike Kel and me, these two are unmistakably siblings. Aside from the obvious age difference, they’re identical. They both have the same smooth olive skin, the same jet-black hair, even the same cropped hairstyle. He’s laughing as Kel breaks free and starts slicing at him with his “sword.” He looks up at me and mouths “Help,” when I realize I’m still frozen in my zombie pose.

My first instinct is to crawl back inside the U-Haul and hide on the floorboard for the remainder of my life. Instead, I yell “Brains” once more and lunge forward, pretending to bite the younger boy on top of his head. I grab Kel and his new friend and start tickling them until they melt into heaps on the concrete driveway.

As I straighten up, the older brother extends his hand. “Hey, I’m Will. We live across the street,” he says, pointing to the house directly across from ours.

I reciprocate his handshake. “I’m Layken. I guess I live here,” I say as I glance toward the house behind me.

He smiles. Our handshake lingers as neither one of us says anything. I hate awkward moments.

“Well, welcome to Ypsilanti,” he says. He pulls his hand from mine and puts it in his jacket pocket. “Where are you guys moving here from?”

“Texas?” I reply. I’m not sure why the tail end of my reply comes out like a question. I’m not sure why I’m even analyzing why it came out like a question. I’m not sure why I’m analyzing the reason why I’m analyzing—I’m flustered. It must be the lack of sleep I’ve gotten over the past three days.

“Texas, huh?” he says. He’s rocking back and forth on his heels. The awkwardness intensifies when I fail to respond. He glances down at his brother and bends over, grabbing him by the ankles. “I’ve got to get this little guy to school,” he says as he swings his brother up and over his shoulders. “There’s a cold front coming through tonight. You should try to get as much unloaded today as you can. It’s supposed to last a few days, so if you guys need help unloading this afternoon, let me know. We should be home around four.”

“Sure, thanks,” I say. They head across the street, and I’m still watching them when Kel stabs me in my lower back. I drop to my knees and clutch at my stomach, crouching forward as Kel climbs on top of me and finishes me off. I glance across the street again and see Will watching us. He shuts his brother’s car door, walks around to the driver’s-side door, and waves goodbye.

* * *

IT TAKES US most of the day to unload all of the boxes and furniture. Our landlord helps move the larger items that Mom and I can’t lift on our own. We’re too tired to get to the boxes inside the Jeep and agree to put it off until tomorrow. I’m a little disappointed when the U-Haul is finally empty; I no longer have an excuse to solicit Will’s help.

As soon as my bed is put together, I start grabbing boxes with my name on them from the hallway. I get most of them unpacked and my bed made, when I notice the furniture in my bedroom casting shadows across the walls. I look out my window, and the sun is setting. Either the days are a lot shorter here, or I’ve lost track of time.

In the kitchen, I find Mom and Kel unloading dishes into the cabinets. I climb into one of the six tall chairs at the bar, which also doubles as the dining room table because of the lack of dining room. There isn’t much to this house. When you walk through the front door, there’s a small entryway followed by the living room. The living room is separated from the kitchen by nothing more than a hallway to the left and a window to the right. The living room’s beige carpet is edged by hardwood that leads throughout the rest of the house.

“Everything is so clean here,” my mother says as she continues putting away dishes. “I haven’t seen a single insect.”

Texas has more insects than blades of grass. If you aren’t swatting flies, you’re killing wasps.

“That’s one good thing about Michigan, I guess,” I reply. I open up a box of pizza in front of me and eye the selection.

“One good thing?” She winks at me as she leans across the bar, grabs a pepperoni, and pops it into her mouth. “I’d think that would be at least two good things.”

I pretend I’m not following.

“I saw you talking to that boy this morning,” she says with a smile.

“Oh, please, Mom,” I reply as indifferently as I can get away with. “I’m pretty positive we’ll find it no surprise that Texas isn’t the only state inhabited by the male species.” I walk to the refrigerator and grab a soda.

“What’s anabited?” Kel asks.

“Inhabited,” I correct him. “It means to occupy, dwell, reside, populate, squat, live.” My SAT prep courses are paying off.

“Oh, kinda like how we anabited Ypsilanti?” he says.

“Inhabited,” I correct him again. I finish my slice of pizza and take another sip of the soda. “I’m beat, guys. I’m going to bed.”

“You mean you’re going to inhabit your bedroom?” Kel says.

“You’re a quick learner, young grasshopper.” I bend and kiss the top of his head and retreat to my room.

It feels so good to crawl under the covers. At least my bed is familiar. I close my eyes and try to imagine that I’m in my old bedroom. My old, warm bedroom. My sheets and pillow are ice cold, so I pull the covers over my head to generate some heat. Note to self: Locate the thermostat first thing in the morning.

* * *

AND THAT’S EXACTLY what I set out to do as soon as I crawl out of bed and my bare feet meet the ice-cold floor beneath them. I grab a sweater out of my closet and throw it on over my pajamas while I search for socks. It’s a futile attempt. I quietly tiptoe down the hallway, trying not to wake anyone while at the same time attempting to expose the least possible amount of foot to the coldness of the hardwood. As I pass Kel’s room, I spot his Darth Vader house shoes on the floor. I sneak in and slip them on, finally finding some relief as I head into the kitchen.

I look around for the coffeepot but don’t find it. I remember packing it in the Jeep, which is unfortunate since the Jeep is parked outside. Outside in this absurdly cold weather.

The jackets are nowhere to be found. Septembers in Texas rarely call for jackets. I grab the keys and decide I’ll just have to make a mad dash to the Jeep. I open the front door and some sort of white substance is all over the yard. It takes me a second to realize what it is. Snow? In September? I bend down and scoop some up in my hands and examine it. It doesn’t snow that often in Texas, but when it does it isn’t this kind of snow. Texas snow is more like minuscule pieces of rock-hard hail. Michigan snow is just how I imagined real snow would be: fluffy, soft, and cold! I quickly drop the snow and dry my hands on my sweatshirt as I head toward the Jeep.

I don’t make it far. The second those Darth Vader house shoes meet the snow-dusted concrete, I’m no longer looking at the Jeep in front of me. I’m flat on my back, staring up at the clear blue sky. I immediately feel the pain in my right shoulder and realize I’ve landed on something hard. I reach around and pull a concrete garden gnome out from beneath me, half of his red hat broken off and shattered into pieces. He’s smirking at me. I groan and raise the gnome with my good arm and pull it back, preparing to chuck the thing, when someone stops me.

“That’s not a good idea!”

I immediately recognize Will’s voice. The sound of it is smooth and soothing like my father’s was, but at the same time has an authoritative edge to it. I sit upright and see him walking up the driveway toward me.

“Are you okay?” he laughs.

“I’ll feel a lot better after I bust this damn thing,” I say, trying to pull myself up with no success.

“You don’t want to do that: Gnomes are good luck,” he says as he reaches me. He takes the gnome out of my hands and gently places it on the snow-covered grass.

“Yeah,” I reply, taking in the gash on my shoulder that has now formed a bright red circle on my sweater sleeve. “Real good luck.”

Will stops laughing when he sees the blood on my shirt. “Oh my god, I’m so sorry. I wouldn’t have laughed if I knew you were hurt.” He bends over and takes my uninjured arm and pulls me up. “You need to get a bandage on that.”

“I wouldn’t have a clue where to find one at this point,” I reply, referring to the mounds of unopened boxes we have yet to unpack.

“You’ll have to walk with me. There’s some in our kitchen.”

He removes his jacket and wraps it around my shoulders, holding on to my arm as he walks me across the street. I feel a little pathetic with him assisting me—I can walk on my own. I don’t object though, and I feel like a hypocrite to the entire feminist movement. I’ve regressed to the damsel in distress.

I remove his jacket and lay it across the back of the couch, then follow him into the kitchen. It’s still dark inside, so I assume everyone is still asleep. His house is more spacious than ours. The open floor plans are similar, but the living room seems to be a few feet larger. A large bay window with a sitting bench and large pillows looks out over the backyard.

Several family pictures hang along the wall opposite the kitchen. Most of them are of Will and his little brother, with a few pictures that include his parents. I walk over to inspect the pictures while Will looks for a bandage. They must have gotten their genes from their dad. In one picture, which seems like the most recent but still looks a few years dated, his dad has his arms around the two boys, and he’s squeezing them together for an impromptu photo. His jet-black hair is speckled with gray, and a thick black moustache outlines his huge smile. His features are identical to Will’s. They both have eyes that smile when they laugh, exposing perfect white teeth.

Will’s mother is breathtaking. She has long blond hair and, from the pictures at least, looks tall. I can’t pick out any facial features of hers that were passed on to her boys. Maybe Will has her personality. All of the pictures on the wall prove one big difference between our houses—this one is a home.

I walk into the kitchen and take a seat at the bar.

“It needs to be cleaned before you put the bandage on it,” he says as he rolls up his shirtsleeves and turns on the faucet. He’s wearing a pale-yellow button-down collared shirt that is slightly transparent under the kitchen lights, revealing the outline of his undershirt. He has broad shoulders, and his sleeves are snug around the muscles in his arms. The top of his head meets the cabinet above him, and I estimate from the similarities in our kitchens that he stands about six inches taller than me. I’m staring at the pattern on his black tie, which is flipped over his shoulder to avoid getting it wet, when he turns the water off and walks back to the bar. I feel my face flush as I grab the wet napkin out of his hands, not proud of the amount of attention his physique is getting from me.

“It’s fine,” I say, pulling my sleeve down over my shoulder. “I can get it.”

He opens a bandage as I wipe the blood off the wound. “So, what were you doing outside in your pajamas at seven o’clock in the morning?” he asks. “Are you guys still unloading?”

I shake my head and toss the napkin into the trash can. “Coffee.”

“Oh. I guess you aren’t a morning person.” Will says this as more of a statement than a question.

As he moves in closer to place the bandage on my shoulder, I feel his breath on my neck. I rub my arms to hide the chills that are creeping up them. He adheres it to my shoulder and pats it.

“There. Good as new,” he says.

“Thanks. And I am a morning person,” I say. “After I get my coffee.” I stand up and look over my shoulder, pretending to inspect the bandage as I plot my next move. I already thanked him. I could turn and walk out now, but that would seem rude after he just helped me. If I just stand here waiting on him to make more small talk, I might look stupid for not leaving. I don’t understand why I’m even contemplating basic actions around him. He’s just another inhabitant!

When I turn around, he’s at the counter, pouring a cup of coffee. He walks toward me and sets it on the bar in front of me. “You want cream or sugar?”

I shake my head. “Black is fine. Thanks.”

He’s leaning across the bar watching me as I drink the coffee. His eyes are the exact same hue of deep green as his mother’s are in the picture. I guess he did get a feature from her. He smiles and breaks our gaze by looking down at his watch. “I need to go: My brother’s waiting in the car, and I’ve got to get to work,” he says. “I’ll walk you back. You can keep the cup.”

I look at the cup before taking another sip and notice the big letters emblazoned on the side. World’s Greatest Dad. It’s exactly the same as the cup my father used to drink coffee from. “I’ll be okay,” I say as I head toward the front door. “I think I’ve got the whole walking-erect thing down now.”

He follows me outside and shuts his front door behind him, insisting I take his jacket with me. I pull it on over my shoulders, thank him again, and head across the street.

“Layken!” he yells just as I’m about to walk back inside my house. I turn back toward him and he’s standing in his driveway.

“May the force be with you!” He laughs and hops into his car as I stand there, staring down at the Darth Vader house shoes I’m still sporting. Classic.

* * *

THE COFFEE HELPS. I locate the thermostat, and by lunch the house has finally started to warm up. Mom and Kel have gone to the utility company to get everything switched into her name, and I’m left with the last of the boxes, if you don’t count what’s still in the Jeep. I get a few more things unpacked and decide it’s high time for a shower. I’m pretty sure I’m closing in on day three of my granola-girl look.

I get out of the shower and wrap myself in a towel, flipping my hair forward as I brush it out and blow-dry it. When it’s dry, I point the blow-dryer at the fogged up mirror, forming a clear circular area so that I can apply a little makeup. I notice my tan has started to fade. There won’t be much lying-out here, so I might as well get used to a slightly paler complexion.

I brush my hair and pull it back into a ponytail and put on some lip gloss and mascara. I forgo the blush, since there no longer seems to be a need for it. Between the weather and my brief encounters with Will, my cheeks seem to stay red.

Mom and Kel have already returned and gone again while I was in the shower. There is a note from her informing me she and Kel are following her friend Brenda into the city to return the U-Haul. Three twenty-dollar bills are on the counter next to the car keys and a grocery list. I snatch them up and head to the Jeep, reaching it successfully this time.

I realize as I’m putting the car into reverse that I have absolutely no idea where I’m going. I know nothing about this town, much less whether I need to turn left or right off of my own street. Will’s little brother is in their front yard, so I pull the car up parallel to their curb and roll down my passenger window.

“Hey, come here for a sec!” I yell at him.

He looks at me and hesitates. Maybe he thinks I’m going to bust out in zombie mode again. He walks toward the car, but stops three feet short of the window.

“How do I get to the closest grocery store?” I ask him.

He rolls his eyes. “Seriously? I’m nine.”

Okay. So the resemblance to his brother is only skin deep.

“Well, thanks for nothing,” I say. “What’s your name anyway?”

He smiles at me mischievously and yells, “Darth Vader!” He’s laughing as he runs in the opposite direction of the car.

Darth Vader? I realize the significance of his response. He’s making a crack about the house shoes I had on this morning. Not a big deal. The big deal is that Will must have been talking about me to him. I can’t help but try to imagine the conversation between them and what Will thinks about me. If he even thinks about me. For some reason, I’ve been thinking about him more than I’m comfortable with. I keep wondering how old he is, what his major is, whether he’s single.

Luckily, I didn’t leave any boyfriends behind in Texas. I haven’t dated anyone in almost a year. Between high school, my part-time job, and helping out with Kel’s sports, I hadn’t had much time for boys. I realize it’s going to be an adjustment, going from a person with absolutely no free time to a person with absolutely nothing to do.

I reach into the glove box to retrieve my GPS.

“That’s not a good idea,” Will says.

I look up to see him walking toward the car. I make my best attempt to stifle the smile that is trying to take over my face. “What’s not a good idea?” I say as I insert the GPS into its holder and power it on.

He crosses his arms and leans in the window of the car. “There’s quite a bit of construction going on right now. That thing will get you lost.”

I’m about to respond when Brenda pulls up alongside me with my mother. Brenda rolls down her driver’s-side window and my mother leans across the seat. “Don’t forget laundry detergent—I can’t remember if I put it on the list. And cough syrup. I think I’m coming down with something,” she says through the window.

Kel jumps out of the backseat, runs to Will’s brother, and invites him inside to look at our house.

“Can I?” Will’s brother asks him.

“Sure,” Will says as he opens my passenger door. “I’ll be back in a little while, Caulder. I’m riding with Layken to the store.”

He is? I shoot a look in his direction and he’s buckling his seat belt.

“I don’t give very good verbal directions. Mind if I go with you?”

“I guess not,” I laugh.

I look back toward Brenda and my mother, but they have already pulled forward into the driveway. I put the car in drive and listen as Will gives me directions out of the neighborhood. “So, Caulder is your little brother’s name?” I say, making a halfhearted attempt at small talk.

“One and only. My parents tried for years to have another baby after me. They eventually had Caulder when names like ‘Will’ weren’t that cool anymore.”

“I like your name,” I say. I regret saying it as soon as it comes out of my mouth. It sounds like a lame attempt at flirting.

He laughs. I like his laugh. I hate that I like his laugh.

It startles me when I feel him brush the hair off my shoulder and touch my neck. His fingers slip under the collar of my shirt and he pulls it slightly down over my shoulder. “You’re going to need a new bandage soon.” He pulls my shirt back up and gives it a pat. His fingers leave a streak of heat across my neck.

“Remind me to grab some at the store,” I say, trying to prove that his actions and his presence have no effect on me whatsoever.

“So, Layken.” He pauses as he glances past me at the boxes still piled high in the backseat. “Tell me about yourself.”

“Um, no. That’s so cliché,” I say.

He laughs. “Fine. I’ll figure you out myself.” He leans forward and hits eject on my CD player. His movements are so fluid, like he’s been rehearsing them for years. I envy this about him. I’ve never been known for my grace.

“You know, you can tell a lot about a person by their taste in music.” He pulls the CD out and examines the label. “ ‘Layken’s shit?’ ” he says aloud and laughs. “Is shit descriptive here, or possessive?”

“I don’t like Kel touching my shit, okay?” I grab the CD out of his hands and insert it back into the player.

When the banjo pours out of the speakers at full volume, I’m immediately embarrassed. I’m from Texas, but I don’t want him mistaking this for country music. If there’s one thing I don’t miss about Texas, it’s the country music. I reach over and turn down the volume, when he grabs my hand in objection.

“Turn it back up, I know this,” he says. His hand remains clasped on top of mine.

My fingers are still on the volume so I turn it back up. There’s no way he knows this. I realize he’s bluffing—his own lame attempt at flirting.

“Oh yeah?” I say. I’ll call his bluff. “What’s it called?”

“It’s the Avett Brothers,” he says. “I call it ‘Gabriella,’ but I think it’s the end to one of their ‘Pretty Girl’ songs. I love the end of this one when they break out with the electric guitars.”

His response to my question startles me. He really does know this. “You like the Avett Brothers?”

“I love them. They played in Detroit last year. Best live show I’ve ever seen.”

A rush of adrenaline shoots through my body as I look down at his hand, still holding on to mine, still holding on to the volume button. I like it, but I’m mad at myself for liking it. Boys have given me the butterflies before, but I usually have more control over my susceptibility to such mundane movements.

He notices me noticing our hands and he lets go, rubbing his palms on his pant legs. It seems like a nervous gesture and I’m curious whether he shares my uneasiness.

I tend to listen to music that isn’t mainstream. It’s rare when I meet someone that has even heard of half the bands I love. The Avett Brothers are my all-time favorite.

My father and I would stay up at night and sing some of the songs together as he attempted to work out the chords on his guitar. He described them to me once. He said, “Lake, you know a band has true talent when their imperfections define perfection.”

I eventually understood what he meant when I started really listening to them. Broken banjo strings, momentary passionate lapses of harmony, voices that go from smooth to gravelly to all-out screaming in a single verse. All these things add substance, character, and believability to their music.

After my father died, my mother gave me an early present he had intended to give me for my eighteenth birthday: a pair of Avett Brothers concert tickets. I cried when she gave them to me, thinking about how much my father was probably looking forward to giving me the gift himself. I knew he would have wanted me to use them, but I couldn’t. The concert was just weeks after his death, and I knew I wouldn’t be able to enjoy it. Not like I would have if he were with me.

“I love them, too,” I say unsteadily.

“Have you ever seen them play live?” Will asks.

I’m not sure why, but as we talk, I tell him the entire story about my dad. He listens intently, interrupting only to instruct me when and where to turn. I tell him all about our passion for music. I tell him about how my father died suddenly and extremely unexpectedly of a heart attack. I tell him about my birthday present and the concert we never made it to. I don’t know why I keep talking, but I can’t seem to shut myself up. I never divulge information so freely, especially to people I barely know. Especially to guys I barely know. I’m still talking when I realize we’ve come to a stop in a grocery store parking lot.

“Wow,” I say as I take in the time on the clock. “Is that the quickest way to the store? That drive took twenty minutes.”

He winks at me and opens his door. “No, actually it’s not.”

That’s definitely flirting. And I definitely have butterflies.

The snow flurries start to mix with sleet as we’re making our way through the parking lot. “Run,” he says. He takes my hand in his and pulls me faster toward the entrance.

We’re out of breath and laughing when we make it inside the store, shaking the wetness from our clothes. I take my jacket off and shake it out, when his hand brushes against my face, wiping away a strand of wet hair that’s stuck to my cheek. His hand is cold, but the moment his fingers graze my skin, I forget about the frigid temperature as my face grows warm. His smile fades as we both stare at each other. I’m still trying to become accustomed to the reactions I have around him. The slightest touch and simplest gestures have such an intense effect on my senses.

I clear my throat and break our stare as I grab an available cart next to us. I hand him the grocery list. “Does it always snow in September?” I ask in an attempt to appear unfazed by his touch.

“No, it won’t last more than a few days, maybe a week. Most of the time the snow doesn’t start until late October,” he says. “You’re lucky.”

“Lucky?”

“Yeah. It’s a pretty rare cold front. You got here right in time.”

“Huh. I assumed most of y’all would hate the snow. Doesn’t it snow here most of the year?”

He laughs. “Y’all?”

“What?”

“Nothing,” he says with a smile. “I’ve just never heard anyone say ‘y’all’ in real life before. It’s cute. So southern belle.”

“Oh, I’m sorry,” I say. “From now on I’ll do like you Yankees and waste my breath by saying ‘all you guys.’ ”

He laughs and nudges my shoulder. “Don’t. I like your accent; it’s perfect.”

I can’t believe I’ve actually turned into a girl who swoons over a guy. I detest it so much; I start to inspect his features more intently, trying to find a flaw. I can’t. Everything about him so far is perfect.

We get the items on our list and head to the checkout. He refuses to let me put anything on the conveyor belt, so I just stand back and watch as he unloads the items from the buggy. The last item he places on the line is a box of bandages. I never even saw him grab them.

When we pull out of the grocery store, Will tells me to turn in the direction opposite to the one from which we came. We drive maybe two whole blocks when he instructs me to turn left—onto our street. The drive that took us twenty minutes on the way there takes us less than a minute on the way back.

“Nice,” I say when I pull in my driveway. I realize what he’s done and that the flirtation on his end is blatantly obvious.

Will has already rounded to the back of the Jeep, so I press the trunk lever for him. I get out and walk to where he is, expecting him to have an armload of groceries. Instead, he’s just standing there holding the trunk up, watching me.

With my best southern belle impression, I place my hand across my chest and say, “Why! I never would have been able to find the store without your help. Thank you so much for your hospitality, kind sir.”

I sort of expect him to laugh, but he just stands there, staring at me.

“What?” I say nervously.

He takes a step toward me and softly cups my chin with his free hand. I’m shocked by my own reaction, the fact that I allow it. He studies my face for a few seconds as my heart races within my chest. I think he’s about to kiss me.

I attempt to calm my breathing as I stare up at him. He steps in even closer and removes his hand from my chin and places it on the back of my neck, leaning my head in toward him. His lips press gently against my forehead, lingering a few seconds before he releases his hand and steps back.

“You’re so cute,” he says. He reaches into the trunk and grabs four sacks with one hefty swoop. He walks toward the house and sets them outside the door.

I’m frozen, attempting to absorb the last fifteen seconds of my life. Where did that come from? Why did I just stand there and let him do that? Despite my objections I realize, almost pathetically, that I have just experienced the most passionate kiss I’ve ever received from a guy—and it was on the freaking forehead!

* * *

AS WILL REACHES into the trunk for another handful of groceries, Kel and Caulder run out of the house, followed by my mother. The boys dart across the street to check out Caulder’s bedroom. Will politely extends his hand out to my mother when she walks toward us.

“You must be Layken and Kel’s mom. I’m Will Cooper. We live across the street.”

“Julia Cohen,” she says. “You’re Caulder’s older brother?”

“Yes, ma’am,” he replies. “Older by twelve years.”

“So that makes you . . . twenty-one?” She glances at me and gives me a quick wink. I’m standing behind Will at this point, so I take the opportunity to reciprocate one of her infamous glares. She just smiles and turns her attention back to Will.

“Well, I’m glad Kel and Lake were able to make friends so fast,” she says.

“Me too,” he replies.

She turns and heads inside but purposefully nudges me with her shoulder as she passes. She doesn’t speak a word but I know what she’s hinting at: She’s giving me her approval.

Will reaches in for the last two sacks. “Lake, huh? I like that.” He hands me the sacks and shuts the trunk.

“So, Lake.” He leans back against the car and crosses his arms. “Caulder and I are going to Detroit on Friday. We’ll be gone until late Sunday—family stuff,” he says with a dismissing wave of his hand. “I was wondering if you had any plans for tomorrow night, before I go?”

It’s the first time anyone has ever called me Lake, other than my mom and dad. I like it. I lean my shoulder against the car and face him. I try to keep my cool, but inside I’m screaming with excitement.

“Are you really going to make me admit that I have absolutely no life here?” I say.

“Great! It’s a date then. I’ll pick you up at seven thirty.” He immediately turns and heads toward his house when I realize he never actually asked, and I never actually agreed. --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Sobre o Autor

Colleen Hoover is the #1 New York Times bestselling author of Slammed, Hopeless, Maybe SomedayMaybe NotUgly LoveConfessNovember 9It Ends with Us, Without Merit, and All Your Perfects. She has won the Goodreads Choice Award for Best Romance three years in a row—for Confess (2015), It Ends with Us (2016), and Without Merit (2017). Confess was adapted into a seven-episode online series. In 2015, Colleen and her family founded The Bookworm Box, a bookstore and monthly subscription service offering signed novels donated by authors. All profits are given to various charities each month to help those in need. Colleen lives in Texas with her husband and their three boys. Visit ColleenHoover.com. --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]

A_Casa_Varrida_pelos_Ventos.pdf

April 12, 2019   38 taxa

Baixe APK (161.53 MB)
Use o HappyMod para baixar o Mod APK com velocidade de 3x.

Exibir todos os conteúdos

Mod Info

Bloquear moedas de ouro e notas são infinitas! Clique em Configurações para definir chinês! [Nota]: Se você encontrar seu cartão na atualização de carregamento, use a ferramenta Científica da Internet.

Descrição

Ajuda a jovem Lorde Alice a renovar o castelo com Magia. Traz de volta antiga gloria da sua família e descobre tesouros escondidos! Uma história comovente à espera de ti.

Decora e renova o castelo passando os jogos de match-3! Renova cada sala com uma grande variedade de mobiliário clássico e decorações requintadas, incluindo a tua casa-de-banho particular e jardim.

Características:
● Ajuda a Alice a lançar feitiços trocando e combinando peças!
● Renova o castelo e decora o seu interior, mantém o teu lar sob controle.
● Níveis divertidos e desafiadores de match-3 com reforços únicos e combinações explosivas!
● Sigue o enredo e descubre todos os segredos escondidos no teu castelo!

Se gostas de jogos de quebra-cabeça de match-3 com design, decoração e renovação, Castle Story é o jogo ideal para ti! Junte-se aos milhões que lançam feitiços sem restrições e renovam a sua casa e jardim, há muitos quartos à espera de serem decorados por ti.

Vai ao nosso Facebook para saber mais:
https://www.facebook.com/CastleStoryCommunity/

O que há de novo

  • - Correções de bugs e melhorias de desempenho.

Links para download

Mod GamesMais

Mod AppsMais

Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]

linguagem das Emoções - paul Ekman

May 4, 2017 Category: N/A

Share Embed Donate

Report this link



Short Description

Download linguagem das Emoções - paul Ekman...

Description

PAUL EKMAN

A linguagem das emoções Revolucione sua comunicação e seus relacionamentos reconhecendo todas as expressões das pessoas ao redor

Tradução

Carlos Szlak

Copyright © 2003 by Paul Ekman Chapter 10, "Emotions and Lying," copyright © 2007 by Paul Ekman First published by Weidenfeld & Nicolson, London. Todos os direitos reservados. Tradução para língua portuguesa: copyright © 2011, Texto Editores Ltda. Título original: Emotions Revealed

Direção Editorial: Pascoal Soto Editor: Pedro Almeida Produção editorial: Gabriela Ghetti Tradução: Carlos Szlak Preparação de texto: Camile Mendrot (Ab Aeterno) Revisão: Giselle Moura Projeto gráfico, capa e diagramação: Osmane Garcia Filho Imagens Capa: Ostill / Shutterstock Images

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP-Brasil) Ficha catalográfica elaborada por Oficina Miríade, RJ, Brasil.) Ekman, Paul A linguagem das emoções : Revolucione sua comunicação e seus relacionamentos reconhecendo todas as expressões das pessoas ao redor. / Paul Ekman; tradução Carlos Szlak. — São Paulo: Lua de Papel, 2011. Título original: Emotions revealed Bibliografia ISBN 978-85-63066-42-8 1. Comunicação interpessoal 2. Emoções 3. Expressão I. Título. 11-00334

CDD-152.4 índices para catálogo sistemático: 1. Emoções: Psicologia 152.4

2011

Todos os direitos desta edição reservados à T E X T O EDITORES LTDA.

[Uma editora do Grupo Leya] Av. Angélica, 2163 — conj. 175/178 01227-200 — Santa Cecília — São Paulo — SP Blog da Lua: www.leya.com.br/luadepapel Twitter: @luadepapel BRA / @EditoraLeya

Para Bert Boothe, Steve Foote, Lynne Huffman, Steve Hyman, Marty Katz, Steve Koslow, Jack Maser, Molly Oliveri, Betty Pickett, Eli Rubinstein, Stan Schneider, Joy Schulterbrandt, Hussain Tuma e Lou Wienckowski do National Institute of Mental Health, Robert Semer e Leo Siegel.

Sumário

Agradecimentos

9

Prefácio Introdução 1. Emoções por meio das culturas

13 19

2.

Quando nos emocionamos?

34

3.

Mudando o que nos emocionou

55

4. Comportando-se emocionalmente

69

5. Tristeza e angústia

98

6.

Raiva

125

7.

Surpresa e medo

160

8. Aversão e desprezo

183

9.

Emoções agradáveis

201

10. Mentiras e emoções

223

Conclusão: Vivendo com as emoções

239

Epílogo

245

Anexo: Lendo as faces: o teste

249

Créditos das ilustrações

270

Referências bibliográficas

272

Agradecimentos

Algumas das pessoas do Instituto Nacional de Saúde Mental (National Institute of Mental Health), às quais este livro é dedicado, interessaram-se por minha carreira quando eu ainda era um jovem estudante de pós-graduação, em 1955. As outras pessoas juntaram-se ao longo dos anos. Foi um período incrível — de 1955 a 2002 — de estímulo, de auxílio e, nos primeiros anos, de fé considerável. Não teria me tornado psicólogo, pesquisador, professor universitário e, acima de tudo, não entenderia a respeito do que escrevo sem a ajuda dessas pessoas. Também dedico este livro a meus dois tios maternos, Leo Siegel e Robert Semer, este já falecido. Quando tinha dezoito anos e nenhuma experiência, sozinho no mundo pela primeira vez, eles permitiram, com muita colaboração, que eu continuasse a estudar. Wally Friesen e eu trabalhamos juntos durante vinte e nove anos. Escrevemos juntos quase todas as pesquisas. Agradeço sua ajuda e amizade. David Littschwager ofereceu conselhos bastante úteis a respeito do arranjo fotográfico para os retratos de Eve, nos Capítulos de 5 a 9. Minha filha, Eve, teve a paciência e o talento para fazer as fisionomias que aparecem aqui e milhares mais que fotografei. Wanda Matsubayashi, que tem sido minha assistente por mais de vinte e cinco anos, organizou o texto e as referências bibliográficas. David Rogers tratou as imagens e foi muito importante na hora de obter as permissões para fotografias comerciais. Os psicólogos Richard Lazarus e Philip Shaver me deram um feedback providencial no primeiro esboço da primeira metade deste livro. Philip tam-

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

bém revisou detalhadamente e apresentou desafios úteis a meu pensamento. A filósofa Helena Cronin estimulou e desafiou muito meu raciocínio. O psiquiatra Bob Rynearson e as psicólogas Nancy Etcoff e Beryl Schliff me deram sugestões proveitosas a respeito do primeiro esboço. Entre os diversos estudantes, Jenny Beer e Gretchen Lovas foram especialmente generosas com seu tempo e suas opiniões. Meus amigos Bill Williams e Paul Kaufman ofereceram sugestões e críticas valiosas. Toby Mundy, agora editor da Atlantic Press London, me estimulou, anteriormente, a ampliar o escopo do meu empreendimento e cuidou das questões que levei em consideração entre os Capítulos 2 e 4. Claudia Sorsby criticou, sugeriu e prestou ajuda editorial num esboço anterior, e Robin Dennis, meu editor na Time Books, impeliu-me a considerar questões que negligenciei algumas vezes e contribuiu com a revisão do texto. Rober Lescher, meu agente, foi uma fonte maravilhosa de estímulo e conselhos.

Prefácio

Eu me sinto particularmente empolgado que A linguagem das emoções me proporcione a oportunidade de compartilhar novas idéias, insights e resultados de pesquisas que ofereçam aos leitores ferramentas para melhorar a relação com todas as pessoas de seu convívio. Neste livro está refletida minha experiência dos últimos anos, em que dediquei a maior parte do tempo aplicando minhas descobertas a serviço da segurança nacional. Meu objetivo foi ajudar as pessoas a aperfeiçoarem quatro habilidades básicas. Para isso, inclui sugestões e exercícios que espero que sejam estimulantes e de grande auxílio. Essas habilidades são: Tornar-se mais consciente do momento em que você está ficando emocionado, antes de falar ou agir. Essa é a habilidade mais difícil de desenvolver, e está detalhadamente explicada no Capítulo 2. No Capítulo 3 há exercícios que ajudarão você a criar consciência de suas emoções. Eles também estarão nos Capítulos 5 e 8, que lidam com emoções específicas. O desenvolvimento dessa habilidade possibilita alguma margem de manobra quando você se emociona. Escolher como você se comporta quando se emociona, atingindo seus objetivos sem prejudicar outras pessoas. O propósito de qualquer episódio emocional é nos ajudar a alcançar rapidamente nossos objetivos, sejam eles atrair pessoas para nos confortar, amedrontar um criminoso ou diversos outros. Os melhores episódios emocionais não prejudicam nem causam problemas para aqueles com quem estamos envolvidos. Não é fácil desenvolver essa habilidade,

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

mas, com a prática, ela pode se tornar habitual (as informações e os exercícios a respeito desse tópico são discutidos entre os Capítulos 4 e 8). Tornar-se mais sensível em relação à maneira como os outros estão se sentindo. Como as emoções estão no centro de toda relação importante que temos, devemos ficar atentos com relação aos sentimentos dos outros. Se você quiser ir além, nas investigações propostas neste livro, existem dois novos CDs que podem ajudá-lo a desenvolver rapidamente essa habilidade, disponíveis em: www.emotionsrevealed.com (em inglês). Usar cuidadosamente as informações que você adquire a respeito do sentimento dos outros. Às vezes, isso significa perguntar à pessoa a respeito da emoção identificada, reconhecendo como a pessoa está se sentindo ou recalibrando suas próprias reações, levando em consideração o que você percebeu. Sua resposta dependerá da outra pessoa e da história da sua relação com ela. Essa possibilidade de variação em relações familiares, de trabalho e nas amizades é explicada nas últimas seções dos Capítulos 5 a 8.

Introdução

As emoções determinam nossa qualidade de vida. Elas acontecem em todos os relacionamentos que nos interessam: no trabalho, em nossas amizades, nas interações familiares e em relacionamentos íntimos. Podem salvar nossas vidas, mas, também, causar danos. Podem nos fazer agir de um modo que achamos realista e apropriado, mas também nos levar a agir de maneira extrema, causando arrependimento mais tarde. Se sua chefe criticasse o relatório que você acreditou que seria elogiado, você reagiria com medo e submissão ou defenderia seu trabalho? Isso protegeria você de novos danos, ou te colocaria diante de um mal-entendido a respeito das intenções dela? Você conseguiria ocultar o que estava sentindo e agir "profissionalmente"? Por que sua chefe sorriu quando você começou a falar? Será que ela pretendia dar uma bronca em você? Ou seria um sorriso de constrangimento? Será que o sorriso teria o propósito de tranqüilizar? Será que os sorrisos são todos iguais? Se você tivesse de confrontar seu marido depois de descobrir uma grande aquisição que ele não discutiu com você, você saberia se foi receio ou desgosto que ele expressou ou se ele simplesmente assumiu a fisionomia de estar esperando "seu comportamento excessivamente emocional"? Você sente as emoções da mesma maneira que ele e que as outras pessoas? Você fica irritada, amedrontada ou triste a respeito de coisas que parecem não incomodar os outros, e não há nada que você possa fazer a respeito?

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Você se enfezaria se sua filha de dezesseis anos voltasse para a casa duas horas depois do horário combinado? O que despertaria sua irritação: o medo que você sentiu cada vez que consultou o relógio ou o sono que você perdeu esperando a volta dela? Na manhã seguinte, ao conversar com ela a respeito disso, você controlaria sua irritação tão bem a ponto de ela achar que você realmente não se importou com o atraso? Ou ela perceberia que você reprimia a irritação para ficar na defensiva? Você saberia, a partir da fisionomia de sua filha, se ela está constrangida, culpada ou um pouco rebelde? Eu escrevi este livro para dar respostas a essas perguntas. Meu objetivo é ajudar os leitores a entender melhor e aprimorar suas vidas emocionais. Ainda me espanta que, até muito recentemente, nós — tanto cientistas quanto leigos — saibamos tão pouco a respeito das emoções, dada sua importância em nossas vidas. Mas está na natureza das próprias emoções a dúvida sobre como elas nos influenciam e como é possível reconhecer seus sinais, em nós mesmos e nos outros. Neste livro, explico todas essas questões. As emoções podem começar rapidamente, e isso ocorre muitas vezes; tão rápido que nossa consciência não participa ou testemunha o que ativa uma emoção em nossa mente em determinado momento. Essa velocidade pode salvar nossas vidas em uma emergência, mas também pode arruiná-las quando reagimos de forma exagerada. Não temos muito controle a respeito do que nos deixa emocionados, mas é possível, embora não seja fácil, fazer algumas mudanças naquilo que ativa nossas emoções e em nosso comportamento quando nos emocionamos. Venho estudando as emoções há mais de quarenta anos, enfocando as expressões e, mais recentemente, a fisiologia das emoções. Examinei pacientes psiquiátricos, indivíduos saudáveis, adultos e algumas crianças, nos Estados Unidos e em diversos outros países, e observei quando reagem de forma exagerada, insuficiente, inadequada, mentirosa e verdadeira. O primeiro capítulo, "Emoções por meio das culturas", descreve essa pesquisa. No segundo, pergunto: Quando ficamos emocionados? Se for para mudar a forma pela qual nos emocionamos, devemos conhecer a resposta a essa pergunta. O que ativa cada uma das nossas emoções? Podemos eliminar um gatilho específico? Se seu marido diz que você está pegando o caminho mais longo para chegar ao destino, você pode sentir aborrecimento ou irritação por conta da crítica à sua habilidade na direção. Por que não podemos aceitar a informa-

INTRODUÇÃO

ção sem emoção? Essas questões são discutidas no segundo capítulo: "Quando nos emocionamos?" No Capítulo 3, explico como e quando podemos mudar o que nos deixa emocionados. O primeiro passo é identificar os gatilhos emocionais que nos levam a agir de maneira que nos arrependamos depois. Também é preciso saber identificar se um gatilho específico resistirá à mudança ou será enfraquecido. Nem sempre seremos bem-sucedidos, mas pode ser que, por meio da compreensão operacional dos gatilhos emocionais, consigamos mudar o que nos deixa emocionados. No Capítulo 4, explico como nossas reações emocionais — nossas expressões, ações e pensamentos — se organizam. Será que podemos controlar a irritação de modo que ela não se manifeste em nossa voz nem se mostre em nossa fisionomia? Por que, às vezes, nossas emoções parecem um trem descarrilado? Para assumirmos o controle, temos de nos conscientizar de quando estamos agindo emocionalmente. Com freqüência, não percebemos até alguém contestar ou até refletirmos mais tarde. Esse capítulo explica como podemos ficar mais atentos a nossas emoções, para permitir que nos comportemos de modo construtivo. Para reduzir os episódios emocionais destrutivos e aprimorar os construtivos, precisamos saber a história de cada emoção, o que é cada uma. Ao aprender os gatilhos específicos, aqueles que compartilhamos com os outros e aqueles que são exclusivamente nossos, seremos capazes de diminuir seus impactos ou, no mínimo, de entender o poder de alguns dos gatilhos que resistem a qualquer tentativa de diminuir seu controle sobre nossas vidas. Cada emoção também gera um padrão único de sensações em nosso corpo. Ao nos familiarizarmos com elas, podemos ficar cientes, desde o início, de nossa resposta emocional, a fim de termos alguma chance de escolher se conservamos a emoção ou se interferimos nela. Cada emoção também apresenta sinais únicos, principalmente na fisionomia e na voz. Há ainda muita pesquisa a fazer a respeito dos sinais emocionais da voz, mas as fotografias apresentadas nos capítulos dedicados a cada emoção exibem as expressões faciais mais sutis e fáceis de perder, que assinalam quando uma emoção está começando ou quando está sendo reprimida. Sabendo identificar as emoções desde cedo, seremos capazes de lidar melhor com as pessoas em diversas situações e controlar nossas próprias respostas emocionais aos sentimentos delas.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Capítulos distintos descrevem a tristeza e angústia (Capítulo 5), a raiva (Capítulo 6), a surpresa e o medo (Capítulo 7), a aversão e o desprezo (Capítulo 8) e os diversos tipos de emoções agradáveis (Capítulo 9), com seções abrangendo: • •

os gatilhos específicos mais comuns para a emoção; a função da emoção, como ela nos serve e como pode nos causar problemas; como a emoção está envolvida nos distúrbios mentais;



exercícios que melhoram a consciência a respeito das sensações corporais envolvidas na emoção, aumentando a possibilidade de escolher como agir quando se emociona;



fotografias do sinal mais sutil da emoção nos outros, de modo a desenvolver a consciência a respeito do sentimento alheio e



uma explicação de como utilizar as informações sobre como os outros estão se sentindo em suas relações no trabalho, na família e nas amizades.

O anexo oferece um teste que você pode fazer antes de ler o livro, para descobrir se você é capaz de identificar as expressões faciais mais sutis. Ao terminar o livro, você pode voltar ao teste para verificar seu grau de aperfeiçoamento. Você pode se perguntar por que uma emoção que também lhe interessa não aparece aqui. Eu decidi descrever as emoções que consideramos universais. Constrangimento, culpa, vergonha e inveja provavelmente são universais, mas enfoquei as emoções que possuem expressões evidentemente comuns. Discuti o amor no capítulo sobre emoções agradáveis; violência, ódio e ciúme no capítulo sobre raiva. A ciência ainda investiga as maneiras como sentimos as emoções — por que alguns de nós temos experiências emocionais mais intensas ou tendemos a nos emocionar rapidamente. Concluo o livro com o que estamos aprendendo, o que ainda podemos aprender e como utilizar as informações em nosso cotidiano. É difícil subestimar a importância das emoções em nossas vidas. Meu mentor, o saudoso Silvan Tomkins, afirmava que as emoções são o que motiva nossas vidas. Organizamos nossas vidas para maximizar a experiência das emoções positivas e minimizar a das negativas. Nem sempre temos êxito, mas

INTRODUÇÃO

é isso que tentamos fazer. Segundo Tomkins, as emoções motivam todas as escolhas importantes que fazemos. Escrevendo em 1962, época em que as emoções eram completamente negligenciadas nas ciências comportamentais, ele ampliou a questão. Com certeza, existem outros motivos. Mas as emoções são realmente muito importantes em nossas vidas. Elas podem anular o que a maioria dos psicólogos considera os motivos essenciais que impulsionam nossas vidas: fome, sexo e o instinto de sobrevivência. As pessoas não comerão se acharem que o único alimento disponível é repugnante. Elas podem até morrer, ainda que outras pessoas possam considerar o mesmo alimento saboroso. A emoção triunfa sobre o impulso da fome. O impulso sexual é notoriamente vulnerável à interferência das emoções. Uma pessoa pode nunca tentar o contato sexual por medo ou aversão, ou pode nunca ser capaz de consumar um ato sexual. A emoção triunfa sobre o impulso sexual. E o desespero pode subjugar até a vontade de viver, induzindo ao suicídio. As emoções triunfam sobre a vontade de viver. Em resumo, as pessoas desejam ser felizes. Não desejamos sentir medo, raiva, aversão, tristeza ou aflição, a menos que seja nos limites seguros de um cinema ou entre as páginas de um romance. No entanto, como explicarei mais tarde, não podemos viver sem essas emoções; a questão é como lidar melhor com elas.

Capítulo I

Emoções por meio das culturas

Neste livro, incluí tudo que aprendi a respeito de emoções durante os últimos quarenta anos. Tudo que acredito ser útil para melhorar nossa vida emocional. A maior parte do que escrevi tem o respaldo de minhas experiências científicas ou da pesquisa de outros cientistas, mas não tudo. Minha especialidade foi pesquisar a leitura e mensurar as expressões faciais das emoções. Assim equipado, tenho sido capaz de ver — nas fisionomias de estranhos, amigos e familiares — sutilezas difíceis de perceber. Dessa maneira, aprendi muito, e aprendi coisas quase impossíveis de se provar por meio de experiências. Quando escrevo com base em minhas observações, utilizo frases como "eu observei", "eu acredito", "tenho a impressão de que". Quando escrevo a partir de experiências científicas, cito as fontes em notas finais. Muito do que escrevi aqui foi influenciado por meus estudos interculturais de expressão facial. A evidência mudou para sempre minha perspectiva da psicologia, em geral, e da emoção, em particular. Essas constatações, em lugares tão diversos como Papua-Nova Guiné, Estados Unidos, Japão, Brasil, Argentina, Indonésia e a ex-União Soviética, conduziram minhas idéias a respeito da natureza da emoção. No final dos anos 1950, início de minha pesquisa, não estava interessado em expressões faciais. O que chamava minha atenção era a movimentação das mãos. Meu método de classificar essa movimentação distinguia os pacientes neuróticos dos psicóticos deprimidos, indicando o quanto melhoravam com o tratamento 1 . No início dos anos 1960, não havia ferramentas

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

para medir direta e precisamente os complexos e variáveis movimentos faciais apresentados pelos pacientes deprimidos. Eu não sabia por onde começar, não tinha a menor idéia. Assim, não prossegui com a pesquisa. Vinte e cinco anos depois, após desenvolver uma ferramenta para medir o movimento facial, voltei para aqueles filmes dos pacientes e fiz importantes descobertas, descritas no quinto capítulo. No ano de 1965, não teria começado a pesquisar expressão facial e emoção se não fossem dois golpes de sorte. Por acaso, a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada (Advanced Research Projects Agency — Arpa), do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, concedeu-me uma subvenção para realizar estudos interculturais a respeito de comportamento não verbal. Eu não tinha pedido a subvenção, mas, devido a um escândalo — uma pesquisa utilizada para camuflar atividades de contrainsurgência —, um projeto importante da Arpa foi cancelado e o recurso destinado a ele tinha de ser gasto durante aquele ano em uma pesquisa no exterior e em algo não polêmico. Por casualidade, fui ao escritório do homem que tinha de gastar o recurso. Ele era casado com uma tailandesa e estava impressionado com as diferenças referentes à comunicação não verbal. Quis que eu descobrisse o que era universal e o que era culturalmente variável. Inicialmente fiquei relutante, mas não consegui escapar do desafio. Elaborei o projeto acreditando que as expressões e os gestos eram socialmente aprendidos e culturalmente variáveis; pensamento compartilhado com o primeiro grupo de pessoas que consultei: Margaret Mead, Gregory Bateson, Edward Hall, Ray Birdwhistell e Charles Osgood. Lembrei que Charles Darwin tinha feito uma afirmação contrária, mas tinha tanta certeza de que ele estava errado que não cheguei a ler seu livro. O segundo golpe de sorte foi conhecer Silvan Tomkins. Ele tinha acabado de escrever dois livros a respeito de emoções, em que sustentava que as expressões faciais eram inatas e universais à nossa espécie, mas ele não tinha evidências para respaldar suas afirmações. Acho que nunca o teria conhecido se nós dois não tivéssemos apresentado artigos a respeito de comportamento não verbal para a mesma publicação ao mesmo tempo: um estudo da fisionomia, de Silvan, e um estudo do movimento corporal, de minha autoria2. Fiquei muito impressionado com a profundidade e amplitude do pensamento de Silvan, mas considerei que sua convicção de que as expressões eram inatas e, portanto, universais pudesse estar errada, como a de Darwin. No

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

entanto, empolguei-me com o debate com relação ao argumento e de que não era apenas Darwin, cem anos antes, que se opunha a Mead, Bateson, Birdwhistell e Hall. Não era uma questão morta. Havia um argumento real entre cientistas famosos e respeitados. Aos trinta anos, eu tinha a oportunidade e os recursos financeiros para tentar solucioná-lo: expressões são universais ou são, como os idiomas, específicas a cada cultura? Irresistível! Realmente não importava quem tinha razão, embora não achasse que seria Silvan*. No primeiro estudo, mostrei algumas fotografias para pessoas de cinco países — Chile, Argentina, Brasil, Japão e Estados Unidos — e pedi para que julgassem a emoção exposta em cada expressão facial. A maioria das pessoas chegou a uma mesma conclusão, o que indicou que as expressões podem realmente ser universais3. Carrol Izard, outro psicólogo que tinha sido orientado por Silvan e estava trabalhando em outras culturas, fez quase a mesma experiência e obteve os mesmos resultados4. Tomkins não falou a nenhum de nós a respeito do outro. Inicialmente, nos ressentimos quando descobrimos que não estávamos fazendo esse trabalho sozinhos, mas era melhor para a ciência que dois pesquisadores independentes descobrissem a mesma coisa. Aparentemente, Darwin tinha razão. Havia um problema: como assumir que pessoas de diversas culturas chegaram à mesma conclusão a respeito de uma emoção quando tantas outras pessoas constataram exatamente o oposto? Não foram somente os viajantes que sustentaram que as expressões dos japoneses, chineses ou de outros grupos culturais tinham significados bem diferentes. Birdwhistell, respeitado antropólogo especializado no estudo das expressões e gestos (pupilo de Margaret Mead), escreveu que abandonou as idéias de Darwin quando constatou que, em diversas culturas, as pessoas sorriam quando estavam tristes5. A afirmação de Birdwhistell combinava com a visão dominante na antropologia cultural e em grande

* Descobri exatamente o oposto do que achei que descobriria. É o ideal. As descobertas da ciência comportamental são mais confiáveis quando se opõem em vez de confirmar as expectativas dos cientistas. Na maioria dos campos científicos, ocorre exatamente o contrário; as descobertas serão mais confiáveis se previstas. Isso acontece devido à possibilidade de tendenciosidade ou erro ser verificada pela tradição dos cientistas repetindo as experiências uns dos outros para ver se obterão os mesmos resultados. Infelizmente, a tradição não existe nas ciências comportamentais. As experiências raramente se repetem, quer por cientistas que originalmente realizam o trabalho ou por outros. Sem essa salvaguarda, os cientistas comportamentais são mais vulneráveis a descobrir involuntariamente somente o que eles querem achar.

A L I N G U A G E M DAS EMOÇÕES

parte da psicologia: algo socialmente importante, tal como a expressão emocional, deve ser fruto do aprendizado e, dessa maneira, diferente em cada cultura. Conciliei nossos resultados de que as expressões são universais com a observação de Birdwhistell de como elas diferem de uma cultura para outra, criando a idéia de regras de exibição. Essas, propus, são socialmente aprendidas, muitas vezes culturalmente diferentes, a respeito do controle da expressão, de quem pode demonstrar que emoção para quem e de quando pode fazer isso. Eis por que, na maioria das competições esportivas públicas, o perdedor não demonstra a tristeza e o desapontamento que sente. As regras de exibição estão incorporadas na advertência dos pais: "pare de parecer contente". Essas regras podem ditar a diminuição, o exagero, a dissimulação ou o fingimento da expressão do que sentimos6. Testei essa formulação em uma série de estudos que mostram que, quando sozinhos, japoneses e norte-americanos exibem as mesmas expressões faciais ao assistir a filmes de cirurgias ou acidentes, mas quando um cientista estava perto, os japoneses, mais que os norte-americanos, mascaravam as expressões negativas com um sorriso. Em particular, expressões inatas; em público, expressões controladas7. Como o comportamento público é o mais observado pela maioria dos antropólogos e viajantes, tive minha explicação e evidência de seu funcionamento. Em comparação, os gestos simbólicos — tais como a cabeça que faz que sim com um movimento, a que faz que não com um balanço e o gesto de positivo com o polegar — são realmente específicos à cultura 8 . Nesse caso, Birdwhistell, Mead e a maior parte dos outros cientistas comportamentais tinham razão, ainda que estivessem errados a respeito das expressões faciais das emoções. Havia uma brecha capaz de afetar minhas descobertas, e, se pude enxergá-la, Birdwhistell e Mead também poderiam. Todas as pessoas que eu e Izard havíamos estudado podiam ter aprendido o significado das expressões faciais ocidentais assistindo a Charlie Chaplin e John Wayne numa tela de cinema ou tevê. O contato com a mídia ou com outras culturas pode explicar por que pessoas de culturas diferentes chegaram a uma mesma conclusão a respeito das emoções das fotografias que eu mostrava. Eu precisava de uma cultura visualmente isolada, onde as pessoas nunca tivessem visto um filme, um programa de tevê ou uma revista e que possuíssem pouco conhecimento de estrangeiros. Se chegassem às mesmas conclusões das pessoas do Chile, da Argentina, do Brasil, do Japão e dos Estados Unidos, eu teria acertado em cheio.

EMOÇÕES POR MEIO DAS C U L T U R A S

Minha iniciação na Idade da Pedra se deu por meio de Carleton Gajdusek, neurologista que vinha trabalhando há mais de uma década em lugares isolados, nas regiões montanhosas de Papua-Nova Guiné. Ele estava tentando descobrir a causa de uma estranha doença (kuru) que estava matando quase a metade da população. As pessoas acreditavam que era efeito de feitiçaria. Quando cheguei ao local, Gajdusek já sabia que a causa era um vírus lento, que ficava incubado por muitos anos antes da manifestação dos sintomas (a Aids é um vírus assim). Ele ainda não sabia como o vírus era transmitido; ao que se constatou, era por meio do canibalismo. Essas pessoas não comiam os inimigos, que provavelmente gozavam de boa saúde se morriam em combate, mas os amigos, que morriam de algum tipo de doença, muitos dos quais vítima de kuru, por exemplo. Elas não coziam os mortos antes de comer e, assim, as doenças eram transmitidas de imediato. Alguns anos depois, Gajdusek ganhou o prêmio Nobel pela descoberta dos vírus lentos). Gajdusek percebeu que as culturas ancestrais desapareceriam em breve e, assim, ele registrou a rotina das pessoas de duas dessas culturas em muitas horas de filme. Ele nunca tinha visto a projeção; levaria quase seis semanas para assistir a somente uma delas. Foi quando apareci. Satisfeito de que alguém tivesse uma razão científica para querer examinar seus filmes, Gajdusek emprestou-me as cópias. Meu colega Wally Friesen e eu passamos seis meses examinando-os cuidadosamente. Os filmes continham duas provas muito convincentes da universalidade das expressões faciais das emoções. Primeiro, nunca vimos uma expressão estranha. Se as expressões faciais fossem completamente aprendidas, então esses povos isolados deveriam ter as próprias expressões originais, que nunca tínhamos visto antes. Não havia nenhuma. Ainda era possível que essas expressões familiares representassem emoções muito diferentes. No entanto, embora os filmes nem sempre revelassem o antes e o depois de uma expressão, quando revelavam, confirmavam nossas interpretações. Se as expressões indicassem emoções diferentes em cada cultura, essas sociedades isoladas, sem nenhuma familiaridade com qualquer cultura a não ser a própria, não deveriam ser capazes de interpretar as expressões corretamente. Procurei imaginar como Birdwhistell e Mead questionariam essas afirmações. Achei que eles diriam: "Não importa que não haja novas expressões; aquelas que vimos realmente possuem significados diferentes. Percebemos

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

porque estávamos prevenidos pelo contexto social em que ocorreram. Nunca vimos uma expressão removida do que estava acontecendo antes, depois ou ao mesmo tempo. Se tivéssemos visto, não saberíamos o significado dela". Para fechar essa brecha, trouxemos Silvan, da costa Leste, para passar uma semana em meu laboratório. Antes de sua chegada, editamos os filmes. Dessa maneira, ele veria somente a própria expressão, removida do contexto social, apenas closes de um rosto. Silvan não teve nenhum problema. Todas as suas interpretações combinavam com o contexto social que ele não havia visto. Além disso, Silvan sabia exatamente como obteve a informação. Wally e eu podíamos perceber a mensagem emocional transmitida por cada expressão, mas nossos julgamentos se baseavam na intuição. Em geral, não podíamos especificar o que, na fisionomia, transmitia a mensagem, a não ser que fosse um sorriso. Silvan caminhou até a tela de projeção e mostrou exatamente os movimentos musculares específicos que indicavam a emoção. Também perguntamos a respeito da impressão geral dele sobre essas duas culturas. Um grupo parecia muito amistoso, Silvan disse. O outro era explosivo, de caráter muito desconfiado, paranoico e homossexual. Ele estava descrevendo o grupo dos anga. Sua descrição combinava com a de Gajdusek, que tinha trabalhado junto com eles. Os anga tinham atacado seguidamente os representantes do governo australiano que tentaram manter um posto ali. Eles eram conhecidos por sua desconfiança feroz. Os homens eram homossexuais até o casamento. Alguns anos depois, o etnólogo Irenàus Eibl-Eibesfeldt teve literalmente de correr para salvar sua vida quando tentou trabalhar com eles. Depois desse encontro, decidi me dedicar ao estudo das expressões faciais. Iria para a Nova Guiné e procuraria evidências para respaldar o que supunha, ou seja: ao menos algumas expressões faciais são universais. Além disso, trabalharia para desenvolver um modo objetivo de medir o comportamento facial, para que qualquer cientista pudesse objetivamente obter desse movimento aquilo que Silvan conseguia ver de forma tão aguçada. No final de 1967, fui para South East Highlands, Nova Guiné, para pesquisar o povo fore, que vivia em pequenas aldeias dispersas, em uma região montanhosa a dois mil e cem metros de altitude. Não sabia a língua dos fore, mas, com a ajuda de alguns meninos que tinham aprendido pidgin em uma escola missionária, conseguia ir do inglês ao fore, passando pelo pidgin, e vice-versa. Levei comigo retratos de expressões faciais, a maioria dos quais

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

dados por Silvan para meus estudos de culturas letradas. (Abaixo, na página 27, há três exemplos.) Também levei fotografias de algumas pessoas do povoado, selecionadas do filme, achando que eles poderiam sentir alguma dificuldade para interpretar as expressões dos caucasianos. Preocupei-me que eles talvez não fossem capazes de entender as fotografias, uma vez que nunca as teriam visto antes. Alguns antropólogos sustentavam que as pessoas que nunca tinham visto fotografias precisavam aprender a interpretá-las. Mas os fore não tiveram esse problema. Imediatamente, eles entenderam as fotografias, e, aparentemente, não fez muita diferença a nacionalidade da pessoa, fore ou norte-americana. O problema foi o que pedi para eles fazerem. Os fore não tinham linguagem escrita. Assim, não podia pedir que eles escolhessem, entre uma lista, uma palavra que combinasse com a emoção exposta. Se fosse para eu ler para eles uma lista de palavras, teria de me preocupar com a memória deles, e se a ordem de leitura das palavras influenciava a escolha. Em vez disso, pedi que eles criassem uma história a respeito de cada expressão facial. "Diga-me o que está acontecendo agora, o que aconteceu antes para fazer essa pessoa mostrar essa expressão e o que vai acontecer depois." Foi extremamente difícil. Não tenho certeza se foi o processo de tradução, ou o fato de que eles sequer imaginavam o que eu queria ouvir ou o motivo de tudo aquilo. Talvez criar histórias a respeito de estranhos era apenas algo incomum entre os fore. Eu consegui minhas histórias, mas as pessoas levaram muito tempo para elaborá-las. Ficávamos exaustos após cada sessão. No entanto, não faltaram voluntários, ainda que tenha se espalhado a notícia de que o que estava pedindo não era fácil de fazer. Havia um poderoso incentivo para observar minhas fotografias: eu oferecia para cada pessoa uma barra de sabão ou um maço de cigarros pela ajuda. Eles não tinham sabão e cultivavam seu próprio tabaco, que fumavam em cachimbos, mas, aparentemente, gostaram mais dos meus cigarros. A maioria das histórias combinava com a emoção descrita em cada fotografia. Por exemplo, ao observar um retrato descrevendo o que as pessoas em culturas letradas julgariam tristeza, os fore afirmavam com freqüência que o filho da pessoa tinha morrido. No entanto, o ato de contar histórias era desajeitado, e provar que histórias diferentes combinavam com uma emoção específica não seria fácil. Eu sabia que tinha de fazer de modo diferente, mas não sabia como.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Eu também filmei expressões espontâneas e fui capaz de captar o olhar alegre dos moradores de uma aldeia vizinha quando encontravam seus amigos. Registrei dois homens tocando instrumentos musicais e, em seguida, filmei sua surpresa e encanto quando, pela primeira vez, ouviram suas vozes e a música saindo de um gravador. Até apunhalei um menino com uma faca de borracha que tinha trazido comigo, enquanto minha câmera registrava sua reação e as de seus amigos. Eles consideraram uma boa brincadeira (tive o bom senso de não tentar travessuras com um dos adultos). Essas cenas podiam não servir como evidência, pois quem concebe as expressões como diferentes em cada cultura poderia sustentar que eu havia selecionado poucas ocasiões em que as expressões universais eram expostas. Deixei Nova Guiné depois de alguns meses. Não foi uma decisão difícil, pois estava sedento de conversa, algo que não conseguia ter com ninguém dos fore, e de comida — errei ao pensar que apreciaria a culinária local. Inhames e algo parecido com a parte do aspargo que descartamos brotavam em todos os cantos. Era uma aventura, a mais empolgante da minha vida, mas ainda me preocupava, pois não havia sido capaz de obter evidências definitivas. Sabia que essa cultura não ficaria isolada por muito mais tempo, e já não existiam muitas como essa espalhadas pelo mundo. De volta para casa, encontrei uma técnica usada pelo psicólogo John Dashiel, na década de 1930, para estudar como as crianças conseguiam interpretar as expressões faciais. Elas eram muito novas para ler e, assim, ele não podia apresentar-lhes a uma lista de palavras. Em vez de pedir uma história — como havia feito em Nova Guiné —, Dashiel, de modo inteligente, leu para as crianças uma história e lhes mostrou um conjunto de retratos. Tudo o que elas tinham de fazer era escolher aquele que combinava com a história. Sabia que, no meu caso, isso funcionaria. Reli as histórias que os fore tinham criado, selecionando aquelas que tinham aparecido com mais freqüência para cada tipo de expressão emocional. Eram muito simples: "Os amigos chegaram e ele está feliz; ele está furioso e prestes a lutar; o filho morreu e ela está muito triste; ele está olhando para algo que não gosta; ela está olhando para algo que cheira mal; ele agora está olhando para algo novo e inesperado". Houve um problema com a história mais freqüente, referente ao medo, a respeito do perigo representado por um porco-do-mato. Tive de mudá-la, para reduzir o impasse entre surpresa e raiva. Ficou assim: "Ele(a) está em sua casa sozinho(a) e não há mais ninguém na aldeia. Ele(a) não tem

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

nenhuma faca, machado ou arco. Um porco-do-mato está parado na porta da casa e o homem(mulher) está olhando para o animal e sente muito medo. O porco-do-mato já está parado na entrada há alguns minutos e a pessoa o observa com muito temor, e o animal não se afasta da porta e ele(a) receia que o porco vá mordê-lo(a)". Criei conjuntos de três retratos, que seriam mostrados durante a leitura de uma das histórias (exemplo abaixo). O entrevistado só teria de indicar o retrato. Criei diversos conjuntos de retratos; não queria que nenhum aparecesse mais de uma vez, para que a escolha da pessoa não fosse feita por exclusão: "Ah, essa foi quando a criança morreu e essa foi quando eu disse que ela estava a ponto de lutar; então, essa deve ser a respeito do porco-do-mato".

No final de 1968, voltei para Nova Guiné com minhas histórias e retratos e uma equipe de colegas para ajudar na coleta de dados9 (dessa vez, também levei comida enlatada). Suponho que nosso retorno foi anunciado, pois, além de Gajdusek e seu cineasta, Richard Sorenson, que me ajudara muito no ano anterior, pouquíssimas pessoas de fora visitavam os fore. Viajamos para algumas aldeias, mas, assim que se espalhou a notícia de que o que estávamos pedindo era muito fácil de fazer, pessoas de aldeias mais distantes começaram a aparecer. Elas gostavam da tarefa e ficaram encantadas também com o sabão e os cigarros. Tomei especial cuidado para assegurar que ninguém em nosso grupo sugerisse involuntariamente o retrato correto aos entrevistados. Os conjuntos de retratos foram montados sobre páginas transparentes, com um código

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

escrito no verso de cada um, que podia ser visto na face posterior da página. Não sabíamos e fazíamos questão de não descobrir os códigos referentes a cada expressão. Em vez disso, a página seria virada na direção do entrevistado, arranjada de modo que o coletor de dados não fosse capaz de ver o que havia na frente. A história seria lida, o entrevistado indicaria o retrato e um de nós anotaria o número do retrato escolhido pelo entrevistado*. Em poucas semanas, entrevistamos mais de trezentas pessoas, cerca de 3% de indivíduos pertencentes a essa cultura, um número mais que suficiente para uma análise estatística. Os resultados foram muito bem definidos para felicidade, raiva, aversão e tristeza. Medo e surpresa não se distinguiram um do outro. Quando as pessoas escutavam a história a respeito do medo, escolhiam muitas vezes a surpresa como uma expressão de medo, e vice-versa. Mas esses sentimentos eram diferenciados com relação à raiva, aversão, tristeza e felicidade. Até hoje, não sei por que medo e surpresa não eram diferenciados entre si. Pode ter sido um problema com as histórias, ou talvez essas duas emoções se misturem tão freqüentemente na vida dessas pessoas que não são diferenciadas. Nas culturas letradas, medo e surpresa são diferenciados um do outro10. Nenhum dos nossos entrevistados, exceto vinte e três, tinha visto filmes, televisão ou fotografias. Eles não falavam ou entendiam inglês ou pidgin, nunca tinham vivido em nenhum povoamento ocidental ou cidade com governo e nunca tinham trabalhado para um caucasiano. As vinte e três exceções tinham visto filmes, falavam inglês e tinham freqüentado uma escola missionária por mais de um ano. Não existiam diferenças entre os entrevistados que tinham pouco contato com o mundo exterior e os que tinham, nem entre homens e mulheres. Fizemos mais uma experiência, que não foi tão fácil para nossos entrevistados. Um dos pesquisadores, fluente em pidgin, leu para os entrevistados uma das histórias e pediu para que eles mostrassem sua fisionomia se fossem a pessoa na história. Eu filmei em vídeo nove homens fazendo isso; nenhum deles havia participado do primeiro estudo. Os vídeos, sem edição, foram apresentados a

* Apesar de nosso cuidado, um desses estudiosos comprometidos com a concepção de que as expressões são aprendidas em vez de inatas afirmou, quinze anos depois, que, de alguma forma, prevenimos aos nossos entrevistados a respeito de qual retrato escolher. Ele não sabia como, apenas achava que fizemos isso, pois não conseguia renunciar ao seu compromisso de acreditar que as expressões são específicas à cultura.

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

universitários nos Estados Unidos. Se as expressões fossem específicas à cultura, esses estudantes não seriam capazes de interpretar corretamente as expressões. Mas eles identificaram corretamente a emoção, exceto as poses de medo e surpresa, que também tendiam a denominar medo ou surpresa, da mesma forma que os fore. A seguir, quatro exemplos de poses de emoções dos fore.

SATISFAÇÃO

TRISTEZA

RAIVA

AVERSÃO

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Em 1969, na conferência nacional anual de antropologia, comuniquei nossas descobertas. Muitos pesquisadores ficaram insatisfeitos. Eles estavam convencidos de que o comportamento humano é todo aprendido e nada tem a ver com a natureza; as expressões devem ser diferentes em cada cultura, apesar de minhas evidências. O fato de que eu tinha descoberto diferenças culturais no controle das expressões faciais em meu estudo a respeito dos japoneses e norte-americanos não foi o suficiente. A melhor maneira de dissipar as dúvidas seria repetir todo o estudo em outra cultura isolada e pré-letrada, e o mais indicado era que outra pessoa fizesse isso, de preferência alguém que quisesse demonstrar meus erros. Se essa pessoa descobrisse o que eu descobri, isso reforçaria muito nosso argumento. Mais um golpe de sorte, e o antropólogo Karl Heider fez exatamente isso. Voltou depois de passar alguns anos estudando os dani, outro grupo isolado localizado no que é atualmente denominado Irião Ocidental, parte da Indonésia11. Ele me disse que devia haver algo errado com minha pesquisa, pois os dani não tinham nem mesmo palavras para as emoções. Dei-lhe todos os meus materiais de pesquisa e o ensinei a realizar a experiência quando ele voltasse aos dani. Seus resultados reproduziram perfeitamente minhas descobertas, até mesmo a incapacidade de diferenciar o medo e a surpresa12. Não obstante, até hoje, nem todos os antropólogos se convenceram. Há, também, alguns psicólogos, interessados principalmente em questões de linguagem, que reclamam que nosso trabalho nas culturas letradas, em que pedimos para as pessoas identificarem as palavras associadas às emoções nas expressões, não respaldam uma proposição universal, pois as palavras para cada emoção não apresentam traduções perfeitas. Naturalmente, o modo pelo qual as emoções são representadas na língua é produto da cultura, e não da evolução. No entanto, em estudos atuais de mais de vinte culturas letradas ocidentais e orientais, o julgamento da maioria sobre qual emoção corresponde a tal expressão é o mesmo. Apesar dos problemas de tradução, nunca houve um caso em que a maioria, em duas culturas, atribuísse uma emoção diferente à mesma expressão. Nunca. Obviamente, nossas descobertas não se limitam a estudos em que as pessoas rotulam uma fotografia com apenas uma palavra. Na Nova Guiné, utilizamos histórias a respeito de um evento emocional. Também apresentamos poses de emoções. No Japão, medimos o próprio comportamento facial, mostrando que, quando as pessoas estavam sozinhas, os mesmos músculos faciais se moviam ao assistir um filme desagradável, quer a pessoa fosse japonesa ou norte-americana.

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

Outra crítica desmereceu nossa pesquisa na Nova Guiné, alegando que utilizamos histórias descrevendo uma situação social, em vez de palavras únicas13. Essa crítica presumiu que emoções são palavras, o que, é claro, não são. As palavras são representações das emoções e não as próprias emoções. A emoção é um processo, um tipo específico de avaliação automática, influenciado por nosso passado evolucionista e pessoal, em que sentimos que algo importante para nosso bem-estar está acontecendo e um conjunto de mudanças fisiológicas e comportamentos emocionais influenciam a situação. As palavras são uma maneira de lidar com nossas emoções. Usamo-las quando nos emocionamos, mas não podemos reduzir a emoção a palavras. Ninguém sabe exatamente a mensagem que obtemos automaticamente ao ver a expressão facial de alguém. Desconfio que palavras como raiva e medo não sejam as mensagens usuais transmitidas quando estamos na situação. Utilizamos essas palavras quando falamos acerca das emoções. Na maioria dos casos, a mensagem obtida é mais parecida com a que temos em nossas histórias; não uma palavra abstrata, mas algum indício do que a pessoa vai fazer a seguir, ou o que fez a pessoa sentir a emoção. Outro tipo muito diferente de evidência também respalda a afirmação de Darwin de que as expressões faciais são universais, produtos de nossa evolução. Se as expressões não precisam ser aprendidas, aqueles que nasceram cegos devem manifestar expressões similares às daqueles indivíduos dotados de visão. Diversos estudos foram realizados nos últimos sessenta anos, e isso foi constatado repetidamente, em particular para expressões faciais espontâneas14. Nossas descobertas interculturais impulsionaram investigações referentes a diversas outras perguntas a respeito de expressões faciais: quantas expressões as pessoas podem fazer? As expressões fornecem informações precisas ou enganosas? Todo movimento facial é sinal de uma emoção? As pessoas podem mentir com suas fisionomias do mesmo jeito que com as palavras? Havia muita coisa a fazer, muita coisa a descobrir. Atualmente, há respostas para todas essas perguntas, e outras mais. Descobri quantas expressões uma face é capaz de fazer: mais de dez mil. Além disso, identifiquei aquelas que, aparentemente, são mais centrais para as emoções. Mais de vinte anos atrás, Wally Friesen e eu escrevemos o primeiro atlas da face, uma descrição sistemática em palavras, fotografias e filmes de como medir o movimento facial em termos anatômicos. Como parte dessa obra, tive de aprender a fazer cada movimento muscular em minha própria

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

face. Às vezes, para verificar que o movimento feito devia-se a um músculo específico, enfiava uma agulha em minha face para estimular eletricamente e contrair o músculo, produzindo uma expressão. Em 1978, nossa ferramenta para medir a face — o Sistema de Codificação da Ação Facial (Facial Action Coding System — FACS) — foi publicada, e, atualmente, está sendo usada por centenas de cientistas de todo o mundo com a mesma finalidade, e os cientistas da computação estão trabalhando ativamente para automatizar e acelerar essa medição15. Desde então, utilizei o Sistema de Codificação da Ação Facial para estudar milhares de fotografias e dezenas de milhares de expressões faciais filmadas ou gravadas em vídeo, medindo cada movimento muscular em cada expressão. Aprendi a respeito da emoção medindo as expressões de pacientes psiquiátricos e as de pacientes com doenças coronárias do coração. Estudei pessoas saudáveis, quando aparecem em telejornais, tais como os da CNN, e em experiências em meu laboratório, nas quais provoquei emoções. Nos últimos vinte anos, colaborei com outros investigadores para aprender o que ocorre dentro do corpo e do cérebro quando uma expressão emocional se manifesta na face. Assim como existem diferentes expressões para raiva, medo, aversão e tristeza, aparentemente há perfis diferentes de mudanças fisiológicas nos órgãos que geram sentimentos únicos para cada emoção. Nesse momento, a ciência está determinando os padrões da atividade cerebral que são a base de cada emoção16. Ao utilizar o Sistema de Codificação da Ação Facial, identificamos os sinais faciais que denunciam a mentira. O que denominei microexpressões — movimentos faciais muito rápidos, que duram menos de um quinto de segundo — são fonte importante de escapamento, revelando uma emoção que a pessoa está tentando ocultar. Uma expressão falsa pode ser denunciada de diversas maneiras: em geral, é levemente assimétrica e carece de uniformidade da forma que flui de vez em quando da face. Meu trabalho a respeito da mentira me colocou em contato com juizes, policiais, advogados, o FBI, a CIA, o ATF (Bureau of Alcohol Tobacco and Firearms) e órgãos similares, em alguns países amistosos. Ensinei a todas essas pessoas como determinar com mais precisão se alguém está dizendo a verdade ou mentindo. Esse trabalho também me deu a oportunidade de estudar as expressões faciais e emoções de espiões, assassinos, fraudadores, criminosos, líderes nacionais estrangeiros e outros, que um professor não teria contato normalmente17.

EMOÇÕES POR MEIO DAS CULTURAS

Quando já tinha escrito mais da metade deste livro, tive a oportunidade de conversar por cinco dias a respeito de emoções destrutivas com Sua Santidade, o Dalai Lama. Havia seis outros participantes — cientistas e filósofos que apresentaram suas idéias e participaram da discussão18. O aprendizado a respeito do trabalho deles e as discussões forneceram-me novas idéias, que incluí aqui. Pela primeira vez, aprendi a respeito da concepção budista tibetana da emoção, uma perspectiva muito diferente da que sustentamos no Ocidente. Fiquei surpreso com o fato de que as idéias que desenvolvi nos Capítulos 2 e 3 eram, em parte, compatíveis com a concepção budista, e essa concepção sugeriu ampliações e refinamentos de minhas idéias, que me levaram a reescrever aqueles capítulos em alto grau. Mais que tudo, aprendi a respeito dos diversos níveis, do experiencial ao intelectual, e acredito que o livro se beneficiou de todo esse aprendizado19. Este não é um livro a respeito da concepção budista da emoção, mas, às vezes, menciono pontos em comum. Uma das novas áreas de pesquisa em evidência é a observação dos mecanismos cerebrais da emoção 20 . O que escrevi é permeado por esse trabalho, mas ainda não sabemos o suficiente a respeito do cérebro para responder muitas das perguntas aqui discutidas. Sabemos muito acerca do comportamento emocional, o bastante para dar respostas a algumas das perguntas mais fundamentais a respeito do papel das emoções em nossa vida cotidiana. Os próximos capítulos estão baseados em minha pesquisa sobre o comportamento emocional, depois de examinar pessoas em diversas situações emocionais e em diferentes culturas. A partir disso, refleti sobre o que considero que as pessoas precisam saber para entender melhor suas emoções. Embora minhas pesquisas e as descobertas dos outros forneçam a base do que descrevo neste livro, fui além do que foi provado cientificamente, incluindo também o que acredito ser verdade, mas que ainda não está provado. Tratei de algumas questões acerca do que desejam saber as pessoas que procuram melhorar sua vida emocional. A elaboração deste livro me deu novos entendimentos acerca das emoções, e espero que aconteça o mesmo com você.

Capítulo 2

Quando nos emocionamos

Durante quase todo tempo (para algumas pessoas, o tempo todo), nossas emoções nos atendem bem e nos mobilizam para lidar com o que é mais importante na vida, permitindo-nos diversos tipos de satisfações. No entanto, às vezes, nossas emoções podem nos deixar em apuros. Isso acontece quando temos reações emocionais impróprias: podemos sentir e demonstrar a emoção correta, mas com intensidade errada, por exemplo: a preocupação se justifica, mas reagimos exageradamente e nos apavoramos. Ou, então, podemos sentir a emoção apropriada, mas a demonstramos de modo errado, por exemplo: a raiva era legítima, mas ficar em silêncio foi contraproducente e infantil. No quarto capítulo descrevo como podemos mudar essas reações emocionais impróprias: intensidade ou modo errado de expressar a emoção. Aqui, e no terceiro capítulo, destaco um terceiro tipo de reação emocional inadequada, que é mais difícil de mudar, e que é ainda pior que as duas primeiras. Não que a reação seja muito intensa, nem que o modo de expressá-la seja incorreto. Acontece que, em geral, sentimos a emoção errada. O problema não é que ficamos muito assustados ou que demonstramos isso de forma errada; o problema é, como percebemos depois, que não deveríamos ter ficado com medo. Por que uma emoção imprópria seria ativada? Podemos eliminar completamente um gatilho emocional? Por exemplo, quando alguém fura a fila na nossa frente, não nos enfezamos? Ou podemos mudar nossa reação emocional, ficando desdenhosos ou satisfeitos em vez de irritados em situações assim?

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

Se não pudermos eliminar ou mudar nossa reação com relação a um gatilho, poderemos, ao menos, enfraquecer seu poder e não reagir inadequadamente? Essas perguntas não surgiriam se nossa reação fosse a mesma diante de algum acontecimento; se todo evento ativasse a mesma emoção em todos nós. Sem dúvida, esse não é o caso: algumas pessoas sentem medo de altura, outras, não; algumas pessoas choraram a morte da princesa Diana como se ela fosse um parente próximo, enquanto outras não se importaram. No entanto, há alguns gatilhos que geram a mesma emoção em todos. Acidentes de carro eminentes, por exemplo, invariavelmente desencadeiam um instante de medo. Como isso acontece? Como cada um de nós adquire o próprio conjunto de gatilhos emocionais e, ao mesmo tempo, apresenta a mesma reação emocional das outras pessoas em relação a outros gatilhos? Quase todos sentem medo se a cadeira em que estão sentados quebra repentinamente, mas algumas pessoas sentem medo de avião, outras, não. Compartilhamos alguns gatilhos da mesma forma que compartilhamos as expressões para cada emoção. No entanto, há gatilhos que não são específicos à cultura, mas ao indivíduo. Como adquirimos gatilhos emocionais indesejados? Essas são as perguntas abordadas neste capítulo. Precisamos saber as respostas antes de enfrentar a questão prática do próximo capítulo: podemos mudar o que ativa nossas emoções? É difícil responder a essas perguntas, pois não temos acesso à cabeça de uma pessoa para encontrar as respostas, e nem sempre podemos encontrar as respostas simplesmente perguntando por que ou quando as pessoas se emocionam. Há técnicas de imagens cerebrais, como a Imagem por Ressonância Magnética Funcional (IRMF), em que a cabeça é posta dentro de uma bobina magnética e são produzidas imagens das partes ativas do cérebro em períodos de dois a três segundos. Infelizmente, é um tempo muito longo para o estudo da origem das emoções, pois elas freqüentemente começam em menos de um segundo. E mesmo se a IRMF tivesse a resolução de tempo correta, não adiantaria, pois ela simplesmente identifica que estruturas cerebrais estão ativas, e não a atividade específica. Embora ainda não exista a evidência científica para responder como os gatilhos emocionais se estabelecem em nosso cérebro e se podemos eliminá-los - e talvez essas respostas só surjam daqui a décadas —, algumas aproximações podem ser feitas a partir da análise criteriosa de como e quando as pessoas se comportam de modo emocional. As respostas que posso sugerir,

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

embora tentativas, podem nos ajudar a lidar melhor com nossas emoções e com as reações emocionais dos outros. Não nos emocionamos com tudo; não estamos sob o domínio das emoções todo o tempo. As emoções vão e vêm. Sentimos uma emoção em um momento e podemos não sentir nenhuma em outro. Algumas pessoas são bem mais emocionais que outras (ver a conclusão), mas, mesmo as pessoas mais emotivas têm momentos em que não sentem nenhuma emoção. Alguns cientistas afirmam que sempre há alguma emoção ocorrendo, mas ela é muito sutil para que a percebamos ou para que afete nossas ações. Se for tão pequena, imperceptível, penso que podemos muito bem dizer que esses são momentos em que não há emoção (casualmente, mesmo aqueles que acham que estão sempre sentindo alguma emoção reconhecem que nem sempre é a mesma. Assim, eles também enfrentam o problema de explicar por que sentimos uma emoção em um momento e outra depois). Dado que nem todo minuto da vida é emocional, a pergunta permanece: Por que nós nos emocionamos? As emoções normalmente ocorrem quando sentimos, justificadamente ou por engano, que algo que afeta seriamente nosso bem-estar, para melhor ou pior, está acontecendo ou prestes a acontecer. Não é o único motivo de emoção, mas é muito importante, talvez o mais básico. Assim, enfoquemos esse caminho (posteriormente, descrevo oito outros para geração da emoção). É uma idéia simples, mas fundamental: as emoções se desenvolvem e nos preparam para lidar rapidamente com eventos essenciais de nossas vidas. Lembre-se de um momento em que você estava dirigindo e, de repente, outro carro apareceu, em alta velocidade, prestes a colidir com o seu. Sua mente consciente estava concentrada em uma conversa interessante com um amigo no assento do passageiro ou em um programa de rádio. Em um instante, antes de você ter tempo para pensar, antes da parte consciente de sua mente poder considerar a questão, o perigo foi sentido e o medo apareceu. No momento em que uma emoção começa, ela se apodera de você nos primeiros milésimos de segundo, comandando o que você faz, diz e pensa. Sem escolher fazer isso, você vira o volante automaticamente para evitar a colisão, pressionando o pedal do freio com o pé. Ao mesmo tempo, uma expressão de medo atravessa seu rosto: sobrancelhas levantadas e unidas, olhos arregalados e boca esticada para trás, na direção das orelhas. O coração começa a bater aceleradamente, você começa a transpirar e o sangue corre

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

para os grandes músculos das pernas. Observe que você teria feito aquela expressão facial mesmo se não houvesse ninguém sentado no carro, da mesma forma que seu coração bateria mais rápido se você não se envolvesse em algum esforço físico repentino, exigindo maior circulação sangüínea. Essas respostas acontecem porque, ao longo de nossa evolução, se tornou útil para os outros saber quando sentimos perigo e, também, estar preparado para fugir em ocasiões assim. As emoções nos preparam para lidar com eventos importantes sem precisarmos pensar no que fazer. Você não teria sobrevivido ao acidente automobilístico se parte de você não estivesse monitorando o mundo continuamente em busca de sinais de perigo. Nem teria sobrevivido se você tivesse de pensar conscientemente a respeito do que deveria fazer para enfrentar o perigo assim que ele ficou evidente. As emoções fazem isso sem seu conhecimento, e, na maioria das vezes, isso é bom para você. Logo que o perigo passou, você ainda sentiria o medo. O tempo necessário para que a intensidade dessas sensações diminua é de dez a quinze segundos, e não haveria muito que fazer para interromper esse processo. As emoções produzem mudanças nas partes do cérebro que nos mobilizam para lidar com o que deflagrou a emoção, assim como mudanças em nosso sistema nervoso autônomo, que regula o batimento cardíaco, a respiração, a transpiração e muitas outras alterações corporais, preparando-nos para diversas ações. As emoções também enviam sinais, mudanças nas expressões, na face, na voz e na postura corporal. Não escolhemos essas mudanças; elas simplesmente acontecem. Quando a emoção é forte e surge repentinamente, como no exemplo do carro, nossa memória do episódio emocional, depois disso, não será muito precisa. Você não consegue saber o que seu cérebro fez, que processos foram envolvidos no reconhecimento do perigo representado pelo outro carro. Você saberia que virou o volante e pisou no freio, mas provavelmente não perceberia que uma expressão atravessou seu rosto. Você teria sentido algumas das sensações em seu corpo, mas seria difícil encontrar palavras para descrevê-las. Se você quisesse saber como conseguiu sentir o perigo enquanto estava concentrado na sua conversa ou na música do rádio do carro, você não seria capaz de dizer. Não há como testemunhar ou direcionar os processos que salvaram sua vida. Essa característica maravilhosa de nossas emoções — que elas podem, e geralmente começam sem nossa consciência — também pode nos afetar negativamente, causando reações impróprias. Mais adiante, entrarei em detalhes.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Se o processo fosse mais lento, poderíamos ter consciência do que estava acontecendo em nosso cérebro. De fato, poderíamos saber as respostas para as perguntas deste capítulo. No entanto, não sobreviveríamos a acidentes de carros quase certos, pois não seríamos capazes de agir com a rapidez necessária. No primeiro instante, a decisão ou avaliação que produz a emoção é extraordinariamente rápida e ocorre inconscientemente. Devemos ter mecanismos automáticos de avaliação, rastreando continuamente o mundo ao redor de nós e detectando quando algo importante para nosso bem-estar e para nossa sobrevivência está acontecendo. Quando passarmos a observar a operação da avaliação automática no cérebro, suponho que encontraremos muitos mecanismos. Assim, de agora em diante, usarei a forma plural para me referir aos mecanismos automáticos de avaliação,

os autoavaliadores*.

Atualmente, quase todos que realizam pesquisas a respeito das emoções concordam com o que descrevi até aqui: primeiro, que as emoções são reações a questões que parecem muito importantes para nosso bem-estar e, segundo, que as emoções freqüentemente começam tão rápido que não temos consciência dos processos mentais que as deflagram1. A pesquisa acerca do cérebro é consistente com o que sugeri até aqui. Podemos realizar rapidamente avaliações muito complexas, em milésimos de segundo, sem tomarmos consciência dos processos de avaliação. Nesse momento, podemos reformular o primeiro conjunto de perguntas a respeito de como podem existir gatilhos emocionais universais e específicos. Quais são os autoavaliadores sensíveis a esses gatilhos e como eles se tornam sensíveis? Como os gatilhos emocionais se estabelecem? As respostas nos dirão por que nos emocionamos. Também nos ajudarão a responder à seguinte pergunta: por que, às vezes, temos emoções aparentemente inapropriadas para nós, enquanto, em outras vezes, nossas emoções estão perfeitamente sintonizadas com o que está acontecendo e podem até salvar nossas vidas?

* Há trinta anos, quando escrevi pela primeira vez a respeito dos autoavaliadores, não especifiquei os sentidos que podiam estar envolvidos. Aparentemente, podia ser qualquer um: visão, audição, tato, olfato, paladar. Suspeito que o visual é especialmente importante, mas que pode refletir minha própria predisposição. Sempre fui mais sensível ao que vejo. Portanto, meu interesse na emoção começou com uma fascinação pela expressão facial. Por enquanto, devemos presumir que cada órgão sensorial fornece estímulos para os autoavaliadores.

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

As respostas também nos dirão se é possível mudar o que produz uma emoção. Se podemos, por exemplo, fazer algo para deixarmos de sentir medo quando um avião enfrenta uma turbulência. Os pilotos de avião relatam que conseguiram isso, pois quase sempre os instrumentos os informam antecipadamente a respeito das turbulências, mas se não houvesse avisos, eles sentiriam medo? Nenhum dos pilotos me respondeu, mas os comissários de bordo responderam que sentiriam medo momentâneo. O que precisaríamos fazer para deixar de sentir o impulso de retribuir raiva com raiva? Esse é um objetivo impossível? Talvez tudo o que seja possível fazer é mudar a sensibilidade dos autoavaliadores de certos gatilhos. Pode ser que, mesmo isso, seja mais do que podemos conseguir. Voltaremos a esse assunto. Podemos deduzir a quais eventos nossos autoavaliadores são sensíveis examinando quando as emoções acontecem. A maior parte do que sabemos não veio da observação efetiva de quando as pessoas sentem uma ou outra emoção. Veio, sim, de suas respostas a questionários sobre o que eles se lembram sentindo uma ou outra emoção. O filósofo Peter Goldie, em seu instrutivo livro, designa esse tipo de informação como pós-racionalização 2 . Essa designação, porém, não rejeita a informação. As respostas que as pessoas dão nesses questionários, assim como as explicações que damos a nós mesmos depois de um episódio emocional para justificar nossos atos, podem ser incompletas e talvez estereotipadas, pois passam por filtros a respeito do que as pessoas têm consciência e se lembram. Nos questionários, outra questão é sobre a disposição das pessoas de revelar certas coisas. No entanto, as respostas ainda podem nos ensinar muito. Na década de 1970, o psicólogo Jerry Boucher, meu ex-aluno, fez essas perguntas a pessoas da Malásia e dos Estados Unidos3. Alguns anos depois, Klaus Scherer, um colega psicólogo, e seus colaboradores4 fizeram uma pesquisa semelhante com estudantes de oito culturas ocidentais. Os dois encontraram evidências de uma proposição universal: os mesmos tipos de gatilho foram relatados para evocar as mesmas emoções através de diferentes culturas. Eles também encontraram evidências de diferenças culturais nos eventos específicos que trazem à tona uma emoção. Em todas as culturas, a perda de algo importante foi o gatilho para a tristeza, mas a perda relatada variou de uma cultura para outra. No estudo de Boucher, um dos malaios narrou a história de um homem que havia acabado de escutar o chamado à oração de um importante feriado

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

religioso muçulmano. "Isso o deixou triste, pois pensou na mulher e nos filhos no povoado, para celebrar [o feriado]. Nesse momento, ele está na selva densa para defender seu país. Ele está em serviço, como soldado, e não pode celebrar [a data religiosa] com sua mulher e seus filhos [que estão em casa, no povoado]." No estudo de Scherer, um europeu disse: "Estava pensando a respeito de algo que ativou a memória acerca de um amigo da escola, que morreu em um acidente de carro. Ele era um aluno brilhante e tinha uma personalidade maravilhosa. Perdeu a vida. Por quê?". A perda é o tema das duas histórias, mas são tipos diferentes de perda. As próprias entrevistas que fiz com pessoas de minha cultura documentam diversas diferenças entre os norte-americanos naquilo que os deixam tristes, irritados, medrosos, desgostosos etc. Não que não haja sobreposições. Algumas coisas fazem quase todos sentirem a mesma emoção: uma pessoa ameaçadora, carregando um porrete, que aparece de repente em uma rua escura, quase sempre causa medo. Contudo, minha mulher tem medo de camundongos, e eles não me assustam. Fico nervoso quando o serviço em um restaurante é lento, e ela não se importa. Nesse caso, o problema volta a aparecer: como os autoavaliadores se tornaram sensíveis tanto aos gatilhos emocionais de todas as pessoas (uma proposição universal) como aos que despertam emoções diferentes entre os indivíduos, mesmo dentro de uma mesma cultura? Tratando de decifrar isso, fica claro que os autoavaliadores devem estar atentos aos dois tipos de gatilhos. Eles têm de examinar os eventos que todas as pessoas se deparam, que são importantes para o bem-estar ou para a sobrevivência de todos os seres humanos. Para cada emoção, pode haver alguns eventos armazenados no cérebro de todos os seres humanos. Pode haver um esquema, um esboço abstrato ou a intuição simples de uma cena, tal como, com relação ao medo, à ameaça de dano, ou, com relação à tristeza, a alguma perda importante. Outra possibilidade igualmente provável é de que o armazenado não seja abstrato, mas um evento específico, tal como, com relação ao medo, a perda de apoio ou algo que se aproxima tão rapidamente que possa nos atingir. Com relação à tristeza, o gatilho universal pode ser a perda de um ente querido, de uma pessoa a quem se está fortemente ligado. Ainda não há base científica para escolher entre essas duas possibilidades, mas não faz diferença a respeito da condução de nossas vidas emocionais. Ao longo de nossas vidas, deparamo-nos com diversos eventos que aprendemos a associar ao medo, à raiva, à aversão, à tristeza, à surpresa ou à

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

satisfação. Eles são adicionados aos eventos universais antecedentes, expandindo aqueles que os autoavaliadores estão alertas e podem se assemelhar aos eventos originalmente armazenados. São elaborações ou adições referentes aos eventos universais antecedentes. Não são os mesmos para todas as pessoas, variam de acordo com a experiência de cada um. Quando estudei membros da cultura da Idade da Pedra, na Nova Guiné, no fim da década de 1960, descobri que eles tinham medo de ser atacados por um porco-do-mato. Na América urbana, as pessoas têm mais medo de assaltantes, mas os dois casos representam um ameaça de dano5. Em um livro anterior 6 , Wally Friesen, eu e meu copesquisador descrevemos as cenas que consideramos universais para sete emoções. Posteriormente, o psicólogo Richard Lazarus apresentou uma proposta semelhante7. Ele utilizou a expressão temas relacionais centrais para repercutir sua visão de que as emoções se relacionam principalmente à forma como lidamos com as outras pessoas, uma idéia com a qual concordo bastante (ainda que eventos impessoais, como um pôr do sol ou um terremoto, também possam desencadear emoções). A palavra temas é boa, pois podemos falar de temas universais e variações desses temas que se desenvolvem nas experiências individuais. Quando identificamos um tema, como a sensação quando uma cadeira inesperadamente desaba conosco, isso ativa uma emoção com pouca avaliação. Pode levar mais tempo para os autoavaliadores identificarem algumas variações de cada tema, aquelas que aprendemos ao longo do processo de crescimento. Quanto mais a variação estiver afastada do tema, mais tempo pode levar até que alcancemos o momento em que ocorre a avaliação reflexiva8. Nesse processo, temos consciência dos percursos avaliatórios: estamos pensando e considerando o que está acontecendo. Suponhamos que alguém escute que vai haver um corte de mão de obra na empresa. A pessoa reflete se pode ser afetada, e, à medida que crê nessa possível ameaça, começa a sentir medo. Ela não pode perder o emprego, pois precisa do salário para se manter. O evento se associa ao tema da perda de apoio — um dos temas associados ao medo —, mas está tão afastado desse tema que a avaliação não seria automática, mas reflexiva. A mente consciente da pessoa está envolvida. cionais de cada pessoa, são adquiridas. Elas são apreendidas, refletindo a vivência de cada um de nós (um assaltante ou um porco-do-mato). Mas como os temas universais são adquiridos? Como eles se armazenam em nossos cére-

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

bros, de modo que os autoavaliadores sejam sensíveis a eles? Eles também podem ser herdados, produtos de nossa evolução? Vale a pena dedicar um tempo a essa análise, pois a resposta — como os temas universais são adquiridos? — possui implicações a respeito de quão prontamente eles podem ser modificados ou eliminados. Infelizmente, não há evidência de como os temas universais são adquiridos. Explicarei claramente duas alternativas e elucidarei por que penso que apenas uma delas tende a ser verdadeira. A primeira explicação sustenta que não apenas as variações são aprendidas; os temas associados a cada emoção também o são. Como foi descoberto que os mesmos temas ocorrem em muitas culturas diferentes, eles devem se basear nas experiências que todas as pessoas, ou quase todas, têm por intermédio do que é designado aprendizado constante da espécie. Consideremos, como exemplo, a raiva. Todo ser humano se sente contrariado quando alguém interfere em algo que ele quer muito fazer ou está fazendo. E toda pessoa aprende que, ao ameaçar ou atacar a fonte de interferência, ela, às vezes, tem sucesso em eliminar essa fonte. Toda essa explicação supõe que a natureza humana tem incorporado o desejo de perseguir objetivos, a capacidade de ameaçar ou atacar e a habilidade de aprender a partir da superação de obstáculos. Se admitirmos que o desejo, a capacidade e a habilidade existem, podemos esperar que as pessoas aprendam que será proveitoso tentar remover um obstáculo ameaçando ou atacando a fonte dele. Essa atividade requer um aumento do batimento cardíaco, com o sangue indo para as mãos para atacar o obstáculo, ou seja: todos os componentes conhecidos da resposta emocional da raiva9. Se os temas universais são aprendidos, deve ser possível desaprendê-los. Se aprendermos o tema associado à raiva, então talvez seja possível desaprendê-lo. Comecei minha pesquisa acreditando que isso acontecia. Achava que cada aspecto da emoção, incluindo o que ativa as emoções, era socialmente aprendido. Minhas constatações a respeito da universalidade das expressões faciais, bem como as constatações de outros estudiosos, mudaram minha opinião. O aprendizado não é a única fonte daquilo que transpira durante a emoção. O aprendizado constante da espécie não consegue explicar por que as expressões faciais em crianças congenitamente cegas são semelhantes às apresentadas por crianças normais. Nem consegue explicar que músculos são acionados em expressões específicas; por exemplo, por que, nas emoções agradáveis, a boca se ergue em vez de abaixar e o músculo em torno dos olhos se contrai, ainda que

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

isso passe despercebido quando as pessoas tentam disfarçar suas expressões. O aprendizado constante da espécie também é incapaz de explicar claramente nossas recentes constatações de que a raiva, o medo, a tristeza e a aversão são marcados por mudanças diferentes de batimento cardíaco, transpiração, temperatura da pele e fluxo sangüíneo (todas essas descobertas são descritas no Capítulo 4). Essas constatações me conduziram à conclusão de que nossa herança evolucionista contribui definitivamente para modelar nossas respostas emocionais. Se fosse esse o caso, parece provável que a evolução também desempenharia um papel importante na determinação dos temas universais que ativam as emoções. Esses temas são dados, não adquiridos; somente as variações e as elaborações dos temas são aprendidas10. Evidentemente, a seleção natural moldou diversos aspectos de nossas vidas. Consideremos a característica de ter um dedo polegar opositor. Essa característica não é encontrada na maioria dos outros animais. Então, por que os seres humanos a apresentam? Presumivelmente, há muito tempo, os nossos antepassados que, por variação genética, nasceram com essa característica funcional foram mais bem-sucedidos em ter e cuidar da descendência e em lidar com presas e predadores. Assim, teriam contribuído com as gerações seguintes, até que, ao longo do tempo, todos tivessem essa característica. Ter um polegar opositor foi selecionado e, atualmente, integra nossa herança genética. Por raciocínio similar, sugiro que aqueles que reagem à interferência com tentativas vigorosas de eliminá-la e que apresentam um sinal claro de sua intenção eram mais propensos a vencer competições por alimentos ou cônjuges. Eles tenderiam a gerar mais descendentes e, ao longo do tempo, todas as pessoas apresentariam esse tema associado à raiva. A diferença entre as duas explicações a respeito de temas universais — aprendizado constante da espécie e evolução — é sua descrição de quando coisas específicas acontecem. A explicação evolucionista aponta para nosso passado ancestral como o tempo em que esses temas (e outros aspectos das emoções que descreverei posteriormente) foram desenvolvidos. O aprendizado constante da espécie admite que certas partes do tema associado à raiva (querer perseguir objetivos) passaram a vigorar ao longo do curso da evolução, mas, por outro lado, outras partes desse tema (eliminar obstáculos em relação a esses objetivos por meio de ameaças ou ataques) são aprendidas na vida de cada pessoa. O fato é que todas as pessoas aprendem as mesmas coisas e, portanto, são universais.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Acho muito improvável que a seleção natural não agisse sobre algo tão importante e fundamental para nossas vidas como o que ativa nossas emoções. Nascemos preparados, com uma sensibilidade em desenvolvimento para os eventos que foram relevantes para a sobrevivência de nossa espécie em seu ambiente ancestral como caçadores e coletores. Os temas que os autoavaliadores examinam constantemente em nosso ambiente, em geral sem nosso conhecimento, foram selecionados ao longo de nossa evolução. A evidência que atesta essa concepção vem de uma série brilhante de estudos de Arne Ohman, psicólogo sueco". Ele ponderou que, ao longo da maior parte de nossa história evolucionista, as cobras e as aranhas eram perigosas. Os nossos ancestrais que aprenderam isso rapidamente e evitavam esses animais foram mais propensos a sobreviver, a ter filhos e cuidar deles em comparação com os que demoraram em aprender a ter medo desses animais. Se, de fato, a evolução nos preparou para ter medo do que foi perigoso no passado, então, atualmente, as pessoas aprenderiam mais rapidamente a temer cobras e aranhas do que flores, cogumelos ou objetos geométricos. Ele constatou exatamente isso. Ohman deu um choque elétrico (tecnicamente denominado estímulo não condicionado, pois produz excitação emocional sem que haja aprendizado), juntamente com um estímulo relevante — que desperte medo — (cobra ou aranha) ou irrelevante (cogumelo, flor ou objeto geométrico). Após a aplicação de apenas um choque em combinação com um dos estímulos relevantes, as pessoas sentiram medo quando uma cobra ou aranha foi mostrada sem a aplicação do choque, ao passo que, com relação aos estímulos não relevantes (flor, cogumelo ou objeto geométrico), foram necessárias mais associações com o choque para que o medo se manifestasse sem a aplicação do estímulo. As pessoas também continuavam com medo de cobra ou aranha, enquanto o medo da flor, do cogumelo ou do objeto geométrico se desvanecia*. Obviamente, temos medo de cobras e aranhas em nosso ambiente atual. É a evolução, então, que explica os resultados de Ohman? Se esse contra-argumento fosse verdadeiro, as pessoas deveriam reagir a outros objetos perigosos

* E. O. Wilson discutiu o medo de cobras em termos muito consonantes com os apresentados. Embora ele não aplique seu arcabouço especificamente à emoção, é muito consistente com o que estou sugerindo a respeito do banco de dados das emoções. (Ver Consilience, Random House, 1998, em particular as páginas 136-40).

44

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

em nosso ambiente atual, tais como armas de fogo e tomadas elétricas, da mesma forma que fazem com relação a cobras e aranhas. No entanto, Ohman não constatou isso. Levou tanto tempo para condicionar o medo com relação armas de fogo e tomadas elétricas quanto para condicionar o medo relacionado a flores, cogumelos e objetos geométricos. Não estivemos expostos a armas de fogo e tomadas elétricas por um tempo suficiente para a seleção natural desenvolvê-los como gatilhos universais12. Em seu visionário livro, A expressão das emoções no homem e nos animais, Charles Darwin descreveu uma experiência com uma cobra realizada há mais de cem anos, muito semelhante ao recente trabalho de Ohman. "Encostei meu rosto no vidro grosso, na frente de uma cobra venenosa, no jardim zoológico, determinado a não saltar para trás se ela me atacasse, mas, assim que ela deu o bote, minha decisão perdeu o efeito, e recuei de um a dois metros com impressionante rapidez. Minha vontade e razão foram inúteis face à sensação de um perigo que nunca tinha experimentado" 13 . A experiência de Darwin mostra como o pensamento racional é incapaz de impedir uma resposta temerosa a um tema inato associado ao medo, assunto que voltarei em breve. Não é comprovado que esses temas associados a emoções atuem como gatilhos antes da experiência relacioná-los a um resultado emocional. Lembremos que, na experiência de Ohman, era necessária alguma experiência para que os animais se tornassem gatilhos associados ao medo. Eles não eram amedrontadores em uma exposição inicial. Bastou uma associação com um resultado desagradável para que esses animais se tornassem gatilhos relacionados ao medo, mas, ainda assim, essa associação foi necessária. Talvez isso não seja sempre fundamental, pois Darwin escreveu que teve medo de cobras sem qualquer experiência direta anterior com elas. De um ponto de vista prático, não importa se algum aprendizado busca estabelecer um tema associado à emoção ou se alguns temas não requerem experiência para que nos tornemos sensíveis com sua ocorrência. Nos dois casos, beneficiamo-nos da experiência de nossa espécie nesse planeta, respondendo rapidamente a gatilhos que foram relevantes para nossa sobrevivência. Estou convencido de que uma das características mais distintivas das emoções é que os eventos que as ativam são influenciados não só por nossa experiência individual como também por nosso passado ancestral14. As emoções, na feliz expressão de Richard Lazarus, refletem a "sabedoria das gera-

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

ções", tanto nos temas associados à emoção como nas respostas emocionais. Os autoavaliadores estão examinando o que foi importante para a sobrevivência não só em nossa vida individualmente como também na vida dos ancestrais caçadores — coletores. Às vezes, respondemos emocionalmente a questões que foram importantes para nós, mas que não são mais relevantes. As variações sobre cada tema que adicionam e fornecem detalhes ao que é identificado por meio de avaliação automática começam a ser aprendidas muito cedo: algumas na infância, outras na puberdade. Podemos identificar nossas próprias respostas inadequadas a coisas que nos irritaram, nos assustaram ou nos repugnaram antes. Reações que, nesse momento, consideramos incompatíveis com nossa vida adulta. Há maior probabilidade de cometermos erros em nosso aprendizado remoto dos gatilhos emocionais, pois nossos mecanismos são menos desenvolvidos. No entanto, o que aprendemos cedo na vida pode ter mais potência e resistência ao desaprendizado que o que aprendemos posteriormente (essa suposição é comum em diversas formas de psicoterapia, e é respaldada por algumas pesquisas). Nossos autoavaliadores são poderosos e examinam continuamente, fora de nosso conhecimento consciente, os temas e as variações dos eventos relevantes para nossa sobrevivência. Utilizando uma metáfora informática, os mecanismos automáticos de avaliação estão buscando em nosso ambiente algo que se assemelhe ao que está armazenado em nosso banco de dados de alerta emocional, escrito, de um lado, por nossa biologia, mediante a seleção natural, e, de outro, por nossa experiência individual15. Lembremos que aquilo descrito pela seleção natural talvez não sejam gatilhos em si, mas preparações que permitem que alguns gatilhos se estabeleçam rapidamente. Muitos psicólogos destacaram conjuntos de casos afins, mas diferentes, de como os avaliadores automáticos classificam um novo evento, para determinar, em meus termos, se eles correspondem a um item presente no banco de dados de avaliação emocional. Tenho dúvidas a respeito da validade dessa sugestão, pois ela se baseou no relato das pessoas, e nenhum de nós tem consciência do que nossa mente faz enquanto processa a avaliação automática. Essa pesquisa forneceu bons modelos para explicar a descrição do modo como as pessoas se emocionam. Em todo caso, suas sugestões não são diretamente relevantes para a teoria a respeito de como nos emocionamos que proponho no decorrer deste capítulo.

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

Esse banco de dados é aberto; as informações são adicionadas a ele o tempo todo16. Ao longo da vida, entramos em contato com novos eventos que podem ser interpretados por avaliação automática, semelhantes a um tema ou a uma variação armazenada no banco de dados. Quando isso acontece, uma emoção é ativada. O psicólogo Nico Frijda enfatizou que aquilo a que chamo variação não são apenas resultados da experiência direta prévia, mas também estímulos novos, que parecem relevantes para questões de nosso interesse: nossas

preocupações".

Desde que não precisemos desviar nossa atenção consciente para prestar atenção nos eventos que se tornaram gatilhos emocionais, podemos utilizar nossos processos conscientes para realizar outras ações. Isso seria um sinal de distúrbio mental, como explicarei posteriormente, se nosso consciente estivesse preocupado com possíveis eventos emocionais. Depois que aprendemos a dirigir um carro, fazemos isso automaticamente e nos sentimos livres para concentrar nossa atenção em uma conversa, em uma música no rádio, em um pensamento a respeito de algum compromisso etc. Quando fazemos uma curva à esquerda, não temos de parar de escutar o rádio para pegar a pista correta. Mesmo se algo perigoso acontecer, ainda faremos a coisa certa. Essa é uma das grandes forças das emoções, o motivo pelo qual são funcionais. Infelizmente, o modo como reagimos pode não ser sempre apropriado ao ambiente. Se visitarmos um país onde a mão de direção é outra, nosso processamento automático poderá nos colocar em perigo, uma vez que podemos errar facilmente ao alcançar uma rotatória ou fazer uma curva. Não podemos manter uma conversa ou escutar o rádio. Conscientemente, devemos nos manter alerta às decisões que, antes, eram automáticas. Às vezes podemos achar que, emocionalmente, estamos vivendo em outro "país", outro ambiente em relação àquele que nossos mecanismos de avaliação automática são sensíveis. Assim, nossas reações emocionais podem ser inadequadas ao contexto. Isso não seria um problema não fosse o fato de que nossos mecanismos de avaliação emocional atuam de modo inacreditavelmente rápido. Se fossem mais lentos, não seriam tão úteis, mas haveria tempo para nos conscientizarmos a respeito do que nos está emocionando. Nossas avaliações conscientes podem nos permitir interromper o processo quando o consideramos inadequado ou inútil para nós, antes de uma emoção começar. A natureza não nos deu essa opção. Se fosse mais útil ter mecanismos de avaliação lentos ao invés

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

de rápidos ao longo da história da nossa espécie, não teríamos esses mecanismos rápidos de avaliação automática e fora da consciência. Embora as emoções sejam ativadas com mais freqüência por avaliadores automáticos, essa não é a única maneira pela qual elas podem começar. Nesse momento, vamos considerar outros oito caminhos que geram emoção. Alguns deles dão mais oportunidade de controlar se vamos ou não nos emocionar. Ocasionalmente, as emoções começam depois de uma avaliação reflexiva, em que consideramos conscientemente o evento, mas ainda não temos certeza de seu significado. A medida que a situação se desenvolve ou nossa compreensão progride, algo entra em sintonia, encontra correspondência em nosso banco de dados de alerta emocional e, então, os mecanismos de avaliação automática assumem o controle. A avaliação reflexiva lida com situações ambíguas, situações em que os mecanismos de avaliação automática ainda não estão sintonizados. Suponha que você encontre uma mulher que começa a falar sobre sua vida, mas não fica claro por que ela está falando com você. Você pensa a respeito do que ela diz, tentando entender o que isso significa para você. Em certo momento, você percebe que ela está ameaçando seu emprego. Então, os mecanismos de avaliação automática assumem o controle, e você começa a sentir medo, raiva ou outra emoção pertinente. Esse é o preço da avaliação reflexiva: tempo. Os mecanismos de avaliação automática nos poupam esses minutos. Freqüentemente, nossas avaliações automáticas podem nos salvar do desastre, e fazem isso cortando aqueles momentos requeridos pela avaliação reflexiva. Do lado positivo, há a possibilidade de influenciarmos o que transpira no momento em que as emoções começam, como conseqüência da avaliação reflexiva*. Para isso, precisamos estar familiarizados com nossos gatilhos emocionais quentes: as variações específicas em relação a temas universais, que são mais proeminentes em nossas vidas para cada emoção. Entre o quinto e o nono capítulo, a leitura a respeito dos temas e das variações comuns pode

* Após conversar com Dalai Lama a respeito do que ele denomina emoções destrutivas e das iniciativas adotadas pelas práticas budistas para se livrar delas, tive a impressão de o que ele e outros conseguiram foi substituir a avaliação reflexiva pela automática. Com muitos anos de prática, a opção de não se tornar emotivo parece possível, ou, caso contrário, agir e falar de modo a não ser prejudicial aos outros. Nos próximos anos, espero ser capaz de realizar pesquisas para aprender mais a respeito de como obter isso, e se há outros meios de chegar a isso em um período mais curto.

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

nos ajudar a compreender nossos gatilhos e os das pessoas ao redor. Se os compreendermos, poderemos nos esforçar para não permitir que eles condicionem nossa interpretação do que está transpirando. Suponha que o gatilho da sua reação de tristeza/angústia seja a sutil indicação de que uma mulher vai abandoná-lo pois ela descobriu seu segredo mais profundo: seus sentimentos (aprendidos) de baixa autoestima. Se houvesse tempo, você poderia usar a avaliação reflexiva para se prevenir contra o julgamento de que está sendo abandonado. Não seria fácil, mas, com a prática, seria possível reduzir a chance de você cair na tristeza/angústia quando não estiver sendo realmente abandonado. A avaliação reflexiva dá mais de uma função a seu consciente. Você pode aprender como se prevenir contra a probabilidade de interpretar mal o que está acontecendo. Também podemos nos emocionar quando lembramos uma cena emocional do passado. Podemos escolher lembrar a cena reformulando-a em nossa mente, revisando para entendermos o que ou por que aconteceu, ou como podíamos ter agido de modo diferente. Talvez a memória possa não ser uma alternativa; ela pode ser espontânea e vir de repente a nossa mente. Independentemente de como a memória é ativada, quer por escolha ou não, ela pode incluir não apenas a cena e o roteiro do que transpirou emocionalmente como também uma reação emocional. Podemos repetir as emoções que sentimos na cena original ou sentir uma emoção diferente. Por exemplo, uma pessoa pode estar desgostosa consigo mesma por ter sentido medo na cena original, mas agora sentir somente aversão, e não o medo original. Também pode acontecer, inicialmente, de nos lembrarmos dos eventos emocionais, mas não sentirmos novamente aquelas ou outras emoções. As emoções também podem ser despertadas conforme a cena se desenvolve em nossa mente. Robert Levenson e eu temos usado uma tarefa de memória para produzir emoções no laboratório, a fim de estudar expressões e reações fisiológicas que marcam cada uma. Achávamos que seria difícil para as pessoas vivenciar novamente cenas emocionais do passado, sabendo que estavam sendo filmadas e tinham fios ligados a diversas partes de seus corpos para medir o batimento cardíaco, a respiração, a pressão arterial, a transpiração e a temperatura da pele. Aconteceu exatamente o contrário. A maioria das pessoas pareceu ávida por uma oportunidade de repetir e vivenciar novamente uma cena do passado. Oferecida essa chance a elas, isso aconteceu quase imediatamente, em relação a algumas, senão todas, emoções.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Pedimos para as pessoas se lembrarem da própria versão de um dos eventos considerados como universais para cada emoção. Por exemplo, para trazer à tona a tristeza, pedimos para as pessoas se lembrarem da morte de alguém muito próximo. Pedimos que visualizassem um momento em que sentiram a tristeza mais profunda e, em seguida, para tentarem sentir novamente a mesma emoção da ocasião do falecimento. Pouco antes do término dessas curtas instruções, a fisiologia, os sentimentos subjetivos e, em certas pessoas, até as expressões faciais das emoções mudaram. Isso deveria ser previsível, pois todas as pessoas já tiveram a experiência de sentir alguma emoção ao se lembrar de um evento importante. O que não se sabia antes da nossa pesquisa é se as mudanças que derivam das lembranças se assemelham às que ocorrem quando as emoções são despertadas por outros meios. De fato, isso acontece. A memória acerca dos eventos que escolhemos recordar, que não nos conduzem a uma nova vivência das emoções originalmente sentidas, possibilita aprender como reconstruir o que está acontecendo em nossa vida e temos, assim, a chance de mudar o que nos emociona. A imaginação é ainda outro meio de provocar uma reação emocional. Se usarmos a imaginação para criar cenas que sabemos que nos emocionam, poderemos ser capazes de suavizar um gatilho. Em nossas mentes, podemos interpretar de outras formas o fato para que não combinem com nossos gatilhos habituais. Falar a respeito das experiências emocionais do passado também pode ativar emoções. Podemos falar com a pessoa com quem tivemos uma reação emocional a respeito de como nos sentimos e por que achamos que nos sentimos daquela maneira. Podemos conversar com um amigo ou um psicoterapeuta. Às vezes, o simples ato de falar acerca de um episódio emocional nos induzirá a uma nova vivência da emoção, da mesma forma que acontece com nossas experiências quando pedimos para as pessoas tentarem fazer isso'8. Voltar a vivenciar os sentimentos de um episódio emocional do passado pode trazer benefícios ao nos dar a chance de elaborar um final diferente para as questões e inspirar o apoio ou compreensão da pessoa com quem falamos. Claro que, às vezes, voltar a vivenciar as emoções nos coloca em apuros. Por exemplo, um marido se acha capaz de falar desapaixonadamente com sua esposa a respeito de um mal-entendido ocorrido alguns dias antes, mas conclui que ainda se irrita, tão ou ainda mais do que originalmente. Isso poderia

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

acontecer mesmo se ele esperasse isso. Na maior parte do tempo, não temos controle quando a emoção toma conta de nós. Quando isso acontece, nossa expressão provavelmente revela isso aos outros, e eles podem se enfezar, porque voltamos a nos enfezar. Suponha que você esteja contando a alguém quão mal você se sentiu quando o veterinário revelou que seu amado cão não sobreviveria à doença. Contar a história faz você vivenciar novamente a emoção e revelar seu sofrimento. Assim, enquanto sua amiga escuta, ela também começa a parecer muito triste. Isso é comum, ainda que não seja uma perda dela. Todos podemos compartilhar emoções, isto é, senti-las de modo empático. Esse é o sexto modo como as emoções podem começar: presenciar a reação emocional de outra pessoa. Isso nem sempre acontece. Não acontecerá, por exemplo, se você não se interessa ou não se identifica com o interlocutor. Além disso, às vezes presenciamos as emoções de alguém e sentimos uma completamente diferente. Por exemplo, podemos ficar desdenhosos com relação a uma pessoa irritada ou amedrontada, ou ter medo da irritação que ela demonstra. A pessoa não precisa ser nossa amiga para que sua falta de sorte desencadeie nossa reação empática. Pode ser um estranho completo, que pode nem sequer estar em nossa presença. Podemos vê-lo na tela da tevê, ou em um filme, ou ler sobre, em um jornal ou livro. Embora não haja dúvida de que podemos nos emocionar com a leitura apenas, é surpreendente que algo que surgiu tão tarde na história de nossa espécie — a escrita — possa gerar emoções. Imagino que a linguagem escrita seja convertida em sensações, visões, sons, cheiros ou até sabores em nossa mente e, depois que isso acontece, essas imagens são tratadas como qualquer outro evento pelos mecanismos de avaliação automática, para originar emoções. Se conseguíssemos bloquear a criação dessas imagens, acredito que as emoções não seriam evocadas somente pela linguagem. Os outros podem falar a respeito do que seja ter medo, enfezar-se, sentir prazer etc. Em geral, esse caminho simbólico envolve um instrutor no início da vida, e seu impacto será reforçado se a emoção à qual fomos instruídos for muito intensa. Também podemos observar como pessoas importantes em nossas vidas nos geram emoções e, involuntariamente, adotamos suas variações emocionais como nossas próprias variações. Uma criança cuja mãe tem medo de aglomerações pode também desenvolver essa fobia.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

A maioria dos autores que escreveram a respeito de emoções discutiu violações de regras, isto é, as emoções que sentimos quando nós mesmos ou outra pessoa infringe uma regra social importante19. Podemos ficar irritados, indignados, desdenhosos, envergonhados, culpados, surpresos, talvez até satisfeitos. Depende de quem violou e que regra era. As regras não são universais, obviamente; podem nem mesmo ser compartilhadas completamente dentro de um grupo ou de uma cultura nacional. Considere, por exemplo, a diferença entre as gerações mais novas e as mais velhas a respeito do sexo oral. Aprendemos regras acerca do que as pessoas devem fazer cedo e ao longo da vida. Eis a última maneira pela qual as emoções podem começar: uma maneira original, inesperada, que descobri enquanto eu e meu colega Wally Friesen desenvolvíamos nossa técnica de medir os movimentos do rosto. Para aprender como os músculos faciais mudam a aparência da face, gravamos um vídeo nosso fazendo sistematicamente diversas combinações de movimentos. Começamos com ações musculares únicas e progredimos até combinações de seis diferentes músculos agindo ao mesmo tempo. Não foi fácil fazer todos esses movimentos, mas, depois de alguns meses de prática, aprendemos e registramos dez mil combinações diferentes. Ao estudar os vídeos mais tarde, aprendemos como reconhecer, a partir de cada expressão, os músculos que as tinham produzido. Esse conhecimento tornou-se a base de nosso sistema de medição, o Sistema de Codificação da Ação Facial (Facial Action Coding System — FACS)20, discutido no primeiro capítulo. Verifiquei que, quando fazia determinadas expressões, ficava tomado de fortes sensações emocionais. Isso não acontecia com qualquer expressão, mas com aquelas que já sabia universais. Quando perguntei a Friesen se isso também estava acontecendo com ele, ele relatou que também estava sentindo emoções enquanto fazia algumas das expressões, e elas muitas vezes eram desagradáveis. Alguns anos depois, Bob Levenson passou um ano em meu laboratório. Pareceu-lhe perfeitamente apropriado, estando em São Francisco e em um ano sabático, passar seu tempo ajudando a testar nossa idéia maluca de que o simples ato de fazer uma expressão produziria mudanças nos sistemas nervosos autônomos das pessoas. Nos dez anos seguintes, fizemos quatro experiências, incluindo uma em uma cultura não ocidental, a Minangkabau, de Sumatra Ocidental. Quando as pessoas seguiram nossas instruções a respeito de que músculos mover, a fisiologia delas mudou e a maioria relatou sentir a emoção. Novamente, não foi somente um movimento facial que produziu essa

Q U A N D O NOS EMOCIONAMOS?

mudança. As pessoas tiveram de fazer movimentos musculares que nossa pesquisa prévia constatou como expressões universais de emoção21. Em outro estudo, cujo foco era somente sorrisos, Richard Davidson, psicólogo que estuda o cérebro e a emoção, e eu descobrimos que o ato de sorrir produziu diversas mudanças no cérebro, que acontecem quando temos sensações agradáveis. Não foi com qualquer tipo de sorriso, mas com aquele que, como eu descobrira previamente, significava verdadeiramente satisfação (ver Capítulo 9)22. Nessa pesquisa, pedimos para que as pessoas fizessem determinados movimentos faciais. No entanto, acho que também teríamos obtido os mesmos resultados se as pessoas tivessem emitido algum som relacionado a cada emoção. É muito mais difícil para a maioria das pessoas produzir sons vocais da emoção intencionalmente que fazer a expressão facial. Constatamos, porém, que uma mulher conseguia fazer isso e, de fato, ela produziu os mesmos resultados com a voz e com a face. Gerar a experiência emocional mudando a fisiologia através da aparência de uma emoção não é, provavelmente, o modo mais comum de sentir uma emoção. No entanto, pode acontecer com inais freqüência do que imaginamos. Edgar Allan Poe sabia disso, como podemos observar no conto A carta roubada: Quando desejo descobrir quão sábia ou quão estúpida ou quão boa ou quão má é uma pessoa, ou quais são seus pensamentos no momento, amoldo a expressão da minha face tão perfeitamente quanto possível, de acordo com a expressão dessa outra pessoa, e, em seguida, espero para ver quais pensamentos ou sentimentos resultam em minha mente ou coração, como se para combinar ou corresponder com a expressão. Descrevi nove caminhos para acessar ou ativar as emoções. O mais comum é mediante a ação dos autoavaliadores, isto é, mecanismos de avaliação automática. Um segundo caminho começa na avaliação reflexiva, que, em seguida, desencadeia os autoavaliadores. A memória de uma experiência emocional do passado é um terceiro caminho, e a imaginação, um quarto. Falar acerca de um evento emocional do passado corresponde ao quinto caminho. A empatia é o sexto. As instruções de outras pessoas a respeito da geração da emoção constituem o sétimo caminho. O oitavo é a violação das regras sociais. O último inclui assumir voluntariamente a aparência da emoção.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

O próximo capítulo se baseia no que temos aprendido acerca de como as emoções são ativadas, considerando por que e quando é tão difícil mudar o que nos gera emoções. Inclui sugestões com relação ao que podemos fazer para criarmos consciência a respeito de quando as emoções começam mediante a avaliação automática, já que é quando, com mais freqüência, vemo-nos em apuros e nos arrependemos de nossos comportamentos.

Capítulo 3

Mudando o que nos emocionou

Caminhar perto da beira de um precipício pode ser assustador, apesar de uma cerca bem visível impedir a queda. Não importa se o caminho não seja escorregadio, nem que a cerca não seja frágil. Ainda assim, o coração bate mais rápido e as palmas das mãos ficam suadas. O conhecimento de que não há nada a temer não elimina o medo. Mesmo que a maioria das pessoas consiga controlar suas ações, mantendo-se no caminho, elas muitas vezes são capazes apenas de dar uma rápida olhada na vista maravilhosa. O perigo é sentido, apesar de não existir objetivamente'. A caminhada na beira do precipício revela que nosso conhecimento nem sempre pode anular os autoavaliadores que respondem emocionalmente. Depois da ativação de nossas respostas emocionais, podemos perceber conscientemente que não precisamos nos emocionar, mas, no entanto, a emoção pode persistir. Minha proposição é de que isso ocorra quando o gatilho é um tema emocional desenvolvido ou um gatilho aprendido, muito similar ao tema. Quando o gatilho aprendido está mais afastado em relação ao tema, nosso conhecimento consciente pode ser mais capaz de interromper a experiência emocional. Em outras palavras, se nossas preocupações são levemente relacionadas a um tema, podemos ser capazes de anulá-las por escolha. Há uma maneira mais séria em que as emoções anulam o que sabemos. As emoções podem nos impedir de ter acesso a tudo que conhecemos, a informações que teríamos na ponta da língua se não estivéssemos tomados por uma emoção, mas que durante a emoção são inacessíveis para nós.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Quando estamos presos a uma emoção imprópria, interpretamos o que está acontecendo de forma análoga ao que estamos sentindo e ignoramos o que não combina. As emoções mudam nossa forma de ver o mundo e de interpretar as ações das outras pessoas. Não procuramos descobrir por que sentimos determinada emoção. Em vez disso, procuramos confirmá-la. Avaliamos o que está acontecendo de forma consistente com a ocasião, justificando e mantendo a emoção. Em diversas situações, isso pode ajudar a concentrar nossa atenção e orientar nossas decisões a respeito de como reagir aos problemas próximos, compreendendo o que está em jogo. Mas pode também causar problemas, pois, quando estamos presos a uma emoção, tendemos a ignorar o conhecimento prévio, que pode desmentir aquilo que estamos sentindo. Ignoramos, da mesma forma, as novas informações trazidas pelo ambiente que não se encaixam em nossa emoção. Em outras palavras, o mesmo mecanismo que orienta e concentra nossa atenção pode distorcer a capacidade de lidar tanto com a nova informação como com o conhecimento já armazenado em nosso cérebro*. Suponha que alguém esteja furioso por ter sido insultado em público. Durante sua fúria, não será fácil considerar se o que foi dito realmente teve o propósito de insultar. O conhecimento anterior a respeito daquela pessoa e da natureza dos insultos será apenas disponível de modo seletivo; somente parte do conhecimento que respalda a fúria será lembrada, e não aquilo que contradiria. Se quem insultou se explica ou pede desculpas, a pessoa furiosa pode não imediatamente incorporar essa informação em seu comportamento. Por um tempo, ficamos em estado refratário, durante o qual nosso pensamento é incapaz de incorporar a informação divergente e mantém ou justifica a emoção que estamos sentindo. Se for breve, apenas durante um ou dois segundos, esse estado refratário poderá ser mais benéfico do que o dano. Nesse curto período, ele concentra nossa atenção no problema, usando o conhecimento mais relevante que pode orientar nossas ações iniciais, assim como os preparativos para novas ações. Dificuldades ou comportamentos inadequados

* O que estou sugerindo aqui é muito similar à explicação do psicólogo Jerry Fodor a respeito de como a informação pode ficar encapsulada, ou seja: a maneira pela qual a informação que talvez não combine com um modo de interpretar o mundo, que a pessoa armazenou e tem conhecimento, torna-se inacessível por um tempo.

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

podem surgir quando o período refratário durar mais tempo, alguns minutos ou até mesmo algumas horas. Um período refratário muito longo induz o modo pelo qual vemos o mundo e a nós mesmos2. Em um acidente de carro quase certo, não permanecemos em estado de medo depois que desviamos do outro carro. Compreendemos muito rapidamente que o perigo já passou e esperamos que a respiração e os batimentos cardíacos voltem ao normal, o que acontece depois de mais ou menos dez segundos. No entanto, suponha que o medo seja de algo que não possa ser anulado de modo instantâneo ou drástico. Suponhamos que a pessoa tenha medo de que a dor que sente nas costas seja sintoma de um câncer de fígado. No período refratário, ela vai rejeitar a informação contraditória, esquecendo que no dia anterior ajudou seu amigo a mudar os móveis de lugar e que esse é o real motivo da dor. Considere uma situação familiar comum: de manhã, antes de o casal sair para o trabalho, Jim diz para Helen, sua mulher, que sente muito, mas ele não poderá pegar a filha na escola. Helen terá de fazer isso, ele complementa. Com rispidez e uma expressão de raiva no rosto, Helen responde: "Por que você não me avisou antes? Tenho uma reunião nessa hora!". Helen não pensou conscientemente na resposta; ela não escolheu ficar irritada. Simplesmente aconteceu, pois os autoavaliadores interpretaram a mensagem de seu marido como uma interferência em seus objetivos (um provável tema associado à raiva) sem levá-la em consideração. Sentindo, pelo tom de voz e pela expressão facial, que Helen está irritada, Jim desafia o direito dela de se sentir assim. Nesse momento, ele também se irrita, pois, muitas vezes, a raiva gera raiva. "Por que você está se enfezando? Não avisei antes porque meu chefe acabou de me ligar e me disse que há uma reunião de emergência em meu departamento e tenho de participar." Nesse instante, Helen percebe que Jim não foi desatencioso e que não há motivo para ela ficar furiosa com essa frustração inevitável e involuntária. No entanto, se ela ainda estiver em um período refratário, será uma luta. O aborrecimento dela precisa ser justificado. Ela pode ficar tentada a querer ter a última palavra. "Você devia ter me falado isso assim que soube!" Mas também pode se conter e não agir motivada pela irritação. Se Helen for capaz de incorporar a nova informação dada por Jim, mudará sua percepção do motivo pelo qual ele fez o que fez. Assim, ela pode descartar a interpretação de que ele foi desatencioso, e seu aborrecimento

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

desaparecerá. Contudo, há diversos motivos pelos quais um período refratário pode ser longo, mantendo Helen irritada até Jim dar a informação que poderia reverter a situação. Talvez ela não tivesse dormido bem na noite anterior. Talvez ela esteja sendo muito pressionada no trabalho e tenha dificuldades de lidar com isso, descarregando, assim, suas frustrações sobre Jim. Talvez eles estejam discutindo há muitos meses a respeito de um assunto sério, como ter outro filho, e Helen guardou sentimentos de raiva a respeito da atitude aparentemente egoísta de Jim. Helen pode ter o tipo de personalidade em que a raiva desempenha um papel dominante (no Capítulo 6, descrevo minha pesquisa a respeito de pessoas que possuem um traço de personalidade hostil). Ou, ainda, Helen pode estar trazendo para essa situação um roteiro de outro setor de sua vida, um roteiro muito carregado emocionalmente. Um roteiro possui um elenco de personagens — a pessoa que estabelece a relação e as pessoas que se relacionam com ela — e um enredo do que aconteceu no passado. Nem todas as pessoas trazem roteiros passados para situações atuais de forma efetivamente correspondente. O pensamento convencional nas teorias psicanalíticas da personalidade determina que os roteiros são reincorporados quando as pessoas têm sentimentos não resolvidos, isto é, que não foram completa ou satisfatoriamente expressos ou, se expressos, não levaram ao resultado desejado. Os roteiros distorcem o presente, provocando reações emocionais inadequadas e prolongando o período refratário. Suponhamos que Helen fosse a caçula da família e seu irmão, Bill, um molestador, sempre a dominando. Se Helen tivesse se tornado insensível pela experiência, se seus pais tomassem partido de Bill e achassem que ela exagerava, muitas vezes Helen poderia trazer o roteiro de estar sendo dominada a situações que, mesmo sutilmente, parecessem semelhantes. Uma das preocupações mais pungentes de Helen é não ser dominada, e isso faz que ela se sinta assim mesmo quando não há dominação. Também pode ser que Helen não queira importar esse roteiro. Ela é uma mulher inteligente e aprendeu, a partir do feedback daqueles com quem tem intimidade, que é propensa a esse tipo de interpretação equivocada e reação exagerada. No entanto, no período refratário, ela não pode fazer muita coisa a respeito. Ela sequer tem consciência de que está em um período refratário. Só depois, refletindo, Helen percebe que agiu inadequadamente e lamenta seu comportamento. Ela gostaria de eliminar o gatilho "ele está tentando me dominar" de seu banco de dados emocional. A vida dela seria melhor se ela

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

conseguisse desarmar esse gatilho. Assim, ela não estaria sujeita a longos períodos de raiva e não distorceria os motivos das outras pessoas para que entrassem em acordo com suas emoções. Muitas pessoas gostariam de ter esse controle quando têm uma reação emocional. Um dos motivos pelos quais as pessoas procuram os psicoterapeutas é não quererem continuar se emocionando com certas coisas. No entanto, ninguém quer repelir de modo completo e irrevogável todas as emoções. A vida seria tediosa, menos emocionante, menos interessante e, provavelmente, menos segura se tivéssemos o poder de fazer isso. O medo nos protege: nossa vida é salva porque somos capazes de reagir às ameaças de modo protetor e instantâneo, sem o pensamento. As reações de aversão nos deixam cautelosos a respeito de atividades que, literal ou figurativamente, podem ser tóxicas. A tristeza e o desespero vindos das perdas podem trazer ajuda dos outros. Mesmo a raiva — emoção que a maioria das pessoas gostaria de repelir — é útil para nós. Ela previne os outros, e nós mesmos, quando as coisas estão nos frustrando. Essa advertência pode conduzir mudanças, embora também possa produzir embates. A raiva nos motiva a tentar mudar o mundo, a promover a justiça social e a lutar pelos direitos humanos. Seria prudente e eficiente eliminar essas motivações? A vida valeria a pena sem entusiasmo, prazer sensórial, orgulho de nossas conquistas e das conquistas de nossos descendentes e sem a surpresa diante das coisas estranhas e inesperadas? As emoções não são como um apêndice, um órgão residual sem utilidade e que devemos remover. Elas estão no centro de nossa vida. Elas tornam a vida suportável. Em vez de repelir as emoções completamente, a maioria de nós gostaria de conseguir repelir seletivamente as reações emocionais em relação a gatilhos específicos. Gostaríamos de simplesmente apagar um gatilho específico ou um conjunto deles, um roteiro ou uma preocupação armazenados em nosso banco de dados de alerta emocional. Infelizmente, não há evidência definitiva a respeito dessa possibilidade. Um dos principais estudiosos do cérebro e das emoções, o psicólogo Joseph LeDoux escreveu recentemente: "O aprendizado do medo condicionado é particularmente resiliente e, de fato, pode representar uma forma indelével de aprendizado3. A indelebilidade do medo aprendido possui um lado positivo e um negativo. Sem dúvida, é muito útil para nosso cérebro ser capaz

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

de manter registros daqueles estímulos e situações que foram associados ao perigo no passado. Mas essas memórias potentes, geralmente formadas em circunstâncias traumáticas, também podem achar seu caminho na vida cotidiana, intrometendo-se em situações em que não são especialmente úteis"4. Felizmente, tive a oportunidade de conversar com LeDoux durante a redação deste capítulo e de pressioná-lo um pouco com relação ao significado de tudo isso. Em primeiro lugar, devo deixar claro que LeDoux se refere somente a gatilhos aprendidos, o que denominei variações. Tanto ele como eu acreditamos que os temas, produtos de nossa evolução, são indeléveis, tais como as constatações a respeito de ratos nascidos em laboratório, que nunca tiveram qualquer experiência com gatos, mas, mesmo assim demonstram medo no primeiro contato. É um tema inato, um gatilho de medo que já não requer aprendizagem. O poder de um tema para desencadear uma emoção pode ser enfraquecido, mas não eliminado totalmente. Enfim, podemos desaprender as variações, os gatilhos, que adquirimos durante a vida? Sem entrar em detalhes técnicos da pesquisa de LeDoux sobre o cérebro, precisamos saber que, quando um gatilho emocional se estabelece, quando aprendemos a sentir medo de algo, ocorrem novas conexões entre um grupo de células, constituindo o que LeDoux denomina assembleia de células5. Essas assembleias, que carregam a memória daquele gatilho aprendido, parecem ser os registros psicológicos permanentes do que aprendemos. Elas constituem o que chamo de banco de dados de alerta emocional. No entanto, podemos aprender a interromper a conexão entre essas assembleias e nosso comportamento emocional. O gatilho ainda aciona a assembleia, mas a conexão entre ela e nosso comportamento emocional pode ser quebrada, pelo menos por um tempo. Sentimos medo, mas agimos como se não estivéssemos com medo. Também podemos aprender a quebrar a conexão entre o gatilho e as assembleias de células, para não ativar a emoção. Porém, a assembleia de células ainda existe, o banco de dados não é eliminado e seu potencial de ser reconectado ao gatilho e à resposta continua dentro de nós. Sob certas circunstâncias, quando estamos sob estresse, o gatilho ficará novamente ativo e se conectará à assembleia de células, e a resposta emocional entrará novamente em ação. Embora toda a pesquisa de LeDoux fosse sobre medo, ele considera que não há motivo para acreditar que seria diferente em relação à raiva ou à aflição. Isso corresponde à minha experiência e ao que observei nas pessoas. Con-

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

sidero, assim, que seus resultados podem ser generalizados a respeito de outras emoções, talvez até mesmo de emoções que causam sensações agradáveis*. Nosso sistema nervoso não altera facilmente o que nos deixa emocionados. Não é simples desaprender a conexão entre uma assembleia de células emocionais e uma resposta, ou entre um gatilho e uma assembleia. O banco de dados de alerta emocional é um sistema aberto, em que variações se adicionam continuamente, mas não é um sistema que permite facilmente a remoção dos dados incorporados. Nosso sistema emocional foi desenvolvido para manter os gatilhos, e não para se livrar deles, mobilizando as respostas emocionais sem o pensamento. Somos biologicamente construídos para não interrompê-las de imediato. Retomemos novamente o exemplo do acidente de carro para ver como os resultados de LeDoux nos ajudam a entender o que acontece quando tentamos mudar o que nos emociona. Todo motorista, ao estar no banco do passageiro, já pressionou automaticamente o pé num pedal de freio inexistente quando outro carro vem em sua direção. Pisar no freio é uma resposta ao medo de ser atingido por outro carro. Não só a resposta — pressionar o pedal — é aprendida, como também o gatilho. Os carros não integravam o ambiente de nossos ancestrais. Um automóvel vindo em nossa direção não é um tema interno, mas uma variação. Aprendemos isso rapidamente, pois está muito próximo de um dos prováveis temas associados ao medo: algo que se move rapidamente à nossa vista, aproximando-se de nós como se estivesse prestes a nos atingir. Embora a maioria de nós, ao estar sentada no assento de passageiros, pressione involuntariamente um pedal de freio inexistente quando sente perigo, os instrutores de autoescola aprendem a não fazer isso. Eles podem aprender a interromper a resposta: nesse caso, eles ainda sentem medo, mas não respondem fisicamente (suspeito que deva haver um traço de medo no

* No entanto, nem tudo que nos emociona é fruto do condicionamento. Frijda mostra que alguns estímulos emocionais têm "pouco a ver com ter vivenciado conseqüências aversivas ou prazerosas acompanhando um estímulo específico". As emoções resultam "de conseqüências ou causas inferidas... Perder um emprego, receber críticas, notar sinais de ser negligenciado ou desprezado, ser elogiado ou presenciar violações de regras (ações que contradizem nossos valores) são eventos muito indiretamente ou remotamente conectados às condições reais aversivas ou prazerosas que, de alguma forma, sinalizam e lhes dão vida emocional". Considero esses casos exemplos de variações que se assemelham a temas universais, ainda que alguns estejam relacionados de modo distante.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

rosto deles ou no tom de voz). Eles podem aprender a quebrar a conexão entre o gatilho — aquele carro avançando em direção a eles — e a assembleia de células, estabelecida para esse gatilho do medo*. Talvez eles façam a sintonia fina da conexão entre o gatilho e a assembleia de células, de modo que o medo seja despertado e a resposta protetora do pedal de freio seja ativada somente quando o perigo é iminente. No entanto, se o instrutor dormiu mal à noite ou se ainda está refletindo a respeito de uma discussão inacabada com sua esposa, o pé se projetará novamente, da mesma forma que aconteceria com qualquer um que não seja instrutor de autoescola, que não aprendeu a interromper esse gatilho. As ligações entre o gatilho, as conexões celulares e a resposta não foram eliminadas, somente enfraquecidas. No decorrer deste capítulo, destacarei o enfraquecimento dos gatilhos emocionais, tanto os estabelecidos diretamente por condicionamento, ou indiretamente, através de uma conexão com um dos temas emocionais. No próximo capítulo, explico como é possível enfraquecer a conexão entre um evento emocional e nossas respostas. Nenhum dos dois é fácil. Explicarei como isso pode funcionar no contexto de outro exemplo. Imagine um garoto. Vamos chamá-lo de Tim. Ele foi importunado por seu pai, que o provocava e zombava de seus desempenhos inadequados com piadas cruéis. Provavelmente, antes dos cinco anos de idade do garoto, o roteiro de uma pessoa poderosa o rebaixando com provocações entrou em seu banco de dados de alerta emocional. À medida que crescia, Tim respondia com irritação quase imediata às provocações, mesmo quando elas não eram intencionais. Isso deleitava seu pai, que zombava ainda mais ao ver a irritação dele. Cerca de vinte anos depois, Tim ainda reage com irritação ao primeiro sinal de provocação. Isso não significa que Tim sempre aja movido por sua raiva, mas que ele estaria em uma situação melhor se não precisasse lutar contra seu impulso de revide. Seis fatores diferentes tendem a determinar quão bem-sucedido alguém pode ser em reduzir o poder de um gatilho emocional e a extensão do período refratário, quando somos capazes apenas de utilizar as informações que fundamentam a emoção que sentimos. O primeiro fator é a proximidade

* Podemos descobrir o que eles fazem medindo sua fisiologia quando isso acontece, mas realmente isso não importa para minha argumentação.

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

com o tema desenvolvido. Quanto mais próximo o gatilho aprendido estiver do tema não aprendido, mais difícil será reduzir seu poder. A fúria no trânsito é um exemplo de evento que se assemelha muito a um tema e não a uma variação aprendida. Isso é exemplificado no seguinte quebra-cabeça. No caminho para a universidade que faz diariamente, meu chefe de departamento chega a um lugar em que duas faixas de trânsito se juntam. Há uma regra, não escrita, que determina o revezamento dos carros para entrar, mas, às vezes, alguns motoristas violam essa regra bem na frente do meu chefe. Ele fica furioso, ainda que isso não tenha muita importância: o atraso é somente de alguns segundos. No entanto, no trabalho, quando alguém da faculdade escreve uma crítica a respeito de um de seus planos para o departamento, um assunto em que ele trabalhou muito e que é realmente importante, meu chefe raramente se irrita. Por que a irritação com relação a um evento aparentemente trivial, e não a um importante? Isso acontece porque as ações dos motoristas se assemelham ao tema provavelmente universal associado à raiva de ser contrariado, não por palavras, mas por interferências de alguém na busca de um objetivo. As ações indelicadas dos motoristas estão muito mais próximas do tema que um colega que escreve uma crítica. Para aqueles que se perguntam por que a fúria no trânsito parece ter ficado tão preponderante hoje em dia, suspeito que ela sempre existiu, porém, com menos freqüência, pois havia menos trânsito. Além disso, a mídia não tinha mencionado isso, o que concentra atenção sobre o fato. Aplicando essas idéias aos problemas de Tim, podemos imaginar que ele teria uma vida mais fácil enfraquecendo um gatilho distante do tema universal, em vez de próximo. Ser provocado e humilhado pelas palavras paternas está ainda mais longe do tema do que se seu pai fizesse "piada" ao imobilizar os braços de Tim, impedindo-o de se mover. O garoto teria mais chance de enfraquecer o gatilho, depois de adulto, se as experiências originais tivessem envolvido palavras, e não coação física, para provocá-lo e humilhá-lo. Outra questão a considerar é como os casos mais atuais do evento se assemelham à situação original, em que o gatilho foi aprendido. Foi o pai de Tim que o provocou cruelmente — um homem forte, dominante. A provocação de um colega ou de um subordinado não é como a provocação de um homem que tem autoridade sobre ele. Assim, seria mais fácil para Tim enfraquecer o gatilho quando provocado por alguém que não seja uma figura de autoridade.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Uma terceira questão é quão cedo na vida da pessoa o gatilho foi aprendido. Aparentemente, quanto mais cedo um gatilho foi aprendido, mais difícil será enfraquecê-lo. Por um lado, isso ocorre porque a capacidade de controlar as reações emocionais referentes a um gatilho não é tão bem desenvolvida no início da vida. Portanto, haverá uma reação emocional mais forte associada com gatilhos aprendidos cedo, em comparação com os aprendidos na idade adulta. Por outro, existe a possibilidade (sugerida por alguns psicólogos do desenvolvimento e todos os psicanalistas, atualmente, apoiada pela evidência crescente dos estudos do cérebro e da emoção 6 ) de que a primeira infância é decisiva na formação da personalidade e da vida emocional. O que é aprendido nessa época é mais forte e resistente à mudança. Os gatilhos adquiridos em período tão decisivo podem produzir um período refratário mais longo. A carga emocional inicial é o quarto fator-chave. Quanto mais forte as emoções forem vivenciadas no aprendizado do gatilho, mais difícil será debilitar seu impacto. Se o episódio de provocação fosse suave ou moderado, em vez de forte, se os sentimentos de humilhação, de falta de valor e ressentimento em relação à perda de poder fossem suaves, seria mais fácil mitigar o gatilho. A densidade da experiência é o quinto fator, contribuindo para a força e indelebilidade do gatilho. A densidade se refere a episódios repetidos, com alta carga emocional, que ocorrem durante um curto período, mas com efeito de subjugar a pessoa. Assim, se houvesse um período em que Tim foi provocado sem dó, intensamente e repetidas vezes, esse seria um gatilho muito difícil de atenuar. Quando a carga emocional inicial é muito forte e densa, minha expectativa é de que o período refratário em reações posteriores a esse gatilho será longo, dificultando a percepção rápida a respeito das reações inadequadas. Se a carga emocional inicial foi muito forte, esse fato pode, sozinho, ser suficiente para estender o período refratário com relação ao gatilho, mesmo se não foi denso ou se não se repetiu várias vezes. O sexto fator é o estilo afetivo7. Cada um de nós difere na velocidade, na força de nossas respostas e no tempo de recuperação de um episódio emocional. Nos últimos dez anos, minha pesquisa enfocou essas questões, cuja conclusão descreve quatro outros aspectos do estilo afetivo além da velocidade, força e duração. Quem geralmente apresenta respostas emocionais mais rápidas e intensas enfrentará mais dificuldade para esfriar um gatilho quente.

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

Considere agora como Tim pode enfraquecer o gatilho relativo à provocação. O primeiro passo deve ser identificar o que o deixa tão irritado. Ele pode não saber que ser provocado por uma pessoa de autoridade é um gatilho muito quente associado à raiva. A avaliação automática atua em milésimos de segundo, antes da autoconsciência, antes de ele ser capaz de ficar sabendo o que, de fato, o deixa tão furioso. Talvez ele saiba que é a provocação, mas não que tem a ver com o poder que esse alguém exerce sobre ele. Ele pode não perceber que apresenta uma conexão com sua experiência infantil de ser provocado sem dó por seu pai. Tim pode assumir uma postura defensiva, não disposto a aceitar que está ficando irritado ou a enfrentar o fato de que seu pai foi cruel. Realmente, o primeiro passo é ele se conscientizar da raiva que está sentindo, reconhecer as sensações em seu corpo (sugestões de como fazer isso estão no Capítulo 6) e entender o efeito que ele exerce sobre as outras pessoas. Suponhamos que Tim comece a reconhecer que fica muito irritado de vez em quando, mas não entende quando ou por que isso acontece. O próximo passo é registrar seus episódios associados à raiva. Ele deve anotar essas ocasiões em que reconhece a irritação ou em que os outros falam sobre isso com ele. O diário deve conter o máximo de informações possíveis a respeito do que ocorreu nos momentos anteriores à irritação. Um amigo ou um psicoterapeuta pode ajudá-lo a compreender a situação escutando esses episódios, que significam provocação interpretada como humilhação, que é o gatilho quente de Tim. De modo auspicioso, quando ele pensa a respeito disso, pode se dar conta do roteiro que está trazendo à tona, daquelas cenas terríveis com seu pai. Não tenho certeza se ele deve saber isso para enfraquecer esse roteiro. Pode ser suficiente a percepção de que está reagindo de forma exagerada à provocação, que a está tratando como se ela sempre fosse sinônimo de humilhação. Pode parecer que a solução mais simples fosse evitar as situações em que tende a ser provocado. Isso pressupõe que ele pode escapar, sem comparecer a jantares da empresa, nos quais ele tende a ser criticado, e que ele pode prever outras situações em que pode ser provocado. Uma opção melhor seria tentar arrefecer o gatilho. Tim teria de considerar a freqüência com que percebia a provocação, quando ela não era intencional ou quando não pretendia humilhá-lo. Ele deve aprender a reavaliar o que motiva a provocação. Essa cuidadosa consideração poderá ajudar se for feita repetidamente 8 . Tim pode fazer isso refletindo mais tarde a respeito de cada episódio de provocação, levando em con-

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

sideração explicações sobre o motivo da provocação, sem envolver o tema referente à humilhação. Ao longo do tempo, ele pode aprender a reavaliar mais rápido, ainda durante a situação. Ele também pode aprender a perceber quando pode ser provocado e se preparar para não interpretar isso como um insulto ou uma tentativa de humilhação. Ao longo do tempo, provocações podem se tornar um gatilho mais frio. No mínimo, se Tim aprender que a provocação é um gatilho e que é a humilhação intencional que o ativa, ele ficará mais preparado para controlar sua raiva quando ficar irritado9 (mais detalhes sobre o controle das respostas emocionais no Capítulo 4). Se minha sugestão não funcionar, se o gatilho emocional continuar a provocar respostas emocionais de difícil controle, há outras abordagens possíveis. A psicoterapia é uma possibilidade, embora, de acordo com minha experiência, seja muitas vezes limitada na capacidade de conscientizar o paciente a respeito do que é o gatilho e de que roteiro está sendo importado, sem ser útil em seu enfraquecimento. A terapia comportamental é outra abordagem possível, assim como a meditação10. Vamos supor que Tim identificou o gatilho, dedicou um tempo para analisar as situações em que percebe a provocação incorretamente, quando ela não existe, e também praticou reavaliações, de modo que pode aceitar uma provocação como brincadeira, e não como um insulto e humilhação. Reconhece, ainda, que isso ficou mais fácil porque em sua infância existiram poucos episódios de provocação, espalhados ao longo de meses, e nenhum deles continuou por muito tempo: carga e densidade baixas. Além disso, Tim não apresenta um perfil de raiva muito forte e duradouro. Agora ele raramente tem de lutar contra a fúria que vem da provocação. Mas isso pode acontecer, e provavelmente acontecerá, quando Tim estiver, por algum outro motivo, em um estado de ânimo irritadiço. Esta é uma boa hora para diferenciar emoções de estados de ânimo. Todos nós temos os dois. São coisas diferentes, ainda que ambos envolvam sentimentos. A diferença mais evidente é que as emoções são mais curtas que os estados de ânimo. Esses podem durar um dia inteiro, às vezes dois, enquanto as emoções podem ir e vir em minutos ou em segundos. Um estado de ânimo se assemelha a um estado emocional leve, mas contínuo. Se for irritabilidade, será como ficar um tanto irritado todo tempo, pronto para ficar furioso. Se for melancolia, ficaremos levemente tristes, prontos para ficarmos muito tristes.

MUDANDO O QUE NOS EMOCIONOU

Um estado de ânimo desdenhoso envolve as emoções de aversão e desprezo; um eufórico envolve entusiasmo e prazer; e um apreensivo envolve medo. Um estado de ânimo ativa emoções específicas. Quando estamos irritadiços, procuramos uma oportunidade de ficar irritados; interpretamos o mundo de um modo que permite, ou até mesmo exige, que fiquemos irritados. Ficamos irritados com assuntos que, em geral, não nos alteram, e a irritação tende a ser mais forte e durar mais do que se não estivéssemos irritadiços. Os estados de ânimo não apresentam sinais próprios no rosto ou na voz. Em vez disso, podemos dizer que uma pessoa está em determinado estado de ânimo porque notamos os sinais da emoção que o saturam. Os estados de ânimo reduzem nossa flexibilidade, pois nos deixam menos responsivos às nuances de mudança em nosso ambiente, condicionando nossa interpretação e reação. As emoções também fazem isso, mas somente por instantes, se o período refratário não for estendido; os estados de ânimo duram horas. Outra diferença entre os estados de ânimo e as emoções é que, depois que uma emoção começa e nos damos conta dela, podemos, em geral, identificar o evento que a causou. Raramente sabemos por que estamos em determinado estado de ânimo. Parece simplesmente que "aconteceu". Certa manhã, podemos acordar num estado de ânimo específico, ou, sem motivo aparente, no meio do dia, percebemo-nos melancólicos. Embora devam existir mudanças autônomas, neuroquímicas, que deflagram e mantêm estados de ânimo, acredito que eles também possam ser causados por experiências emocionais muito densas. A raiva intensa pode resultar em um estado de ânimo irritadiço, da mesma forma que uma alegria intensa pode resultar em um estado de ânimo eufórico. Então, claro, sabemos por que estamos em determinado estado de ânimo. Previamente, sustentei que as emoções são necessárias para nossas vidas e que não gostaríamos de nos livrar delas. Estou menos convencido de que os estados de ânimo têm algum uso para nós". Os estados de ânimo podem ser conseqüências involuntárias de nossas estruturas emocionais, não selecionadas pela evolução, pois são adaptativas12. Os estados de ânimo estreitam nossas alternativas, distorcem nossos pensamentos e tornam mais difícil controlar o que fazemos, em geral, por algum motivo que não faz sentido para nós. Pode-se argumentar que, quando os estados de ânimos são causados por uma experiência emocional densa, eles têm a função de nos manter preparados para outra ocasião semelhante. Pode ser, mas, para mim, esse é um benefício

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

pequeno em comparação com os problemas causados por estados de ânimo. Se pudesse, eu abriria mão de qualquer estado de ânimo e viveria apenas com minhas emoções. Renunciaria satisfeito aos estados de ânimo eufóricos para ficar livre dos irritadiços e melancólicos. Mas ninguém tem essa escolha. Os gatilhos que, por meio de trabalho duro, arrefeceram, voltam a ficar quentes quando uma pessoa está em um estado de ânimo pertinente àquele gatilho. Quando Tim estiver em um estado de ânimo irritadiço, a provocação pode, de novo, deflagrar sua raiva. Não é apenas uma situação estressante, como sugeriu LeDoux, que ligará novamente um gatilho à emoção; um estado de ânimo também pode fazer isso. Mesmo quando um gatilho foi enfraquecido ou arrefecido, de modo que não produza uma emoção, voltará a ficar quente quando o estado de ânimo correspondente vier à tona. Mesmo quando não nos tornamos especialmente vulneráveis a um estado de ânimo, muitos de nós ainda vamos ter, ao menos durante algum tempo, emoções ativadas a respeito das quais não queremos agir. O próximo capítulo considera as respostas emocionais involuntárias e como podemos controlar o que fazer quando nos emocionamos.

Capítulo 4

Comportando-se emocionalmente

Você está prestes a ir a uma reunião com seu chefe. Você não sabe do que se trata, não conhece a pauta nem solicitou essa reunião. A secretária dele disse, ao marcar a reunião, que era "muito importante". Sua reação — quer você pareça amedrontado, irritado ou triste, quer mantenha sua serenidade ou aparente desinteresse, o que você diz e como age — pode ser fundamental para o resultado. Você confiaria em sua reação ou na capacidade de controlar seu comportamento emocional? Ou tomaria um drinque ou um tranqüilizante antes da hora marcada? É difícil não se comportar emocionalmente quando os riscos são altos, que é quando tendemos a sentir emoções fortes. Muitas vezes, nossas emoções são os melhores guias, direcionando-nos e dizendo o que é correto para a situação, mas isso nem sempre acontece. Há vezes em que desejamos não ter agido ou falado sob influência de nossas emoções. Mas, se pudéssemos desligar completamente nossas emoções por um tempo, isso poderia piorar as coisas, pois as pessoas ao nosso redor poderiam reprovar nosso desinteresse ou falta de paixão. Poderíamos, também, ser considerados desumanos, o que não nos cairia bem*. Vivenciar nossas emoções, ter preocupações com o que acontece enquanto nos comportamos de um jeito que as pessoas consideram muito

" O uso recente de injeções de botox para reduzir os sinais de envelhecimento acaba por deixar o rosto sem expressão, com a aparência menos animada e sem emoção; e (paradoxalmente) pessoas menos animadas são menos atraentes aos outros.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

emocional pode, às vezes, ser extremamente difícil. Algumas pessoas apresentam exatamente o problema oposto: elas sentem as emoções, elas se interessam, mas não as expressam de maneira esperada, ou simplesmente não expressam; e as pessoas acreditam que elas são excessivamente controladas. Não escolhemos nossa aparência ou o que somos impelidos a fazer e dizer quando estamos emocionados mais que quando estamos tomados pela emoção. Contudo, podemos aprender a moderar o comportamento emocional do qual nos arrependemos mais tarde, inibindo ou suavizando nossas expressões, prevenindo ou moderando nossas ações ou palavras. Também podemos aprender a não ser excessivamente controlados, demonstrando frieza, se esse é o nosso problema. Seria ainda melhor se pudéssemos aprender a escolher o modo como nos sentimos e como expressar nossas emoções, de forma que possamos fazê-los de forma construtiva. Podemos relembrar a descrição de Aristóteles de uma pessoa temperada, um padrão de comportamento emocional construtivo'. Nossas emoções devem estar equilibradas, proporcionais ao evento que as provocaram. Devem ser exprimidas no momento correto, de modo adequado ao gatilho emocional e às circunstâncias em que ocorreram, e de forma correta, de maneira a não ferir*. Reconhecidamente, são idéias muito abstratas, mas explicam os motivos pelos quais, às vezes, arrependemo-nos de nosso comportamento. O Capítulo 3 descreveu aquilo que ativa as emoções e como enfraquecer os gatilhos quentes, para que nem sempre sejamos tomados pela emoção. No entanto, suponha que isso falhou e a emoção já tenha se manifestado. Agora a pergunta é: podemos escolher o que dizer e o que fazer? Quando estamos no período refratário — em que não temos acesso à informação que alteraria a forma como nos sentimos — não queremos refrear nossas emoções. Aquilo que elas nos pressionam a fazer e dizer parece justificado e necessário. Se tentarmos controlar o que fazemos e dizemos, haverá um conflito entre nossos esforços deliberados, voluntários e nosso comportamento emocional involuntário. Esse conflito será maior para aqueles que vivenciam emoções com mais rapidez e com muito mais força do que os outros. Às vezes, tudo o que podemos fazer é sair de cena. Mesmo isso pode exigir um grande

* Há uma exceção. Quando outra pessoa ameaça nossa vida ou a vida de outras pessoas, em nossa raiva, podemos ser justificados de ferir a pessoa que representa a ameaça, se não há outro modo de impedir o dano. O Dalai Lama, com certa hesitação, concorda com esse ponto.

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

esforço para algumas pessoas em certos episódios. Com a prática, moderar nosso comportamento emocional fica mais fácil, mas exige tempo, concentração e compreensão. Da mesma forma que existem fatores que determinam quando e como um gatilho quente pode ser enfraquecido, há um conjunto de fatores que determinam quando estamos mais propensos a ter êxito na moderação de nosso comportamento emocional. Quando fracassamos, e todos fracassamos às vezes, há passos que podemos adotar para nos beneficiarmos do insucesso, reduzindo a probabilidade de fracassar novamente. Antes de tratar dessas duas questões — como moderar o comportamento emocional e, em situações de fracasso, como podemos aprender com os erros —, devemos considerar o que estamos tentando moderar: o comportamento emocional em si, ou seja: os sinais, as ações e as mudanças internas. Também precisamos compreender como esses comportamentos são gerados e como podemos influenciar esse processo. Começaremos com os sinais, isto é, com as expressões emocionais. Freqüentemente, os sinais emocionais emitidos por outras pessoas determinam como interpretar suas palavras e ações. Suas expressões também ativam nossa resposta emocional e isso, por sua vez, matiza nossa interpretação a respeito do que a pessoa está dizendo, do que consideramos motivos, atitudes e intenções dela. No capítulo anterior, conhecemos Helen, que ficou irritada com seu marido, Jim, quando ele disse que não poderia pegar a filha na escola. Helen respondeu: "Por que você não me avisou antes?". Jim poderia não ter se irritado, não fosse pela contundência da voz de Helen ou pela irritação expressa na fisionomia dela. No entanto, só as palavras dela poderiam ter sido suficientes. Um modo mais suave de dizer a mesma coisa teria sido: "Gostaria que você tivesse me avisado antes" ou "O que aconteceu que você não conseguiu me avisar antes?". Essa última versão teria feito Jim saber que ela reconhecia que devia haver um motivo para ele causar uma inconveniência a ela. Mas mesmo um discurso mais suave não teria êxito dito com raiva na voz ou na face. Helen poderia não ter dito nada, mas a expressão em seu rosto teria prevenido Jim de que ela estava irritada, já que as emoções não são privadas. A maioria de nossas emoções possui um sinal inconfundível, que diz aos outros como nos sentimos. Os pensamentos, por outro lado, são totalmente privados. Ninguém sabe se estamos pensando em nossa mãe, no programa que estamos perdendo na tevê ou em como mudar nossos investimentos em ações, a menos

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

que as emoções se misturem a esses pensamentos, como freqüentemente acontece. Embora não haja sinal externo que diga às pessoas que estamos pensando, e muito menos o que estamos pensando, esse não é o caso com relação à emoção. Apesar de variarem na expressividade, as emoções não são invisíveis ou silenciosas. Os outros que nos observam e nos escutam podem dizer como estamos nos sentindo, a menos que façamos um esforço concentrado para esmagar nossas expressões. Mesmo assim, algum traço das emoções escapa e pode ser detectado2. Nem sempre nos sentimos bem em saber que os outros são capazes de perceber como nos sentimos. Até a pessoa mais aberta, às vezes, prefere manter seus sentimentos em segredo. Helen pode omitir sua irritação a Jim, mas seu rosto a teria denunciado, mesmo se ela não dissesse nada. É parte de nossa herança evolucionista indicar o início de cada emoção. Aparentemente, ao longo da história de nossa espécie, foi mais útil para nós do que para as outras espécies saber a emoção que estávamos vivenciando sem ter de contá-las. Em relação a Helen, um leve traço de irritação poderia servir para incitar Jim a explicar o motivo pelo qual ele não pôde avisá-la: "Sei que isso será duro para você, amor, mas não tive opção; meu chefe me ligou quando você estava no banho e me disse que há uma reunião de emergência". Nesse instante, sabendo que Jim não estava sendo desatencioso, a irritação de Helen desvanece. Contudo, sua irritação poderia não desvanecer se, como mencionei no Capítulo 3, ela estivesse ressentida a respeito de outros assuntos ou se ela relacionasse a essa situação a raiva baseada na experiência com seu irmão molestador. Outra característica notável a respeito do sistema de sinais emocionais é que ele está sempre "ligado". Pronto para difundir instantaneamente cada emoção sentida. Pense em como seria a vida se houvesse um interruptor, que poderia ficar desligado, a menos que optássemos por ligá-lo. Tornaria o cuidado infantil impossível, antes de qualquer coisa. Se o sinal emocional estivesse desligado, como saberíamos o que e quando fazer? Como pais de filhos mais velhos, precisaríamos ter de implorar para que eles religassem seus sinais emocionais? Nas amizades, nos namoros, mesmo no trabalho, tornar-se-ia uma questão central: "Você está com seus sinais ligados ou desligados?". Que pessoa com quem temos pouca intimidade estaria disposta a passar o tempo conosco sabendo que escolhemos privá-lo da informação de como estamos nos sentindo? Felizmente, não temos essa escolha, e, embora tenhamos a capacidade de refrear nossos sinais emocionais, raramente somos perfeitos em nossas tenta-

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

tivas de inibi-los. Claro que algumas pessoas são muito mais hábeis em refrear ou até mesmo eliminar sinais de emoções que sentem. Não é garantido se isso acontece porque essas pessoas vivenciam as emoções de modo menos intenso ou se elas possuem uma capacidade superior de refrear qualquer sinal da emoção que estão vivenciando. Para John Gottman e Robert Levenson, os homens que "jogam na defesa" e demonstram pouco o que sentem quando suas mulheres expressam raiva estão, na realidade, em um nível psicológico, vivenciando suas emoções intensamente3. Jogar na defesa, isto é, mostrar-se evasivo, pode ser considerado um sinal emocional de estar subjugado, ser incapaz ou, simplesmente, não ter vontade de lidar com a questão. Embora não tenha participado do trabalho, suponho que um exame cuidadoso descobriria que o medo ou a raiva seja sinalizado por meio de expressões faciais ou vocais sutis, antes da pessoa se mostrar evasiva ou durante a própria evasão. Os sinais emergem quase instantaneamente ao início da emoção. Quando estamos tristes, por exemplo, nossa voz fica automaticamente mais suave e baixa, e os cantos internos de nossas sobrancelhas são puxados para cima. Se a emoção começa lentamente, desenvolvendo-se em alguns segundos, o sinal pode ficar mais forte, ou pode haver uma série de sinais, em seqüência rápida. Os sinais demonstram claramente quando as emoções começam e, em grau menor, quando acabam. Enquanto uma emoção está ligada, ela matizará a voz, mas é menos certo que haverá mudança nas expressões faciais. É possível perceber quando uma pessoa não está mais sob o domínio de uma emoção, pois notamos a mudança na voz e não vemos mais a expressão no rosto, ou também porque escutamos e vemos a expressão de uma próxima emoção. É importante lembrar que os sinais emocionais não revelam sua fonte. Podemos saber que alguém está furioso sem saber exatamente por quê. Pode ser raiva de nós, raiva direcionada a si próprio ou a uma lembrança imediata que nada tem a ver conosco. Às vezes, podemos descobrir a partir de nosso conhecimento do contexto. Suponha que você tenha de dizer a seu filho: "João, você não pode ir ao cinema com seus amigos hoje à noite. Você tem de ficar em casa e cuidar do seu irmão mais novo, pois a babá não pode vir e seu pai e eu temos um jantar festivo". Se João parecer furioso, será provavelmente por sua causa, por interferir nos planos dele, por achar que seus compromissos noturnos têm prioridade em relação ao dele. Entretanto, João pode estar irritado consigo mesmo por se importar tanto com isso, por sentir tanta decepção. Improvável, mas possível.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

Nós temos de evitar o erro de OteloA. Na peça de Shakespeare, Otelo acusa sua mulher, Desdêmona, de estar apaixonada por Cássio. Otelo exige que ela confesse, já que vai matá-la por sua traição. Desdêmona pede a Otelo para chamar Cássio, para atestar sua inocência. Otelo revela que já matou Cássio. Desdêmona percebe que não será capaz de provar sua inocência, e que Otelo vai matá-la. Desdêmona: Ai! Ele foi atraiçoado e eu estou perdida! Otelo: Fora, prostituta! Chora por ele na minha cara? Desdêmona: Oh, desterre-me, meu senhor, mas não me mate! Otelo: Para baixo, prostituta! O erro de Otelo não foi a incapacidade de reconhecer os sentimentos de Desdêmona. Ele sabia que ela estava angustiada e amedrontada. Seu erro foi acreditar que as emoções possuem uma única fonte, foi interpretar a angústia dela como resultado da notícia da morte do seu suposto amante, e o medo como o de uma mulher infiel, pega em sua traição. Otelo mata Desdêmona sem considerar que sua angústia e medo podiam ter fontes diferentes. Que eram as reações de uma mulher inocente, que sabia que seu marido extremamente ciumento estava prestes a matá-la, e que não havia maneira de provar sua inocência. Para evitar o erro de Otelo, devemos resistir à tentação de saltar para as conclusões, lutando para considerar motivos alternativos, diferentes do motivo que suspeitamos de exposição de uma emoção. O medo possui diversas fontes. O medo de uma pessoa culpada ser capturada parece exatamente o medo de um inocente não ser levado em consideração*. Os sinais emocionais fornecem informações importantes a respeito do que uma pessoa está sentindo e o que ela pode fazer depois, mas quase sempre há mais de uma possibilidade. Uma pessoa cheia de medo pode lutar em vez de fugir ou se esconder. Comecemos com as expressões faciais, o mais breve dos sinais emocionais. No primeiro capítulo, descrevi minha pesquisa que estabeleceu que sete emoções possuem uma expressão facial distinta e universal: tristeza, raiva,

* Há um problema sério quando nos submetemos a um detector de mentiras. O responsável pelo detector tenta diminuir o medo de uma pessoa inocente de ser julgada injustamente garantindo a exatidão do aparelho, mas como não é muito exata e as pessoas sabem disso cada vez mais, tanto a pessoa inocente como a culpada podem manifestar o mesmo medo.

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

surpresa, medo, aversão, desprezo e felicidade. Não preciso definir essas palavras, exceto talvez desprezo, que, embora muito reconhecível, não é freqüentemente usada em inglês. Desprezo é um sentimento de superioridade com relação a outra pessoa, de ser superior, em geral moralmente, mas também em inteligência, força etc. O desprezo pode ser uma emoção muito agradável. Cada um desses termos emocionais — tristeza, raiva, surpresa, medo, aversão, desprezo e felicidade — corresponde a uma família de emoções afins. A raiva, por exemplo, pode variar em intensidade, abrangendo desde o aborrecimento até a fúria, e em tipo, como raiva emburrada, ressentida, indignada e seca, para mencionar apenas algumas. As variações de intensidade em cada família emocional são nitidamente assinaladas na face, mas ainda não foi feito um trabalho científico para determinar se tipos diferentes de cada família emocional também possuem expressões faciais únicas. Atualmente, na ciência, é comum agrupar a raiva, o medo, a aversão, a tristeza e o desprezo em uma categoria — emoção negativa — e contrapor isso à emoção positiva. Em geral, como a surpresa pode ser positiva ou negativa, é ignorada. Há dois problemas com uma dicotomia tão simples. Primeiro: ela ignora diferenças muito importantes entre as emoções negativas, por exemplo o que ativa cada uma dessas emoções, como elas são sentidas; o que somos impelidos a dizer e fazer, nossos sinais faciais e vocais, e como as pessoas tendem a reagir para nós. O outro problema é que mesmo as chamadas emoções negativas nem sempre são vivenciadas como desagradáveis. Para algumas pessoas, um argumento raivoso é agradável, e muita gente aprecia chorar ao ver um filme triste, para mencionar apenas dois exemplos. Por outro lado, a diversão, um sentimento aparentemente positivo, pode ser cruel, envolvendo o ridículo. Acredito que devemos analisar os detalhes de cada episódio antes de classificarmos como agradável ou desagradável para a pessoa que o sente. O termo felicidade é problemático, pois, como infelicidade, não é suficientemente específico. Como veremos no Capítulo 9, há diversas emoções felizes. Diversão e alívio, por exemplo, são experiências felizes muito diferentes, tanto entre si quanto de medo e raiva. As emoções felizes não têm expressões faciais tão diferentes; elas compartilham um tipo de semblante risonho. Os diversos tipos de felicidade podem ser revelados no timing dessa expressão facial, mas o sistema de sinal primário para emoções felizes é a voz, e não a face. A voz é outro sistema de sinal emocional, idêntico, em importância, à expressão facial, mas diferente de modo interessante5. A face é sempre observá-

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

vel, a menos que a pessoa deixe a cena ou que a cultura determine o uso de máscaras ou véus, o que é cada vez mais raro. A voz, porém, é um sistema intermitente, que pode ser desligado completamente, de acordo com a vontade. De fato, não podemos ocultar nossa face completamente, embora a vontade de fazer isso pode ser um motivo pelo qual as pessoas muitas vezes prefiram usar o telefone em vez de se comunicar direta e pessoalmente (claro que há outros benefícios no telefone: não estar vestido de modo adequado, ser capaz de fazer outras coisas enquanto escuta a outra pessoa etc.). O e-mail fornece o benefício adicional de nem mesmo ouvirmos e sermos ouvidos, ou seja: não há chances de nossa voz revelar uma emoção, o que não permite uma resposta ou protesto imediato. Algumas pessoas tentam conseguir isso telefonando quando acham que o receptor não está, deixando, assim, uma mensagem na secretária eletrônica. Mas sempre há a possibilidade de o receptor atender. Apesar de acreditar que Silvan Tomkins esteja correto em afirmar que há impulso de emitir um som sempre que uma emoção é despertada — um som diferente para cada emoção —, as pessoas podem facilmente refrear esses sons. No entanto, uma vez que alguém começa a falar, é muito difícil impedir que os sinais do que se sente não apareçam na voz. Pouquíssimos de nós conseguem simular de forma convincente o som de uma emoção que não estão sentindo. Isso requer a habilidade de um ator, e, muitas vezes, ele obtém o desempenho vocal convincente despertando a própria emoção ao lembrar um evento passado. Por outro lado, é mais fácil simular uma expressão facial falsa, e minha pesquisa revela que essas expressões enganam a maioria das pessoas que nunca tentou identificar expressões6. Raramente a voz transmite mensagens emocionais falsas, embora não transmita nenhuma mensagem se a pessoa não falar. A face, com mais freqüência que a voz, transmite mensagens emocionais falsas, embora nunca possa ser totalmente desligada. Mesmo quando escutamos e não falamos, um sinal sutil pode se manifestar. O último modo pelo qual os sinais vocais e faciais se diferem é que a voz atrai nossa atenção mesmo quando ignoramos a pessoa que envia o sinal, enquanto devemos prestar atenção na pessoa para captar as expressões faciais. Se não houvesse sinais emocionais vocais, se somente a face sinalizasse emoções sentidas, os cuidadores de recém-nascidos assumiriam sérios riscos sempre que ficassem fora do alcance da visão dos bebês. Sempre haveria um problema se tivéssemos de observar para saber o estado emocional de um recém-nascido. Do jeito que é, o choro de fome, dor, raiva, medo ou alegria

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

chama a atenção do cuidador fora do alcance da visão, possibilitando-o de fazer outras coisas, em outros lugares, já que a voz da criança pode alcançá-lo por meio de uma babá eletrônica. Devido ã importância da voz, é lamentável o fato de sabermos tão pouco, em comparação com a face, a respeito de como ela sinaliza as emoções. Klaus Scherer, meu colega e, às vezes, parceiro de pesquisa, é o principal cientista que estuda a voz e as emoções. Seu trabalho revelou que os sinais vocais das emoções são, como a face, universais7. Scherer também trabalhou para especificar exatamente o que muda no sinal vocal de cada emoção. Não há tanto a relatar quanto em relação à face, em parte porque não foram efetuados muitos trabalhos. Além disso, é difícil descrever o som de emoções diferentes de um modo que possa ser usado de maneira prática. Isso pode requerer ouvir a voz, da mesma forma que a melhor forma de explicar os sinais faciais na emoção é mediante fotografias, filmes ou vídeo. Para a maioria das pessoas, também é mais fácil imaginar um sinal facial a partir de sua explicação que compreender um sinal vocal dessa maneira. Nos capítulos seguintes, descreverei o que foi descoberto em relação aos sinais vocais da emoção, e mostrarei fotos para ilustrar as diversas expressões faciais de cada emoção. Além dos sinais emocionas faciais e vocais, há também os impulsos emocionais na ação física que podem ser identificados. Acredito que são tão universais quanto as expressões faciais e vocais, embora não exista muita pesquisa a respeito. Descreverei resumidamente aqui quais são, pois não são tão familiares para nós quanto as outras manifestações. Na raiva e também em algumas formas de satisfação, há um impulso para aproximar do gatilho emocional. No medo há um impulso para congelar, se isso evitar a detecção, ou para escapar da situação perigosa, se não for possível evitar a detecção. Há um impulso similar na aversão, mas acho que não é tão forte. A intenção parece ser não se afastar muito para se livrar do objeto ofensivo. Por exemplo, as pessoas poderão desviar o olhar se o objeto for visual, poderão sentir ânsia de vômito ou até vomitar se o objeto for gustativo ou olfativo. Na tristeza, mas não na angústia, há uma perda generalizada do tônus muscular, a postura se retrai, sem ação. No desdém, há o impulso de encarar com desprezo o objeto. Na surpresa e no assombro, há uma atenção fixa no objeto da emoção. No alívio, há um relaxamento da postura corporal; no prazer sensorial tátil, há um movimento em direção à fonte do estímulo, e, nos outros prazeres sensoriais, há uma orientação em direção à sua fonte, embora

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

nenhum movimento possa ser diferente do olhar de soslaio. Observar atletas fazendo um ponto difícil sugere um impulso para a ação, muitas vezes envolvendo as mãos, no momento em que alguém sente ter alcançado alguma coisa. O riso que freqüentemente ocorre durante uma diversão intensa produz movimentos corporais repetitivos, juntamente com espasmos de alegria. Nenhum desses impulsos para a ação 8 seria tecnicamente considerado um sinal, pois não foram elaborados ao longo de nossa evolução especificamente para o propósito de transmitir informações com clareza. Eu os descrevi aqui porque podem nos fornecer informações a respeito das emoções que estão acontecendo. Eles são involuntários, como os sinais faciais e vocais, mas provavelmente mais fáceis de inibir. Como os faciais e vocais, esses impulsos são universais e predefinidos, no sentido de que não precisamos aprendê-los. Todas as outras reações que fazemos quando emocionados são aprendidas, e não predefinidas, e tendem a ser específicas à cultura ou a um indivíduo. Essas ações aprendidas, que incluem atividade física e as palavras que falamos, são produto de nossa experiência (e avaliação) contínua e vitalícia do que funciona quando lidamos com o evento que ativou a emoção e com os eventos que se desdobram ao longo de um episódio emocional. É mais fácil e mais rápido para nós aprendermos ações correspondentes a nossas ações emocionais automáticas, predefinidas. Em relação ao medo, por exemplo, aprenderíamos com mais facilidade um padrão de ação que envolve uma retirada literal ou figurativa que um padrão envolvendo ataque. No entanto, qualquer padrão de ação pode ser estabelecido por qualquer emoção. Depois de aprendido, esses padrões funcionam automaticamente, como se fossem predefinidos. Podemos interferir deliberadamente, anulando ou suplantando nossos reflexos e impulsos ao agir de forma completamente diferente, ou deixar de agir. A interferência também pode ser automática, regida por um hábito aprendido em excesso, e não por deliberação. O homem que se mostra evasivo pode fazer isso sem refletir, sem escolher conscientemente. De qualquer forma, por opção deliberada ou hábito bem estabelecido, interferir nas expressões e ações emocionais pode ser complicado quando a emoção é muito intensa. Para a maioria das pessoas, será mais fácil evitar uma ação do que remover totalmente qualquer sinal de emoção do rosto ou da voz. Acredito que isso aconteça assim porque temos controle voluntário excelente sobre os músculos corporais (esqueléticos): sem essa capacidade, não poderíamos nos envolver em todas as ações complexas e hábeis necessárias para nossa sobrevivência. De fato, temos muito mais con-

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

trole sobre nossos músculos corporais e nossas palavras do que sobre nossos músculos faciais ou as configurações do nosso aparelho vocal. Algumas de nossas ações e expressões se manifestam involuntariamente, regidas pela avaliação automática e sem consideração consciente. Porém, isso não significa que sejam universais ou produtos de nossa evolução. Os hábitos são aprendidos e funcionam automaticamente, muitas vezes alheios à nossa consciência. Ao compreender a sucessão de mudanças que ocorrem durante um episódio emocional, devemos nos lembrar de que os segundos iniciais combinarão, em geral, tanto as expressões faciais e vocais predefinidas como as ações aprendidas e predefinidas. Além de tudo isso, ocorrem outras alterações invisíveis e inaudíveis. Até aqui, descrevi o que pode ser observado, escutado ou visto quando alguém se emociona. Há um conjunto de mudanças psicológicas internas que também produzem sinais, visíveis ou audíveis, do que está acontecendo. Robert Levenson e eu estudamos algumas das mudanças do sistema nervoso autônomo (SNA) que ocorrem durante a emoção, como a transpiração, que, às vezes, podemos ver ou sentir o cheiro; a respiração, que pode ser ouvida; e a atividade cardíaca e a temperatura da pele, que são invisíveis. Nossa descoberta de diversos padrões de atividade do SNA para cada uma das emoções pesquisadas também confirma o que descrevi antes como ações predefinidas. Na raiva e no medo, por exemplo, o batimento cardíaco aumenta, preparando a pessoa para o movimento. Na raiva, o fluxo sangüíneo corre para as mãos, aquecendo-as e preparando-as para dar o golpe ou para lutar de alguma forma contra o objeto de raiva. No medo, o fluxo sangüíneo é conduzido para as pernas, deixando as mãos mais frias e preparando os músculos da perna para a fuga9. A transpiração aumenta com o medo e a raiva de acordo com a intensidade. A respiração, por sua vez, torna-se mais intensa com o medo, a raiva e a angústia, e se diferencia do suspiro de quando ficamos aliviados. A ruborização é outro sinal visível, mas guardarei essa discussão até a conclusão do livro. Nesse momento, passemos dos comportamentos externos — os sinais, as ações e os sinais de mudanças no SNA — para as mudanças internas, que não podemos ver ou ouvir. Infelizmente, não há muita pesquisa sobre o modo como o pensamento muda de um momento para outro durante um episódio emocional, mas estou quase certo de que é uma mudança profunda de interpretação do mundo ao nosso redor. Há uma pesquisa que revela que as memórias referentes à emoção que sentimos são recuperadas, até mesmo as que não

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

são facilmente acessíveis quando não estamos sentindo determinada emoção10. Relacionamos o que está acontecendo à emoção que sentimos, justificando e mantendo a emoção. As expectativas são formadas e os julgamentos, feitos. Em geral, tudo isso mantém, em vez de atenuar, a emoção sentida. Outro conjunto de mudanças internas no começo das emoções é a tentativa de regular o comportamento. Tradicionalmente, achamos que a regulação emocional ocorre após uma emoção ter começado, e não logo no início. Sem dúvida, as tentativas deliberadas de controlar a emoção ocorrem no início da emoção e estão registradas na consciência, mas Richard Davidson, meu colega e colaborador de pesquisa, propõe que a regulação também ocorra simultaneamente a todas as outras mudanças emocionais: o sinal, as mudanças de pensamento e os impulsos para a ação11. Embora isso não esteja confirmado e estabelecido, acredito que Davidson tenha razão, ou seja: há um estágio inicial e involuntário de regulação, acionado no momento em que todas as outras mudanças acontecem, misturando-se a elas. Contudo, Davidson ainda não deixou muito claro o que são os processos, nem como são estabelecidos12. Na próxima década, teremos muito mais informações a respeito. O padrão regulador inicial é, acredito, baseado na aprendizagem, provavelmente a aprendizagem social remota, e é potencialmente modificável. Pode incluir o quão rápido uma pessoa percebe estar vivenciando uma emoção. Uma vez consciente, quanto tempo leva para uma pessoa identificar ou classificar um estado emocional; e se imediatamente uma ação é freada, ou, ao contrário, uma indulgência com relação às ações impulsivas? Reconhecidamente, sabemos pouco a respeito desse padrão inicial, mas é provável que as emoções não entrem em ação totalmente desreguladas depois que a aprendizagem começa, e ela começa cedo, na infância. Esses padrões reguladores tendem a ser tão bem aprendidos que funcionam involuntariamente e são resistentes a mudanças. Não sabemos o quanto são capazes de resistir, mas, se são alteráveis, haveria, sim, oportunidade de modificar a vida emocional. Considere por um momento uma pessoa extremamente "não emocional", tão reprimida em suas reações que está insatisfeita com a vida e gostaria de se tornar mais responsiva emocionalmente. O temperamento, uma disposição de base genética, é uma explicação para sua pálida vida emocional. No entanto, se a regulação emocional é aprendida muito cedo, talvez essa pessoa tenha experiências que a levam a controlar excessivamente suas emoções. Talvez tenha sido castigada, menosprezada ou ignorada por algum sinal de emo-

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

ção. Se esse comportamento é fruto da regulação aprendida, é possível que ela seja capaz de alterar suas reações. No entanto, se isso se baseia em seu temperamento natural, não há muita chance para mudar. De acordo com diversas pesquisas e com princípios da psicanálise, esses padrões reguladores iniciais indicam a importância das interações dos bebês e crianças com os outros na estruturação da natureza da vida emocional subsequente13. Quando estamos sob o domínio de uma emoção, uma sucessão de mudanças ocorre em uma fração de segundo — sem que escolhamos ou tenhamos consciência imediata —, nos sinais emocionais faciais e vocais; nas ações predefinidas; nas ações aprendidas; na atividade do sistema nervoso autônomo que regula nosso corpo; nos padrões reguladores que modificam continuamente nosso comportamento; na recuperação das memórias e expectativas relevantes e na interpretação do que está acontecendo dentro de nós e no mundo*. Essas mudanças são involuntárias: nós não as escolhemos. O psicólogo Robert Zajonc denomina-as inevitáveis14. Ao tomar consciência delas, e, em geral, isso ocorre antes do fim do episódio emocional, temos a chance de interferir. Antes de explicar o que essa consciência envolve e as medidas para aumentá-la, precisamos considerar outro aspecto do processo emocional: o que está movimentando o espetáculo e gerando essa sucessão de atividades inevitáveis. Tantas respostas — diferentes para cada emoção e, de certa forma, iguais para todos os seres humanos —, que começam tão rápido, revelam-nos muito a respeito dos mecanismos cerebrais centrais que organizam e direcionam as respostas emocionais. Esses mecanismos são acionados pela avaliação automática discutida no Capítulo 2. Neles deve haver conjuntos de instruções armazenados orientando o que fazemos. Instruções que refletem o que foi adaptativo em nosso passado evolucionista. Entender minha teoria a respeito dos mecanismos centrais e seu funcionamento é fundamental para compreender o que as pessoas serão capazes de fazer na regulação de seu comportamento emocional depois de conscientes a respeito da experiência momentânea. Tomkins propôs a expressão programa de afeto para se referir a um mecanismo herdado, que direciona o comportamento emocional. A palavra programa vem de duas fontes gregas: pro, que significa "antes", e graphein,

* Também ocorrem mudanças em nossa neuroquímica. Embora essas mudanças tenham diver sas propriedades que estou discutindo, não as estou abordando aqui.

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

"escrever". Assim, programa se refere aos mecanismos que armazenam as informações escritas antes, ou, nesse caso, herdadas. Deveriam existir muitos programas, um para cada emoção. Os programas de afeto são, como os bancos de dados emocionais, uma metáfora, já que nem cogito a existência de algo como um programa de computador instalado no cérebro, nem quero insinuar que apenas uma área cerebral dirige a emoção. Já sabemos que muitas áreas cerebrais podem despertar o comportamento emocional, mas até aprendermos mais a respeito do cérebro e da emoção, uma metáfora pode nos servir para compreender nossas emoções15. Como esses programas de afeto controlam nosso comportamento emocional, saber como eles funcionam pode nos orientar no controle de nosso comportamento. Ernst Mayr, zoólogo, distinguiu entre programas genéticos abertos e fechados. Em um programa fechado, nada pode ser inserido pela experiência, enquanto um programa aberto "permite a entrada adicional durante a vida de seu proprietário"16. Mayr mostrou que, as pessoas que apresentam longo período de cuidado parental, e, portanto, maior tempo de aprendizagem, possuem a vantagem seletiva de ter um programa aberto em vez de fechado. É compatível com o pensamento de Mayr sugerir que todos os animais que manifestam emoções terão programas abertos de afeto. Isso é parte fundamental da natureza da emoção. Compare, por exemplo, o homem, digno de nota pelos muitos anos de dependência, com o maleo, pássaro do norte de Sulawesi, ilha da Indonésia. A mãe do maleo enterra fundo o ovo na areia vulcânica quente e, depois, vai embora. Quando o filhote abandona a casca e luta para escapar da areia, é por si. Ele deve saber imediatamente o que precisa para sobreviver, pois não há período de dependência durante o qual é educado por um genitor. Nós, seres humanos, estamos no extremo oposto: se formos abandonados no nascimento, morremos. Nossos programas de afeto são abertos, de forma que podemos aprender o que funciona no ambiente específico em que vivemos e armazenar essa informação para que ela oriente automaticamente nosso comportamento. A evidência a respeito da proposição universal nos sinais emocionais e em algumas das mudanças na atividade do sistema nervoso autônomo sugere que, embora os programas de afeto estejam abertos a novas informações advindas da experiência, os programas não são, de início, como conchas vazias, desprovidas de informação. Os circuitos já estão ali, desdobrando-se para o desenvolvimento, influenciados, mas não totalmente construídos, pela experiência.

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

Provavelmente existem diversos circuitos para as muitas respostas que caracterizam cada emoção. A evolução define previamente algumas das instruções ou sistemas de um circuito em nossos programas de afeto abertos, gerando os sinais emocionais, a emoção que impulsiona para a ação e as mudanças iniciais na atividade do sistema nervoso autônomo. Estabelecem, também, um período refratário, e assim interpretamos o mundo de acordo com a emoção que estamos sentindo17. Além disso, a evidência a respeito da proposição universal dos sinais emocionais e da fisiologia autônoma sugere que, em geral, as instruções para a produção dessas mudanças se desenvolverão de modo semelhante para todas as pessoas, a menos que sejam modificadas por experiências incomuns. Embora não haja evidências que expliquem como essas experiências modificariam as expressões faciais, a pesquisa a respeito do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) indica que os limiares para o despertar da atividade autônoma podem ser drasticamente alterados. Por exemplo, diante da necessidade de falar diante de um grupo, tarefa que deixa algumas pessoas facilmente indispostas, as mulheres que sofreram abusos na infância produziram mais hormônios associados ao estresse que um grupo de comparação de mulheres mais afortunadas18. Os programas de afeto contêm mais que apenas o que foi antecipadamente escrito por nosso passado, pois isso foi útil para nossos antepassados. Eles também continham o que consideramos útil em nossas vidas, em lidar com nossas transações mais importantes: as transações emocionais. O padrão regulador inicial associado a cada emoção varia de um indivíduo para outro, dependendo do que as pessoas aprendem na infância. Isso também entra nos programas de afeto: depois de incorporado, esse padrão funciona automaticamente, como se fosse predefinido pela evolução, sendo resistente à mudança. Os padrões comportamentais também entram nos programas de afeto. Aprendemos esses padrões durante a vida para lidar com diversos gatilhos emocionais, que podem ser coerentes ou muito diferentes com os predefinidos. Como discutido anteriormente, esses padrões também funcionam automaticamente depois de aprendidos. Não creio que possamos reescrever as instruções predefinidas em nossos programas de afeto, mas isso ainda precisa ser comprovado. Podemos tentar interferir nessas instruções, mas é uma luta imensa, exatamente porque não conseguimos excluí-las ou reescrevê-las (uma exceção é que as lesões cerebrais

A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

podem danificar as instruções). Se fôssemos capazes de reescrever as instruções, encontraríamos pessoas cujas emoções seriam totalmente diferentes das nossas, com sinais diferentes, impulsos diferentes de ação, mudanças diferentes nos batimentos cardíacos, nas respirações etc. Precisaríamos de tradutores não só para palavras, mas também para emoções. Isso não significa que as instruções predefinidas produzem mudanças idênticas em todas as pessoas. Elas funcionam em sistemas corporais diferentes, independentemente das diferenças entre indivíduos e culturas, no que aprendem a respeito de controlar seu comportamento emocional. Mesmo com as mesmas instruções predefinidas, haverá tanto diferenças individuais como pontos em comum na experiência emocional. Depois de colocadas em movimento por meio da avaliação automática, as instruções nos programas de afeto funcionam até o fim de sua execução; isto é, elas não são interrompidas. O tempo pelo qual as mudanças resultantes das instruções não podem ser interrompidas varia com o sistema específico de respostas. Com relação aos impulsos para a ação e às expressões faciais, suspeito que esse tempo seja inferior a um segundo. Afirmo isso com base na observação de quão rápido as pessoas podem apagar uma expressão facial, reduzindo a duração de seu aparecimento ou mascarando-a com outra expressão. Ao escutar o que as pessoas dizem quando tentam ocultar seus sentimentos, notei que o controle da voz leva mais tempo, mais ainda assim tende a ser apenas uma questão de segundos ou, no máximo, de poucos minutos, a menos que a emoção seja muito forte ou que algo novo aconteça para reforçá-la. As mudanças em nossa respiração, transpiração e atividade cardíaca também apresentam uma cronologia mais longa, algumas variando entre dez e quinze segundos. O leitor deve observar que a idéia de que as instruções não podem ser interrompidas não é confirmada pela ciência. No entanto, correspondem às minhas observações a respeito de como as pessoas se comportam quando estão emocionadas. Vamos lembrar o exemplo de Helen, que ficou furiosa quando seu marido, Jim, disse-lhe que ela, e não ele, teria de pegar a filha na escola. A expressão de irritação que brotou na face de Helen; a contundência de sua voz quando ela perguntou a Jim por que ele não a avisou antes; o leve impulso de seu corpo para frente; o aumento da temperatura da pele, da pressão arterial e do batimento cardíaco — todas essas mudanças predefinidas geradas pelo programa de afeto. A maioria delas pode desaparecer logo a seguir, quando ela

COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

fica sabendo o motivo pelo qual ele não pôde avisá-la com antecedência (as mudanças da temperatura da pele, do batimento cardíaco e da pressão arterial levarão um pouco mais de tempo para voltar aos valores anteriores ao episódio). O episódio pode também continuar; Helen será capaz de manter sua raiva se o período refratário persistir. Talvez haja um acúmulo de ressentimento, ou ela importe o roteiro associado a seu irmão molestador, ou, talvez,

In the history of English literature, Charles Dickens's A Christmas Carol, which has been continuously in print since it was first published in the winter of 1843, stands out as the quintessential Christmas story. What makes this charming edition of Dickens's immortal tale so special is the collection of 80 vivid illustrations by Everett Shinn (1876-1953). Shinn, a well-known artist in his time, was a popular illustrator of newspapers and magazines whose work displayed a remarkable affinity for the stories of Charles Dickens, evoking the bustling street life of the mid-1800s. Printed on heavy, cream-colored paper stock, the edges of the pages have been left rough, simulating the way in which the story might have appeared in Dickens's own time. Though countless editions of this classic have been published over the years, this one stands out as particularly beautiful, nostalgic, and evocative of the spirit of Christmas. --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Capa Interna

Ever since the first publication of A Christmas Carol in 1843, the tale of stingy Ebenezer Scrooge, humble Bob Crachit, and beloved Tiny Tim has taken a special place in the heart of our Christmas tradition.  The most famous celebration of Christmas--and family love--in the English language shows us the nature of true charity, the power of tenderness and the wisdom of innocence in a cold-hearted world.

Now, Sir John Gielgud's dramatic reading of an abridgment of this holiday classic brings Dickens's memorable characters to life in your home.  The story of Scrooge's transformation is a fable of hope and the true meaning of sharing that will be enjoyed over and over again.  A timeless delight for young and old alike, this recording of A Christmas Carol will become part of your family's holiday traditions. --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Contracapa

In October 1843, Charles Dickens heavily in debt and obligated to his publisher began work on a book to help supplement his family's meager income. That volume, "A Christmas Carol, "has long since become one of the most beloved stories in the English language. As much a part of the holiday season as holly, mistletoe, and evergreen wreaths, this perennial favorite continues to delight new readers and rekindle thoughts of charity and goodwill.
With its characters exhibiting many qualities as well as failures often ascribed to Dickens himself, the imaginative and entertaining tale relates Ebenezer Scrooge's eerie encounters with a series of spectral visitors. Journeying with them through Christmases past, present, and future, he is ultimately transformed from an arrogant, obstinate, and insensitive miser to a generous, warmhearted, and caring human being. Written by one of England's greatest and most popular novelists, "A Christmas Carol" has come to epitomize the true meaning of Christmas.
Unabridged and unaltered Dover (1991) republication of the text of the first edition (1843, Chapman and Hall, London).
" --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Sobre o Autor

Robert Ingpen was born in 1936 in Geelong, Australia, and still lives and works nearby in Barwon Heads. He studied illustration art and book design at The Royal Melbourne Institute of Technology. In 1986 he was awarded the Hans Christian Andersen Medal for his contribution to children’s literature and he has been honoured with Membership of the Order of Australia. A world-renowned artist and author, Ingpen has designed, illustrated and written more than one hundred books, including his highly acclaimed series of illustrated Children’s Classics, which have now been published in many editions around the world.  

--Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Trecho. © Reimpressão autorizada. Todos os direitos reservados

MARLEY was dead: to begin with. There is no doubt whatever about that. The register of his burial was signed by the clergyman, the clerk, the undertaker, and the chief mourner. Scrooge signed it: and Scrooge's name was good upon 'Change, for anything he chose to put his hand to. Old Marley was as dead as a door-nail.
Mind! I don't mean to say that I know, of my own knowledge, what there is particularly dead about a door-nail. I might have been inclined, myself, to regard a coffin-nail as the deadest piece of ironmongery in the trade. But the wisdom of our ancestors is in the simile; and my unhallowed hands shall not disturb it, or the Country's done for. You will therefore permit me to repeat, emphatically, that Marley was as dead as a door-nail.

Scrooge knew he was dead? Of course he did. How could it be otherwise? Scrooge and he were partners for I don't know how many years. Scrooge was his sole executor, his sole administrator, his sole assign, his sole residuary legatee, his sole friend and sole mourner. And even Scrooge was not so dreadfully cut up by the sad event, but that he was an excellent man of business on the very day of the funeral, and solemnised it with an undoubted bargain.

The mention of Marley's funeral brings me back to the point I started from. There is no doubt that Marley was dead. This must be distinctly understood, or nothing wonderful can come of the story I am going to relate. If we were not perfectly convinced that Hamlet's Father died before the play began, there would be nothing more remarkable in his taking a stroll at night, in an easterly wind, upon his own ramparts, than there would be in any other middle-aged gentleman rashly turning out after dark in a breezy spot--say Saint Paul's Churchyard for instance--literally to astonish his son's weak mind.

Scrooge never painted out Old Marley's name. There it stood, years afterwards, above the warehouse door: Scrooge and Marley. The firm was known as Scrooge and Marley. Sometimes people new to the business called Scrooge Scrooge, and sometimes Marley, but he answered to both names: it was all the same to him.

Oh! but he was a tight-fisted hand at the grindstone, Scrooge! a squeezing, wrenching, grasping, scraping, clutching, covetous old sinner! Hard and sharp as flint, from which no steel had ever struck out generous fire; secret, and self-contained, and solitary as an oyster. The cold within him froze his old features, nipped his pointed nose, shrivelled his cheek, stiffened his gait; made his eyes red, his thin lips blue; and spoke out shrewdly in his grating voice. A frosty rime was on his head, and on his eyebrows, and his wiry chin. He carried his own low temperature always about with him; he iced his office in the dog-days; and didn't thaw it one degree at Christmas.

External heat and cold had little influence on Scrooge. No warmth could warm, nor wintry weather chill him. No wind that blew was bitterer than he, no falling snow was more intent upon its purpose, no pelting rain less open to entreaty. Foul weather didn't know where to have him. The heaviest rain, and snow, and hail, and sleet, could boast of the advantage over him in only one respect. They often 'came down' handsomely, and Scrooge never did.

Nobody ever stopped him in the street to say, with gladsome looks, 'My dear Scrooge, how are you? when will you come to see me?' No beggars implored him to bestow a trifle, no children asked him what it was 'oclock, no man or woman ever once in all his life inquired the way to such and such a place, of Scrooge. Even the blindmen's dogs appeared to know him; and when they saw him coming on, would tug their owners into doorways and up courts; and then would wag their tails as though they said, 'no eye at all is better than an evil eye, dark master!'

But what did Scrooge care? It was the very thing he liked. To edge his way along the crowded paths of life, warning all human sympathy to keep its distance, was what the knowing ones call 'nuts' to Scrooge.
Once upon a time--of all the good days in the year, on Christmas Eve--old Scrooge sat busy in his counting-house. It was cold, bleak, biting weather: foggy withal: and he could hear the people in the court outside, go wheezing up and down, beating their hands upon their breasts, and stamping their feet upon the pavement-stones to warm them. The city clocks had only just gone three, but it was quite dark already: it had not been light all day: and candles were flaring in the windows of the neighbouring offices, like ruddy smears upon the palpable brown air. The fog came pouring in at every chink and keyhole, and was so dense without, that although the court was of the narrowest, the houses opposite were mere phantoms. To see the dingy cloud come drooping down, obscuring everything, one might have thought that Nature lived hard by, and was brewing on a large scale.

The door of Scrooge's counting-house was open that he might keep his eye upon his clerk, who in a dismal little cell beyond, a sort of tank, was copying letters. Scrooge had a very small fire, but the clerk's fire was so very much smaller that it looked like one coal. But he couldn't replenish it, for Scrooge kept the coal-box in his own room; and so surely as the clerk came in with the shovel, the master predicted that it would be necessary for them to part. Wherefore the clerk put on his white comforter, and tried to warm himself at the candle; in which effort, not being a man of a strong imagination, he failed.


From the Paperback edition. --Este texto se refere à uma edição alternativa kindle_edition

Leia mais

Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]

That: Jogos de Comovente de Graça para Baixar

IOBIT ADVANCED SYSTEMCARE PRO 14
FIFA 20 patch Archives
Jogos de Comovente de Graça para Baixar
STATE OF DECAY 2 CRACK WITH PRODUCT CODE [MULTIPLAYER] GAME DOWNLOAD
Jogos de Comovente de Graça para Baixar

Rebeca a Rebelde

Com mais de 5 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Como eu era antes de você conta a história do relacionamento entre Will Traynor e Louisa Clark, cujo fim trágico deixou de coração apertado os milhares de fãs da autora Jojo Moyes.

Em Depois de você, Lou ainda não superou a perda de Will. Morando em um flat em Londres, ela trabalha como garçonete em um pub no aeroporto. Certo dia, após beber muito, Lou cai do terraço. O terrível acidente a obriga voltar para a casa de sua família, mas também a permite conhecer Sam Fielding, um paramédico cujo trabalho é lidar com a vida e a morte, a única pessoa que parece capaz de compreendê-la.

Ao se recuperar, Lou sabe que precisa dar uma guinada na própria história e acaba entrando para Jogos de Comovente de Graça para Baixar grupo de terapia de luto. Os membros compartilham sabedoria, risadas, frustrações e biscoitos horrorosos, além de a incentivarem a investir em Sam. Tudo parece começar a se encaixar, quando alguém do passado de Will surge e atrapalha os planos de Lou, levando-a a um futuro totalmente diferente. 

Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]
Author: Marcelo Araujo
Subnautica [PT-BR] Capa

Essa versão é independente (única) e contém o jogo completo e todas as DLCs e atualizações anteriores.

VEJA AQUI COMO TRADUZIR O SEU JOGO
Subnautica is an underwater adventure game set on an alien ocean planet. A massive, open world full of wonder and peril awaits you!Dive Into a Vast Underwater WorldYou have crash-landed on an alien ocean world, and the only way to go is down. Subnautica’s oceans range from sun drenched shallow coral reefs to treacherous deep-sea trenches, lava fields, and bio-luminescent underwater rivers. Manage your oxygen supply as you explore kelp forests, plateaus, reefs, and winding cave systems. The water teems with life: Some of it helpful, much of it harmful.Scavenge, Craft, and SurviveAfter crash landing in your Life Pod, the clock is ticking to find water, food, and to develop the equipment you need to explore. Collect resources from the ocean around you. Craft diving gear, lights, habitat modules, and submersibles. Venture deeper and further form to find rarer resources, allowing you to craft more advanced items.Construct Underwater HabitatsBuild bases on the sea floor. Choose layouts and components, and manage hull-integrity as depth and pressure increase. Use your base to store resources, park vehicles, and replenish oxygen supplies as you explore the vast ocean.Unravel the MysteryWhat happened to this planet? Signs abound that something is not right. What caused you to crash? What is infecting the sea life? Who built the mysterious structures scattered around the ocean? Can you find a way to make it off the planet alive?Disrupt the Food ChainThe ocean teems with life: Use the ecosystem to help you. Lure and distract a threatening creature with a fresh fish, or simply swim as fast as you can to avoid gnashing jaws of roaming predators.Handle the PressureBuild a Pressure Re-Active Waterproof Nanosuit, or PRAWN Suit, and explore extreme depth and heat. Modify the suit with mining drills, torpedo launchers, propulsion cannons, grappling hooks and more.Fear the NightAs the sun goes down, the predators come out. The ocean is unforgiving of those caught unprepared in the darkness. Areas that are safe to explore during the day become treacherous at night, but also reveal a beauty that those who hide from the darkness will never see.Dive Below the Ocean FloorCave systems wind below the sea bed, from dark claustrophobic passages to caverns lit by bio-luminescent life and burning-hot lava flows. Explore the world below the ocean floor, but watch your oxygen levels, and take care to avoid the threats lurking in the darkness.Open DevelopmentGet weekly or daily updates, see what the development team is working on, view real time change logs, and give feedback from inside the game. Subnautica Early Access development is open, and the development team wants to hear from you.About the Development Jogos de Comovente de Graça para Baixar is being created by Unknown Worlds, a small studio founded by Charlie Cleveland and Max McGuire that traces its roots back to the 2003 Half-Life mod Natural Selection. The team is scattered around the globe, from the United States to the United Kingdom, France, the Czech Republic, Russia, Thailand, Australia, and many more places. There is a central office in San Francisco, California that serves as home base for the whole team.WarningThis game contains flashing lights that may make it unsuitable for people with photosensitive epilepsy or other photosensitive conditions. Player discretion is advised.


Área de Download


Mínimos:
Requer um processador e sistema operacional de 64 bits
SO: Windows Vista SP2 or newer, 64-bit
Processador: Intel Haswell 2 cores / 4 threads @ 2.5Ghz or equivalent
Memória: 4 GB de RAM
Placa de vídeo: Intel HD 4600 or equivalent - This includes most GPUs scoring greater than 950 points in the 3DMark Fire Strike benchmark
DirectX: Versão 11
Armazenamento: 20 GB de espaço disponível
Outras observações: Subnautica is an Early Access game, and minimum specifications may change during development


Recomendados:
Requer um processador e sistema operacional de 64 bits
SO: Windows Vista SP2 or newer, 64-bit
Processador: Intel Haswell 4 cores / 4 threads @ 3.2Ghz or equivalent
Memória: 8 GB de RAM
Placa de vídeo: Nvidia GTX 550 Ti or equivalent, 2GB VRAM
DirectX: Versão 11
Armazenamento: 20 GB de espaço disponível
Outras observações: Subnautica is an Early Access game, and recommended specifications may change during development.

IMPORTANTE: ANTES DE INSTALAR O JOGO É NECESSÁRIO INSTALAR OS PROGRAMAS ESSENCIAIS PARA SEUS JOGOS RODAREM.

[1] - Baixe o Jogo por Torrent (Como Baixar Torrents) ou MultiLinks.

[3] - Vá até o seu arquivo .ISO (Como Jogos de Comovente de Graça para Baixar arquivos .ISO) e Emule-o.

[4] - Após emular o arquivo .ISO irá aparecer um novo DVD para você em "Meu Computador".

[5] - Abra-o e execute o arquivo Setup.exe e instale seu jogo.

[6] - Após terminar de instalar o jogo, vá até o DVD emulado ou em seu arquivo .ISO, procure por uma pasta com o nome da Release que lançou o jogo (Codex, Skidrow, CPY, Plaza).

[7] - Abra a pasta e copie todos os arquivo dessa pasta, e cole na pasta em que o seu jogo foi instalado.

[8] - Desative o Antivírus e o Windows Defender pois eles podem bloquear o jogo !

[9] - Após instalado, clique com o botão direito no ícone do jogo e "EXECUTAR COMO ADMINISTRADOR" (importante sempre abrir o jogo dessa forma).

[10] - Aproveite o jogo! Obrigado por visitar nosso site, lembre-se de que se gostar do jogo compre-o! e compartilhe nossa postagem no facebook para mais pessoas baixarem o jogo.

Ainda não sabe como instalar? Vá em ".NFO" na aba "DESCRIÇÃO" e aprenda como instalar escrito pelo próprios criadores do conteúdo :)

Relacionados

  • Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]

    A_Casa_Varrida_pelos_Ventos.pdf

    April 12, 2019 im realmente seja desatencioso e essa seja mais uma ocorrência ligada a esse comportamento. Se Helen desprezar a justificativa de Jim, interpretando-a como outro exemplo de que as necessidades dele têm prioridade, a raiva de Helen aumentará novamente. Minha idéia é que as mudanças predefinidas iniciais, geradas pelo programa de afeto quando uma emoção é despertada por avaliação automática, são breves e não persistem. Às vezes, elas se ajustam e são necessárias para lidar com a situação — realmente, Jim é desatencioso Little Snitch 4.5.2 Crack FREE Download abusará da mulher, a menos que Helen impeça isso. Outras vezes, são inadequadas — Jim não conseguiu avisar Helen antes; isso não é um padrão de comportamento; ela só não dormiu bem na noite anterior e acordou com um estado nervoso de ânimo. Afirmar que não podemos interromper nossas reações não significa que não podemos controlá-las, mas não temos a opção de desligá-las completamente, num piscar de olhos. Mesmo se reavaliarmos o que está acontecendo, as respostas emocionais ativas podem não terminar instantaneamente. Em vez disso, as novas respostas podem ser inseridas ou misturadas nas emoções já geradas. Suponha que a raiva de Helen por Jim se baseia no roteiro associado a seu irmão molestador. Depois que Helen percebe que o marido realmente não tinha opção, que ele não a estava dominando, ela sabe que continuar furiosa com isso é inadequado; mas, se o roteiro estiver funcionando, ativo, sua raiva persistirá. Windows 10 home clave keygen,serial,crack,generator, ainda, ela pode lembrar que acordou nervosa, e é seu estado de ânimo que mantém sua raiva inadequada. Helen pode começar a se sentir culpada por continuar sentindo ressentimento. A partir do estudo científico, sabemos que duas emoções podem ocorrer em seqüência rápida, repetidas vezes. Duas emoções também podem se fundir em uma mistura. No entanto, em minha pesquisa, vi isso acontecer com menor freqüência que as seqüências rápidas repetidas. As reavaliações não são a única maneira pela qual podemos, por um tempo, saltar para trás e para frente entre diferentes respostas emocionais, Jogos de Comovente de Graça para Baixar. Tomkins mostra que, freqüentemente, temos afeto sobre afeto, ou seja, Jogos de Comovente de Graça para Baixar, reações

    A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

    emocionais à emoção que sentimos inicialmente. Podemos ficar furiosos pelo fato de termos medo, ou ficar com medo pelo fato de estarmos tão furiosos. Podemos ter medo do que podemos fazer quando nos sentimos tristes. Essa ligação de uma segunda com uma primeira emoção pode acontecer com qualquer par de emoções. Silvan Tomkins também sugeriu que uma maneira de entender a singularidade da personalidade era identificar se a pessoa tem um afeto específico em relação a outro. Ele também propôs que, às vezes, Jogos de Comovente de Graça para Baixar temos consciência da reação emocional inicial; entendemos apenas a emoção secundária, referente à primeira emoção. Inicialmente, podemos não perceber que ficamos amedrontados, sabendo somente da raiva que foi despertada em resposta ao medo. Infelizmente, ninguém fez uma pesquisa para determinar o mérito dessas idéias. É importante lembrar que as emoções raramente ocorrem isoladamente ou de forma pura. Aquilo a que estamos reagindo muitas vezes muda rapidamente no ambiente; o que nos lembramos e imaginamos a respeito da situação pode mudar; nossas avaliações mudam e podemos ter um afeto sobre afeto. Em geral, as pessoas vivenciam um fluxo de respostas emocionais, e nem todas iguais. Às vezes, as emoções podem estar separadas por alguns segundos, de modo que algumas das respostas iniciais chegam ao fim antes do começo das novas. Outras vezes, as emoções ocorrem num tempo coincidente, misturando-se. Além disso, há outra questão muito importante a considerar, Jogos de Comovente de Graça para Baixar. Como afirmei, os programas de afeto são abertos. Os novos comportamentos emocionais são adquiridos continuamente durante a vida, adicionados aos predefinidos. Essa característica permite nossa adaptação a quaisquer circunstâncias em que vivemos. Isso porque nossas respostas emocionais estão ligadas não só ao passado evolucionista, mas também a nosso passado pessoal e a nosso presente. Os automóveis não fazem parte de nosso passado evolucionista, mas as ações complexas que aprendemos quando jovens e adultos foram incorporadas à resposta associada ao medo. Virar o volante e frear aparecem, involuntariamente e sem reflexão, quando surge uma ameaça no trânsito. Uma vez aprendidas e introjetadas nos programas de afeto, essas respostas recém-adquiridas tornam-se involuntárias, tão involuntárias quanto Jogos de Comovente de Graça para Baixar respostas desaprendidas. Um dado incrível a respeito dos programas de afeto é que os comportamentos, tanto aprendidos quanto inatos, podem ficar intimamente ligados e ser ativados de modo muito rápido e involuntário. Por

    COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

    outro lado, o sistema aberto também carrega um aspecto negativo. Os comportamentos adquiridos ou adicionados são difíceis de serem inibidos quando introjetados nos programas de afeto. Eles acontecem mesmo quando não funcionam necessariamente, e mesmo sem nossa vontade. Lembre-se do exemplo do capítulo anterior, em que o pé do passageiro pressiona um pedal de freio inexistente quando vê um carro em alta velocidade na direção do carro em que ele está. O passageiro não consegue deter o pé, que se projeta antes que ele saiba o que está fazendo, da mesma forma que ele não é capaz de interromper a expressão de medo em seu rosto. São respostas emocionais permanentes, tão imutáveis quanto aquelas predefinidas e não aprendidas? Creio que não. Acredito que podemos não só controlar, mas também desaprender nossas respostas emocionais adquiridas. Isso será mais fácil de conseguir com algumas respostas específicas. As respostas que envolvem movimento corporal são desaprendidas mais facilmente que as que envolvem voz e movimentos faciais. Como expliquei anteriormente, temos grande controle sobre os músculos que controlam o corpo (músculos esqueléticos). Os instrutores de autoescola aprendem a não pressionar o pé no assoalho do carro quando estão no assento do passageiro. Uma ação involuntária que se tornou automática: parte das instruções adicionais ao programa de afeto associado ao medo pode, ao longo do tempo, ser modificada com prática e esforço. Alguns dos fatores descritos no último capítulo, que determinam a facilidade em enfraquecer um gatilho quente, também se aplicam a quão prontamente podemos desaprender um padrão de comportamento emocional. Os padrões comportamentais adquiridos na infância, aprendidos durante um episódio emocional ou uma série de episódios muito intensos, serão mais difíceis de modificar ou desaprender. De vez em quando, as crianças podem ficar violentas, e quase sempre têm esse impulso repreendido. No Capítulo 6, quando discuto a raiva, considero se precisamos aprender a ser violentos ou se o impulso de ferir outra pessoa é parte integrada da resposta associada à raiva. A maioria dos adultos nunca quer ser violenta, a menos que não haja outra maneira de defender outras pessoas ou a si mesmos do dano. Percebo que há algumas pessoas que desejam ser violentas, quer porque isso seja parte de sua atividade criminal ou porque consideram agradável. No Capítulo 6, analisarei essas pessoas em minha discussão a respeito da violência. Será que qualquer um de nós pode ser pressionado direto ao ponto em que perde totalmente o controle, age destrutivamente e, assim, fica impossí-

    A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

    vel escolher palavras ou ações? Todas as pessoas têm um ponto de Jogos de Comovente de Graça para Baixar Qualquer um de nós pode cometer um assassinato, e o fato de que não o fazemos é simplesmente porque não fomos suficientemente provocados? Acredito que a resposta a todas essas perguntas seja negativa, mas não há evidência científica para provar. Podemos imaginar a experiência em que tentamos motivar uma pessoa à violência com provocações sempre crescentes? A maioria de nós adquiriu padrões reguladores que moderam nosso comportamento emocional, pondo algum freio na fala e nas ações antes de nos envolvermos em um comportamento extremamente prejudicial. Podemos fazer e dizer coisas terríveis, mas há um limite: não arrisco minha vida ou a vida Jogos de Comovente de Graça para Baixar outras pessoas em um pico emocional impulsivo descontrolado. Mesmo quando enfurecidos, apavorados ou angustiados, detemo-nos antes de ficarmos irreversivelmente destrutivos. Podemos não ser capazes de afastar as emoções de nossas faces ou vozes, podemos não ser capazes de nos impedir alguma fala cruel, ou chutar a cadeira (embora isso devesse ser mais fácil que inibir os sinais faciais ou vocais da emoção), mas podemos e devemos impedir que a crueldade se transforme em dano físico. Devo reconhecer que há pessoas que apresentam um controle deficiente dos impulsos, mas Jogos de Comovente de Graça para Baixar isso um desvio, não uma regra. Admitindo, então, que a maioria de nós não chegará ao limite das ações destrutivas, prejudicando permanentemente os outros ou nós mesmos, ainda é verdade que a maioria de nós, de vez em quando, dirá ou fará coisas prejudiciais. O dano pode ser psicológico em vez de físico, e pode não ser permanente, mas o comportamento ainda é prejudicial. Pode não ser motivado pela raiva ou não envolver dano aos outros, mas a nós mesmos. Por exemplo: o medo descontrolado pode nos paralisar ao lidar com um perigo; a tristeza pode provocar nosso afastamento do mundo. A questão, agora, é como — e quando — podemos evitar os episódios emocionais destrutivos, quer o dano seja contra nós, contra os outros, ou contra todos. Uma das funções da emoção é concentrar a consciência no problema que ativou nossas emoções. Em geral, elas não funcionam fora da consciência, Jogos de Comovente de Graça para Baixar, embora isso possa acontecer. Todos já tivemos a experiência de não perceber que agimos emocionalmente até alguém chamar atenção para isso. Embora isso aconteça, geralmente sabemos como estamos nos sentindo. As emoções que vivenciamos parecem certas, justificadas, Jogos de Comovente de Graça para Baixar. Não questionamos nossas reações. Estamos subjugados a elas.

    COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

    Se for necessário frear algo em nosso comportamento emocional, se tivermos de mudar a forma como nos sentimos, devemos ser capazes de desenvolver um tipo diferente de consciência emocional. Ser capazes de retroceder — exatamente enquanto sentimos a emoção — e, assim, questionar se queremos continuar com o que nossa emoção nos orienta a fazer ou se queremos escolher como agiremos. Isso é mais que estar consciente de como nos sentimos, ou seja, é outra forma de consciência, mais avançada, mais difícil de descrever. É próximo do que os pensadores budistas denominam plena atenção. Para B. Alan Wallace, filósofo, isso é "o senso de ter consciência do que nossa mente está fazendo"19. Se estivermos atentos com relação a nossas emoções, ele afirma, podemos optar: "Queremos agir sobre a raiva ou queremos simplesmente observá-la?" 20. Não estou usando a palavra atento porque ela está incorporada a uma filosofia maior e muito diferente do que descrevi para a compreensão da emoção, e depende de práticas muito específicas, diferentes dos passos que sugeridos aqui. Ao escrever a respeito da memória, Jogos de Comovente de Graça para Baixar, Geórgia Nigro e Ulric Neisser, psicólogos, descreveram como "em algumas memórias, a pessoa parece assumir a posição de um espectador ou observador, considerando a situação de um ponto externo superior e se vendo 'a partir de fora'"' 1. Eles compararam esse tipo de memória àquele em que temos a perspectiva do outro na memória. Na maior parte da nossa experiência emocional, estamos na experiência em si, muito dominados pela emoção, e nenhuma parte de nossa mente observa, questiona ou considera as ações em que nos envolvemos. Estamos conscientes, cientes, mas num estado que a psicóloga Ellen Langer denomina modo descuidado22. A distinção de Nigro e Neisser entre os dois tipos de memória é muito parecida com a que Henry Wyner, psiquiatra e pensador budista, descreveu como a diferença entre o fluxo de consciência e o que ele denominou o observador, isto é, "a consciência que observa e responde aos significados que surgem no fluxo de consciência" 23. A fim de que sejamos capazes de moderar nosso comportamento emocional, de escolher o que dizer ou fazer, temos de ser capazes de saber quando ficamos ou estamos ficando emocionados, Jogos de Comovente de Graça para Baixar. De modo concebível, teríamos ainda mais escolha se fôssemos capazes de perceber a avaliação automática enquanto ela está acontece, Jogos de Comovente de Graça para Baixar modificá-la ou cancelá-la à vontade. Como os avaliadores automáticos são muito rápidos, é muito difícil atingir esse objetivo. Sua Santidade, o Dalai Lama, em nosso encontro, mencionou que certos iogues são capazes de estender o tempo. Para

    A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

    eles, aqueles milésimos de segundo em que ocorre a avaliação automática podem ser estendidos o suficiente para que eles façam uma escolha consciente, para modificar ou cancelar o processo avaliatório, Jogos de Comovente de Graça para Baixar. No entanto, o Dalai Lama duvidou que essa consciência de avaliação fosse possível para a maioria das pessoas, inclusive ele mesmo. Um próximo passo possível, mas difícil de alcançar, é se dar conta do que está acontecendo na mente de uma pessoa imediatamente após a avaliação automática, mas antes do comportamento emocional, ciente dos impulsos para a ação e das palavras que surgem com esses impulsos. Se a pessoa alcançar essa consciência do impulso24, ela poderá decidir se permite que o impulso seja concretizado. Os budistas acreditam que alcançam a consciência do impulso, Jogos de Comovente de Graça para Baixar, mas isso requer muitos anos de prática meditativa. Sigamos adiante e consideremos o que pode ser alcançável de imediato, ainda que não facilmente. Peter Goldie, filósofo, descreve o que denomina consciência reflexiva com o exemplo de uma pessoa que tem consciência de que se sente amedrontada. Se a pessoa afirma: "Sem dúvida, recordando a experiência, fiquei Jogos de Comovente de Graça para Baixar durante seu desenrolar, mas não senti nenhum medo no momento", Goldie sustenta que esse seria um exemplo de desconhecimento de modo reflexivo25. Esse é um pré-requisito para o que quero enfocar, mas não é suficiente, pois ignora a consideração se queremos ou não continuar com a experiência ou se queremos mudar ou inibir nossa emoção. Jonathan Schooler, em seu relato a respeito do que denomina metaconsciência, descreve a experiência familiar que todos nós já tivemos de virar as páginas de um livro sem ler uma palavra, como se estivéssemos pensando em que restaurante ir naquela noite26. Não é que não estamos conscientes; estamos muito conscientes para pensar em restaurantes, mas não percebemos que paramos de ler o livro. Se tivéssemos, teríamos desenvolvido uma metaconsciência, que Jogos de Comovente de Graça para Baixar aquela sobre o que vivenciamos no momento que quero levar em consideração, combinada com a escolha de continuar com aquela experiência ou modificá-la. Eu não fui capaz de encontrar um termo simples para descrever esse tipo de consciência; o melhor que criei foi considerando atenciosamente nossas sensações emocionais (para evitar a repetição de toda a expressão, às vezes a abreviarei, usando apenas a palavra atencioso ou atenciosidade, em itálico). Quando estamos sendo atenciosos, somos capaz de nos observar durante um episódio emocional, antes de passados alguns segundos. Reconhecemos que

    COMPORTANDO-SE EMOCIONALMENTE

    estamos nos emocionando e podemos considerar se a resposta é justificada ou não. Podemos reconsiderar, reavaliar e, se isso não der certo, orientar o que dizemos e fazemos. Isso acontece enquanto estamos vivenciando a emoção, assim que ganhamos consciência de nossas sensações e ações emocionais. A maioria das pessoas raramente está atenta a suas sensações emocionais, mas é possível alcançar essa atenciosidade. Acredito que podemos desenvolver a Jogos de Comovente de Graça para Baixar de ficar atenciosos e, assim, isso se tornará um hábito, um clemento-padrão de nossas vidas. Quando isso acontecer, nos sentiremos mais conscientes e mais capazes de regular nossa vida emocional. Há diversas maneiras de desenvolver esse tipo de atenciosidade. Um método que as pessoas podem utilizar para ficar mais atenciosas com suas emoções é empregar o conhecimento a respeito das causas de cada emoção, descritas nos Capítulos 5 a 9. Ao ficarmos mais familiarizados com o que ativa nossas emoções, podemos aumentar nossa consciência de quando e por que elas acontecem. Uma parte fundamental nesse caminho de aumentar a atenciosidade é termos a capacidade de identificar nossos próprios gatilhos emocionais quentes e de adotar medidas para enfraquecê-los. O objetivo não é ficarmos desprovidos de emoção, mas termos mais escolhas, depois que nos emocionamos, de como vamos representar aquela emoção. Conhecer as sensações corporais que diferenciam cada emoção também ajuda a enfocar nossa atenciosidade. Em geral, estamos cientes dessas sensações, mas não as identificamos nem as usamos como sinais de alerta para ficarmos atenciosos a nossos estados emocionais. Entre os Capítulos 5 e 9, apresento exercícios para aumentar a consciência de como essas emoções sentem. Você poderá ficar mais consciente dessas mudanças fisiológicas e utilizá-las como sugestões que nos tornam atenciosos e dão oportunidade de considerar, reavaliar ou controlar as emoções. Nós também podemos ser capazes de ficar mais atenciosos tornando-nos mais observadores das sensações das pessoas com quem nos envolvemos. Se soubermos como elas se sentem, se ocorrer um registro em nossa mente consciente, podemos utilizar isso como uma sugestão para discernir nossos sentimentos e para, assim, ficarmos atenciosos acerca de nossas próprias sensações emocionais. Infelizmente, minha pesquisa constatou que a maioria de nós não é muito boa em reconhecer as sensações de outras pessoas, a menos que as expressões sejam fortes. Ninguém precisa de muita ajuda para interpretar uma

    A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES

    expressão facial quando uma emoção está no auge. Em geral, nesse momento, as expressões estão descontroladas, exibindo as aparências que descobri serem universais. No entanto, as expressões podem ser muito sutis, apenas uma alteração nas pálpebras ou no lábio superior. Além disso, ficamos freqüentemente tão concentrados no que a pessoa diz que perdemos completamente os sinais sutis. Isso é uma pena, Jogos de Comovente de Graça para Baixar, pois estaríamos numa situação melhor se pudéssemos detectar, desde o início, como a outra pessoa está se sentindo na interação. O anexo traz um teste que permite que você avalie quão bem reconhece os sinais sutis de quando uma emoção está começando. Do quinto ao nono capítulo há fotografias para ajudá-lo a ficar mais sensível a expressões faciais sutis e idéias de como usar essa informação na vida familiar, nas amizades e no trabalho. Aprender a considerar atenciosamente nossas próprias sensações emocionais não é fácil, mas é possível, e, ao longo do tempo, com esforços repetidos, acredito que vai ficando mais fácil*. Mesmo depois que a atenciosidade se tornar um hábito estabelecido, ela nem sempre funcionará. Se a emoção for muito intensa, se estivermos importando um roteiro de difícil identificação, se estivermos em um estado de ânimo pertinente à emoção que sentimos, se tivermos dormido mal ou enfrentando uma dor física contínua, podemos fracassar em ficar atenciosos. Cometeremos erros, mas, se isso acontecer, aprendemos com eles, para reduzir a probabilidade de acontecerem novamente. Há diversas técnicas para moderar nosso comportamento emocional uma vez que estamos ficando atenciosos: •

    Podemos tentar reavaliar o que está ocorrendo; se tivermos sucesso, os comportamentos emocionais cessarão imediatamente e outra emoção mais adequada Jogos de Comovente de Graça para Baixar ocorrer, ou, se nossa reação inicial foi pertinente, pode ser confirmada. O problema com a reavaliação é que nosso período refratário provoca resistência e nos impede de ter acesso à informação — armazenada dentro de nós ou do lado de fora — que pode desmentir a emoção. É muito mais fácil reavaliar depois do fim do período refratário.

    Источник: [https://torrent-igruha.org/3551-portal.html]
    Jogos de Comovente de Graça para Baixar

    0 comments

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *